Make your own free website on Tripod.com

A tridimensionalidade em Marcelo de Melo e as opções do mosaico de revestimento

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

O mosaico premiado de Marcelo de Melo e a conquista
do espaço tridimensional

ritrattoditeresita.jpg

O ítalo-argentino Lúcio Fontana destacou-se desde a década de 30 como um precursor de alguns gestos de ruptura para abrir o caminho em direção à arte contemporânea. Sua trajetória ficou muito associada a um procedimento alucinado em determinado momento de sua carreira, que consistiu em cortar as telas de pintura a golpes de navalha, interpretado pelos que têm a responsabilidade de fazê-lo como um desejo de abrir a obra para além da bidimensionalidade.

galoargentino.jpg

Em outra vertente, Fontana também é autor de pequenas esculturas que cobria com pastilhas, sendo a mais significativa delas a que revestiu um busto de sua mulher com tesselas vítreas cobertas com folhas de ouro. O chamado Ritratto de Teresita chegou a ser mostrado em uma exposição itinerante no início de 2001, aqui no Brasil. Foi pena que, além desta, não trouxeram outra obra de Fontana, igualmente muito importante, denominada Gallo Argentino, cuja foto é reproduzida pela professora e especialista italiana Isotta Fiorentini Roncuzzi, para ilustrar sua obra clássica Il Mosaico (Longa Editore, de Ravenna, 1984).

marcaramortuariaazteca.jpg

A preocupação de Lúcio Fontana com a espacialidade nas artes visuais, que se apresenta por meio de cortes astuciosos nas telas, nasce antes de seus trabalhos escultóricos com mosaico de revestimento. Curiosamente, os mosaicistas europeus demoraram a compreender a lição deixada pelos povos pré-colombianos, que usaram ouro e outras pedras semi-preciosas, como turquesa e jade, para cobrir máscaras fúnebres, esculturas de serpentes (algumas delas com duas cabeças) e outras peças artísticas de significado ritual e mágico. Americanos e europeus saquearam as civilizações pré-colombianas e levaram para seus países o produto do saque, mas foram necessários alguns séculos para que os artistas do mosaico europeu admitissem as possibilidades de revestimento em mosaico das peças tridimensionais.

parqueguell.jpg

O arquiteto Antoni Gaudí deu um passo significativo nessa direção quando optou pelo uso de quebra de azulejos para vencer as curvas de suas obras, especialmente no Parque Güell, na Casa Millá, na Casa Batló e nas cúpulas da Sagrada Família – obras iniciadas depois de 1900, quando passou a contar com o concurso de um grande parceiro, o também arquiteto Josep Maria Jujol. Este sim era o mosaicista, melhor dizendo, o “trencadista”, especialista no uso decorativo das quebras de azulejos, dito em catalão “trencadis”. Confundir a obra de Jujol ou atribuí-la isoladamente a Gaudí é uma simplificação de autoria que só os leigos cometem.

foto54niksaintphale.jpg

foto53nikisaintphale.jpg

De todos os artistas de nosso tempo ninguém terá obtido melhor proveito do uso possível da espacialidade e do revestimento em mosaico do que a grande artista Niki de Saint Phalle, uma franco-americana nascida em 1930 e falecida em maio de 2002. Mal compreendida até quase 1980 por críticos que não atribuíam seriedade aos seus experimentos, ela deixou vasta obra, de riqueza estonteante, que mexeu e intrigou os espíritos mais refinados das últimas décadas. Seus trabalhos são vigorosos e coloridos, algumas vezes monumentais, como no caso do Jardim de Tarôs, na Toscana. São esculturas de revestimento em mosaico que alegram espaços públicos da Alemanha, da França, da Itália, da Suíça, do Japão e dos Estados Unidos.

cristo2.jpg

Aqui mesmo, neste espaço de conhecimento e pesquisa sobre obras referenciais em mosaico, foi possível tratar do significado da obra em mosaico com tesselas triangulares de pedra sabão para revestir o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro.

 

Enfim, quando finalmente os artistas do Primeiro Mundo – falo dos que trabalham com mosaicos – começam a explorar a linguagem, realizando projetos avançados e revolucionários valendo-se do seu potencial tridimensional, percebo no movimento de um jovem mosaicista brasileiro residente na Europa, Marcelo de Melo, atitude absolutamente nova no campo experimental da espacialidade do mosaico.

runningrug.jpg

Marcelo foi premiado no início de 2003, na II Exposição Internacional do Mosaico – “Earth Elements”, realizada pela Sociedade Americana dos Artistas do Mosaico (SAMA) com a obra “Running Rug”, realizada em 2001 (22x33x26cm). Nessa obra (foto acima), explica Marcelo, “o mosaico não é apenas a casca do trabalho, mas sim parte integral da estrutura, contribuindo para a sua estabilidade.”. O artista brasileiro não procurou cobrir a superfície, apenas fez com que o mosaico se bastasse nele mesmo, usando combinações leves de gesso e arame, permitindo que a obra, à base de porcelana inglesa e smalti italianos, se auto-sustentasse como uma folha de papel que se amassa para que fique de pé.

 

tropicaldelight2000.jpg

Os mosaicistas paranaenses sentem, apesar da distância, justo orgulho deste conterrâneo que vem se destacando no exterior. Acho que todos os brasileiros deveriam prestar mais atenção à sua trajetória, até porque se trata de um jovem com uma força de vontade e um potencial enorme para prosseguir crescendo e ocupando espaços no universo vasto da criatividade artística. Sua poética vai além do mosaico, procurando investigar novas áreas e possibilidades do objeto de arte mediante revestimentos que dão a cada obra uma roupagem nova e, claro, produzem nova leitura das peças que realiza.

 HGougon  abril 2010

 

reliefspiral2002.jpg

pinkleaf001.jpg

Enter supporting content here