Make your own free website on Tripod.com

OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Portinari deixou 4700 obras, mas só viu três delas tornarem-se painéis em pastilhas

Quando faleceu em 1962, vitimado pelo veneno das tintas que empregava em suas pinturas, Cândido Portinari tinha 58 anos de idade e deixava para a posteridade 4700 obras plásticas, das quais apenas três transferidas para a linguagem das tesselas, vindo a constituir obras em mosaico, todas com alta visibilidade

MODELO REPETE-SE AO LONGO DO PRÉDIO
cavalodeportinari.jpg

cavalosportinarihp1.jpg

A primeira delas é, sem dúvida, a mais singela. Chama-se “cavalos”, mas é representada por um único desenho do animal, reproduzido em dezenas de pequenos  painéis em pastilhas, mostrando o cavalo ora para um lado ora para o outro. As peças foram aplicadas na fachada frontal do Edificio Clube de Juiz de Fora, na esquina da Rua Halfed com a Avenida Barão do Rio Branco, no centro da cidade, emprestando um colorido diferente ao prédio. A execução do painel coube a dois especialistas na matéria: Paulo Fonseca (que também executou outras obras em mosaico em prédios residenciais de Copacabana, no Rio) e José Moraes, que se tornou um artista muito apreciado e foi também especialista em mosaicos, tendo efetuado painéis em pastilhas num prédio da Rua  Almirante Tamandaré, no Flamengo (Rio), e em Uberlândia, onde concebeu e executou um vistoso painel na entrada do Uberlândia Clube e ministrou aulas na Escola de Artes da progressista cidade mineira. No pavimento térreo do Edifício Clube de Juiz de Fora, Portinari projetou uma obra em azulejo, colocada ao nível da calçada. Chama-se "As Quatro Estações".

PAINEL ABSTRATO, OBRA RARA EM PORTINARI
portinafraghp.jpg

portinari34.jpg

As duas outras obras de Portinari em mosaico estão impregnadas por histórias pitorescas. A primeira delas refere-se a um imenso mural abstrato no interior da Galeria Califórnia, no centro de São Paulo. O mestre de Brodóski demorou para aprontar o projeto, mas quando foi cobrado a ultimar a peça porque a construção civil já chegava ao final, ele simplesmente fez alguns rabiscos e entregou a concepção ao arquiteto. A execução foi providenciada e a obra rapidamente executada, chocando alguns observadores pela simplicidade plástica do projeto, que contrastava com a maioria das obras do artista.

O crítico de arte Mário Pedrosa chegou a ironizar o projeto em jornais do Rio de Janeiro, indagando se Portinari não estaria pretendendo fazer uma arte à maneira de Mondrian, o pintor holandês que, uma vez radicado nos Estados Unidos, ganhou notoriedade pela exploração de um caminho visual marcado por linhas retas entrecortadas.

bandeirantes54foto14.jpg

osbandeirantesdeportinari.jpg

Por último, a terceira obra em mosaico que Portinari concluiu em vida foi o painel “Bandeirantes”, aplicado em uma parede interna de um hotel no centro de São Paulo, o Hotel Comodoro. Na época de sua inauguração, em 1957, o hotel era um dos mais luxuosos de seu tempo. Após décadas, a degradação da área urbana ao seu redor relativizou sua proeminência e o estabelecimento chegou aos dias de hoje necessitando novos investimentos. O proprietário então decidiu promover um leilão para a venda do painel. Quem fizesse o maior lance ficaria com o encargo da retirada da obra, mas ninguém fez qualquer oferta acima do lance mínimo, provavelmente por temer as dificuldades inerentes à retirada de um painel em pastilhas, que é uma empreitada custosa, demorada e de risco.

