Make your own free website on Tripod.com

BASSANO VACCARINI, ALÉM DA GENIALIDADE

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Como todo artista do mosaico sabe, a arte das tesselas está entranhada na alma dos italianos. O Império Romano foi o solo fértil onde o mosaico vicejou. Júlio César chegava ao requinte de levar artesãos em suas expedições para que fizessem o piso de sua tenda. Fica fácil compreender porque os italianos de hoje dão tanta importância ao mosaico, repetindo a difusão da arte, empreendida por seus antepassados.

 

Nesse mapeamento sobre a presença da arte no Brasil, os artistas italianos ou de ascendência na Península são casos recorrentes, destacando-se entre muitos, os nomes de Mucci, Nardi, Cerri, Formenti, Tanzini, Faro, Carelli, Abramo e outros. Quase todos destacaram-se em múltiplas vertentes das artes plásticas, como é o caso também de Bassano Vaccarini, cuja atividade artística foi tão pródiga que marcou para sempre a gigantesca e rica Ribeirão Preto e a vizinha e pacata Altinópolis, onde veio a falecer em 2002.

bassano4hp.jpg

Bassano Vacarini nasceu na pequena San Colombano al Lambro, em agosto de 1914, quando começava a I Grande Guerra. A cidade não passa de uma pequena comuna italiana na região da Lombardia, província de Milão. No último censo, a população da vila não chegava a 8 mil habitantes. Na progressista Milão, Vacarini freqüentou o curso do Liceu Artístico em 1929, passando à Academia de Brera em 1932 e à Escola de Artes Aplicadas de Monza a partir de 1934. Em 1943, êi-lo em Genebra, fazendo especialização em escultura.

A vinda para o Brasil foi um acidente de percurso. À frente de um grupo de artistas italianos que desejavam expor em São Paulo, desembarcou no Brasil em 1946, tomou gosto pela terra, arranjou um contrato como cenarista e por aqui ficou.

 

bassano3hp.jpg

No teatro sua genialidade abriu todas as portas. Foi cenógrafo, figurinista e diretor técnico do Teatro Brasileiro de Comédia, da Companhia de Teatro Bela Vista e da Companhia de Teatro Silveira Sampaio. Foi contratado em 1951 como professor da USP, permanecendo no cargo por quatro anos. Foi um dos períodos mais férteis de sua carreira, tendo produzido centenas de obras plásticas, entre quadros, esculturas, aquarelas, gravuras, etc... Seus companheiros da época eram Bruno Giorgi, Bonadei, Lothar Caroux, Frans Krajcberg, entre muitos outros.

Convidado a trabalhar em Ribeirão Preto, mudou-se para a cidade de mala e cuia, vindo a fundar um ano depois a Escola de Artes Plásticas da Universidade Federal. Sempre inquieto, cobriu a cidade de esculturas e promoveu as artes plásticas de tal forma que seu nome é estampado ainda hoje, tantos anos após sua morte, em diversos prédios, hotéis, casas de cultura, teatros e casas de espetáculos.

Além de uma cidade economicamente próspera, Ribeirão Preto é famosa pelo chopp servido em seus bares, especialmente o Pinguïm, do qual se diz que serve o melhor chopp do pais. É um espaço sempre cheio a qualquer hora do dia ou da noite. Se alguém de fora citar o nome de Bassano Vaccarini  em qualquer mesa, a conversa vai tomar um rumo que irá pela madrugada a dentro. Todos ali terão boas histórias e boas lembranças sobre o artista,  que por muitos anos impregnou a cidade com a marca de seu talento, sua simpatia e  capacidade de fazer amigos.

bassano2hp.jpg

Na verdade, Vaccarini só produziu um mosaico em toda sua carreira no Brasil. Ocorre que este mosaico não é um mosaico como qualquer outro. A obra não constitui um mural chapado, plano, como todos os que se conhece. A genialidade do artista não permitiria a mesmice. Convidado a decorar uma das alas externas do mercado municipal de Ribeirão Preto, Bassano Vaccarini construiu diversas peças de geometria variada – cubos, cones e poliedros distintos – cobrindo-os com pastilhas diferentes, exibindo uma volumetria rica de cores e movimento.

Sinceramente, fiquei completamente tomado de emoção quando vi a peça pela primeira vez, impactado pela solução ao mesmo tempo feliz e insólita, que não deixa ninguém indiferente. Absolutamente primorosa, verdadeira obra-prima, no centro de Ribeirão Preto. Chamo a atenção para essa questão da espacialidade porque ela é pouquíssimo explorada em nosso país.

bassanoassinahp.jpg

A questão da espacialidade na arte do mosaico ainda está aberta para a aventura criativa no Brasil. Vale lembrar que um dos maiores nomes do mosaico brasileiro no exterior, Marcelo Melo, ora residindo em Amsterdam, ganhou um prêmio nos Estados Unidos, durante um encontro internacional de mosaico, em função de uma peça originalíssima que criou de um mosaico que se apóia em si próprio, desprezando qualquer suporte. Marcelo fez de seu mosaico uma espécie de "ovo de Colombo", alterando sua forma no espaço para que se sustentasse de pé. Uma descoberta aparentemente simples, mas de inequívoca criatividade.

 

 Também é importante mencionar que uma das artistas de maior projeção internacional nas últimas décadas,  Niki de Saint Phale, lastreou boa parte de sua obra em bonecos revestidos por mosaicos policrômicos.

O mural de Bassano Vaccarini passou há pouco tempo por uma limpeza geral e uma melhoria de sua visibilidade com a retirada de um grade que prejudicava sua contemplação à frente do Mercado Municipal. A obra agora fica exposta e aberta ao toque das pessoas. A prefeitura de Ribeirão Preto também instalou luzes que batem nas pastilhas e respingam na rua, fazendo a peça ganhar novos contornos. Como se sabe, Ribeirão Preto é reconhecida como a cidade que abriga o melhor chopp do país.  Também é uma das cidades onde se encontra o maior numero de obra de arte em área pública, graças a Bassano Vaccarini que defendia a ocupação de praças e logradouros públicos pelas artes plásticas.

h.gougon, julho 2009

Veja abaixo a foto integral do painel visto da outra margem da rua, em frente ao Mercado Municipal de Ribeirão Preto

bassanointegralhp.jpg