Make your own free website on Tripod.com

Painéis musivos de Poty em Maringá e na Lapa (PR)

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

potyemma.jpg

Nascido em Curitiba no ano de 1924, Napoleon Potyguara Lazarotto é considerado um nomes mais representativos das artes no Brasil. Fã de história em quadrinhos e de cinema, esse mundo de sonho iria empurrá-lo na direção de outras linguagens artísticas, às quais se dedicou sempre com grande tino e criatividade. Aos 18 anos de idade partiu para estudar no Rio de Janeiro, vindo a trabalhar com nomes consagrados do modernismo, como Portinari e Di Cavalcanti. Aos 22, viajou para Paris, onde passou um curto período, entrando em contato com técnicas de impressão em madeira e metal, que utilizaria com freqüência ao longo de sua carreira artística.

 

Ao retornar ao Brasil, fixou-se primeiramente em São Paulo, onde ministrou aulas de procedimentos artísticos e realizou uma série de painéis e murais, sempre retratando personagens populares, trabalhadores, lavradores e pedintes. Como ilustrador gráfico, realizou trabalhos que deram vida a grandes sucessos de romancistas como Graciliano Ramos, Jorge Amado, Rachel de Queiroz e Dalton Trevisan.  

 

foto221poty.jpg

Para quem gosta de viajar, recomendo um passeio que fiz certa vez pelos sertões mineiros que acabou me colocando, novamente, em contato com a obra de Poty. Quando dirigia pela BR 040, entre Belo Horizonte e Brasília, atinei de sair da pista por uns 20 quilômetros para visitar Cordisburgo e conhecer a casa onde nasceu Guimarães Rosa, um recanto aprazível, muito bem preservado, limpo e repleto de cartas, bilhetes e fotos do grande escritor mineiro. Para minha surpresa, encontrei ali, exibidas nas paredes, as matrizes originais de xilogravuras talhadas por Poty  para “Grande Sertões, Veredas” e  outros de seus livros de contos.

foto2210poty.jpg

Além das obras de escritores nacionais, Poty Lazarotto ilustrou edições traduzidas de autores como Kafka, Edgar Alan Poe e Tchecov. Ao voltar a Curitiba, cobriu a cidade de painéis e murais com características folclóricas e  populares, a grande maioria em azulejos pintados. Morreu em 1998 e seu último trabalho foi exatamente um painel em mosaico, executado para o Teatro Calil Haddad, de Maringá, concluído em 1997, mas somente inaugurado em 2000.

assinatura de Poty e de Adoaldo Lenzi, executor
potyemmaringahp44.jpg
Obra encontra-se no Teatro Calil Haddad, em Maringá

Pessoalmente, nunca vi a obra, mas fui agraciado com fotos belíssimas, aqui apresentadas, de autoria da jovem Stela Vilela Boeira, de Maringá, que as providenciou a pedido de meu velho amigo, o veterano jornalista e professor Manoel Vilela de Magalhães, seu tio.

 

Maringá conta com uma segunda obra mural assinada por Poty Lazarotto, mas não em mosaico. O segundo mural é todo em concreto e foi instalado no Shopping principal da cidade.

poty8hpg.jpg

Até outro dia, tinha para mim que o perfil de Poty como mosaicista era limitado a este trabalho de Maringá, mas fui surpreendido por uma mensagem vinda de uma paulistana do Butantã, que, de viagem pelo Paraná, parou na entrada da cidade de Lapa, no Paraná, e ficou deslumbrada com um mural de Poty, toda ele em mosaico de Vidrotil.

 

A viajante, Gláucia Cuchierato, este o seu nome, bateu várias fotos de qualidade da obra e conferiu meu interesse pelo assunto, navegando pela Internet. Tomou a iniciativa de me enviar um e-mail, dizendo:

 

"Estive na cidadezinha de Lapa, PR, onde na sua entrada tem um painel enorme deste mesmo artista em mosaico, com a figura de tropeiros e seus bois...." Em seguida consultou se eu gostaria de receber fotos da obra. Como costuma dizer minha mulher, é perguntar ao macaco se quer comer banana.

poty1hpg.jpg

A representação dos tropeiros e dos bois vagando à frente de pinheiros do Paraná em fundo branco exibe de forma nítida um contraste de tons claros e escuros dos quais o artista tirou partido para dar dimensão bucólica à cena de sua predileção, representada pelo movimento vagaroso da vida no campo, em sua terra natal.

poty9hpg.jpg

O painel que Poty concebeu para a entrada da Lapa teve sua execução confiada ao grande amigo do artista, o também ítalo-brasileiro Franco Giglio, responsável por dezenas de obras em pastilhas na cidade de Curitiba. 

Tanto o trabalho de Maringá, executado por Lenzi, quanto o painel da Lapa, confiado a Giglio, são obras de maturidade, que Poty Lazarotto realizou após uma carreira gigantesca,  ocupada em todos os gêneros artísticos.

 O mosaico é, no seu caso,  último suspiro de criatividade numa trajetória abençoada pelo reconhecimento e orgulho de sua gente.