 

Nessa altura do problema, um marchand do Rio de Janeiro entrou na história. Procurou o dono do Hotel e ofereceu-se para retirar o painel, assumindo os riscos, desde que também pudesse proceder à venda da obra. A retirada do painel ocorreu por meios pouco ortodoxos e acabou chegando a bom termo porque a empreitada foi confiada ao Ateliê Sarasá de S. Bernardo do Campo, pertencente a uma família de ascendência hispânica, de reconhecida competência. Entre as inúmeras ações promovidas pelo Ateliê na área de recuperação, restauro e execução, constam a limpeza e reforma de painéis no interior da Igreja da Sé e a construção de uma obra póstuma de Manabu Mabe na Fortaleza de Santo Amaro, no Guarujá.

OBRA RESTAURADA E PENDURADA NA PAREDE
portinariitau01.jpg

Bem, com o painel Bandeirantes retirado e recuperado nas instalações da empresa Sarasá e recolocado numa plataforma móvel (com rodinhas), a peça foi exibida no saguão de entrada da Bolsa de Mercadorias e Futuro de São Paulo. No período, o marchand procurou diversos investidores e acabou conseguindo sensibilizar o banqueiro Olavo Setúbal, que arrematou a obra e a levou para o interior do Centro Empresarial Itausa, colocando a obra na parede.

Essas foram as três obras em mosaico que Portinari viu concretizadas em sua vida, mas isso não quer dizer que não tenha concebido outros projetos especificos para realização com pastilhas. No levantamento realizado pelo projeto Portinari, outros desenhos foram identificados, todos eles indicando que se destinariam a obras em mosaico. Muitos deles estavam desenhados com lápis cera, que o mestre de Brodóski usava porque os médicos já o proibiam de lidar com as tintas que o envenenavam gradativamente e que o levariam de vez em 1962, no auge de sua força criativa.

 

assinatura de portinari
imagem717.jpg

Um desses trabalhos (Jesus entre os Doutores do Templo) foi transformado em painel e doado à Capela da Pontífice Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO) por João Cândido, filho de Portinari, ao final de 2008. A  execução da obra foi confiada à competente arquiteta Isabel Ruas Pereira Coelho (ateliê “Oficina dos Mosaicos”), que foi buscar na Itália os esmaltes coloridos para sua realização, seguindo o desejo do próprio Portinari, por ocasião de concepção da peça.

 

portinarinapucprojeto.jpg

Os outros dois trabalhos seriam destinados à Capela do Palácio da Alvorada por ocasião da construção de Brasília. O artista desejava que o mosaico fosse realizado com pastilhas italianas vindas de Ravena, mas em Brasília os construtores (leia-se Israel Pinheiro, primeiro presidente da Novacap e engenheiro-chefe da construção da cidade) acharam que isso iria atrasar a obra e pediram que ele fizesse algo mais simples aqui mesmo no Brasil. Portinari aborreceu-se e disse que não mais iria participar da construção da nova Capital.

jesuseosapostolos2.jpg

Obra retrata Cristo e os apóstolos.
portinarijesusgrande.jpg

Essa história já foi contada em outro capítulo aqui neste site: NIEMEYER VETOU MOSAICOS DE PORTINARI. É uma história triste porque, depois de tantos anos, os dois projetos de Portinari, mostrando Cristo na Cruz, foram levados ao conhecimento de Oscar Niemeyer, por ocasião da reforma do Palácio da Alvorada, entre 2006 e 2007 e por ele rejeitado. O arquiteto disse que desconhecia esses trabalhos e que não via relação entre eles e a Capelinha do Alvorada.

 

doures4714.jpg

De qualquer forma, vale observar que não apenas essa mas qualquer outra obra de Portinari pode ser refeita como painel em pastilhas. Evidente que o direito de tomar essa decisão cabe inteiramente ao filho único do artista, o professor João Cândido, uma figura excepcional, professor da PUC, dotado de grande carisma e devoção ao resgate da obra do pai.

cristoedrshp.jpg

Há poucos dias, fiquei sabendo em primeira mão de seu desejo de transformar em mural de pastilhas um trabalho gigantesco realizado por Portinari, que se encontra hoje num edifício-monumento de São Paulo. Mas por ser ainda um segredo a quatro paredes, não posso dizer qual é a obra e não vou fazê-lo nem que me enforquem.

 

HGougon, agosto de 2009