Make your own free website on Tripod.com

Belmiro de Almeida, um precursor da arte musiva brasileira

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Entre duas Modernidades: Uma andorinha faz o verão de Belmiro de Almeida

Painel musivo de Belmiro de Almeida
andorinha2.jpg
Pode ser visto no Bairro da Lapa, no Rio

Obra Efeitos do Sol exibe pontilhismo de Belmiro
efeitoshpdosol.jpg
Em Paris, o artista antenava-se com a vanguarda

Por iniciativa do Centro Cultural do Banco do Brasil, uma mostra de resgate dos valores estéticos oitocentistas começou a percorrer o país em 2004 com  o título “Entre duas modernidades: do Neoclassicismo ao Pós-impressionismo na Coleção do Museu Nacional de Belas Artes”.

 

Nela, figuram obras produzidas por artistas notáveis que vieram com a Missão francesa, trazida por D. João VI, como também peças assinadas pela maioria dos pintores do período ligados à Escola Nacional de Belas Artes, dentre os quais Vitor Meireles, Eliseu Visconti, Rodolfo Amoedo, os irmãos Bernadelli e Belmiro de Almeida.

 

O que se encontra na mostra é apenas uma fração do riquíssimo acervo do Museu. A peça mais polêmica e mais atual que se exibe é a apresentação assinada por seu diretor, Paulo Herekenhoff, que, sem muito rodeio, vai direto ao assunto:  “Não se pode prosseguir dissolvendo as texturas do nosso Século XIX”. E também: “O século XIX não pode ser reduzido, por preguiça intelectual, a um mero e vazio academicismo”.  Critica o preconceito corrente no período modernista e questiona seu sistema de hierarquias “que ainda nos aprisiona em relação à nossa história”.Também  aponta as contradições do período do chamado Modernismo, chamando atenção para o fato de que o urbanista e o arquiteto responsáveis pela maior aventura modernista brasileira - a construção de Brasília - foram moldados pela Escola Nacional de Belas Artes. Nela se formaram em 1924 o dr.Lúcio Costa e em 1937 o dr. Oscar Niemeyer.  Com autoridade, Herekenhoff conclui, taxativo: “No Brasil, o Modernismo já não detém o monopólio do olhar sobre a modernidade”.

 

Vencer preconceitos talvez seja a tarefa mais difícil dos artistas em todos  os tempos. Sobretudo aqueles mais arraigados na sociedade. Belmiro de Almeida que o diga. Nascido na cidade do Serro nos idos de 1858, fez uma carreira brilhante, dentro e fora da Academia. Talvez tenha sido o artista brasileiro que mais freqüentou os círculos parisienses de vanguarda em sua época. Dentre todos seus colegas que foram selecionados para a presente mostra no CCBB, foi ele, sem qualquer sombra de dúvida, quem mais antecipou tendências e quem mais soube reproduzir nos trópicos o que havia de arrojado na modernidade européia.

 

Sua obra Efeitos de Sol, escondida num fundo de sala da mostra do CCBB, durante sua passagem por Brasília, é datada de 1892, e é a que melhor traduz as noções de pontilhismo que se ensaiavam nas telas de Seurat. Belmiro sempre foi um vanguardista, mas não participou da farra de 1922. Achavam-no muito ligado à Escola Nacional de Belas Artes. Os modernistas foram buscar em Paris telas do pernambucano Vicente do Rego Monteiro e descartaram o mineiro que, um ano antes, já produzia o óleo Mulher em Círculo,  peça mais avançada esteticamente do que qualquer outra tela exibida nos dez anos seguintes.

 

Belmiro de Almeida faleceu em 1935, em Paris, depois de uma vida fecunda e sempre antenada com todas as tendências de sua época.  Além de pinturas, fez charges, caricaturas, ilustrações e  foi editor de revistas como Fon-fon , Diabo a quatro, Rataplan, João Minhoca e outras. Como escultor, produziu, entre muitas obras,  uma réplica do célebre Maneken Piss, de Bruxelas (obra de 1619), que acabou conhecida como  Manequinho depois de colocada no largo do Mourisco, no Rio de Janeiro, onde o clube Botafogo a adotou como mascote do time . Vândalos arrancaram a escultura do seu pedestal nos anos 80, mas a obra foi refeita algum tempo depois.

 

O que pouca, pouquíssima gente sabe, ou conhece, é a obra praticamente derradeira de Belmiro de Almeida: um painel em mosaico realizado para o Edifício Andorinha, inaugurado em 1934 na Avenida Graça Aranha, no centro da cidade do Rio de Janeiro.

 

O edifício pegou fogo em 1986, matando 21 pessoas e ferindo mais de 50. O painel, que ornava a portaria ficou  chamuscado. Foi coberto de gesso e levado para a Usina de Asfalto da cidade, onde ficou esquecido por quase duas décadas.  Há menos de dois anos, a Prefeitura carioca (leia-se César Maia) decidiu recuperar a obra, entregando a tarefa à empresa Concrejato que recorreu aos serviços do ateliê de três mosaicistas talentosíssimas do Rio de Janeiro. Durante quase um ano, Luciana Sabino, Tetê Martins e Helena Rocha estudaram o painel, e tiveram paciência para recolher tessela por tessela e remontá-las sobre uma plataforma de fibra de vidro. O painel apresentava fraturas e padecia da perda de 15 por cento de sua cobertura.

 

Como à época da sua execução ainda não havia fábricas de pastilhas no Rio de Janeiro – o que só iria ocorrer na década de 40, viabilizando uma infinidade de obras nos prédios residenciais e comerciais daí em diante – o recurso usado para cumprir o projeto foi a quebra de ladrilhos hidráulicos e  muitas peças de “pâte de verre”, provavelmente adquiridas pelo autor em suas múltiplas idas e vindas entre Paris e Rio.  Não há segurança se coube ao próprio Belmiro a execução do painel ou se sua responsabilidade esgotou-se no desenho de cartão. O fato é que a obra é assinada por ele e na justaposição das pastilhas é possível confrontar a assinatura com sua caligrafia nos estudos de outras obras de arte. Além disso, no curso da restauração, o grupo de mosaicistas travou contato com membros idosos da família dos construtores do Edifício Andorinha, que relataram a proximidade que o clã mantinha com Belmiro de Almeida nas primeiras décadas do século passado.

 

Realizado o restauro, o painel foi encaixado sobre um suporte rígido e levado pela prefeitura do Rio para ornar uma praça nova no bairro da Lapa, que atravessa um processo de revitalização conduzido pela municipalidade. Além de ser uma obra belíssima, engrandece a cidade e faz justiça a um dos artistas mais importantes do século XIX, mais moderno do que qualquer outro participante da semana de 22 e que, até pela iniciativa de fazer um mosaico, antecipou, em mais de vinte anos, uma prática que só iria encontrar seu auge na década de 50, quando a técnica musiva para painéis e murais foi buscada por nomes como Di Cavalcanti, Portinari, Clóvis Graciano, Carybé, Antônio Carelli, Athos Bulcão e dezenas de outros notáveis da época.

 

 

 

Mulher em Círculos é de 1921
mulherhpgcirculo.jpg
Um ano antes da semana de 22, Belmiro mostrava-se à frente dos "modernistas"

Enter supporting content here