Make your own free website on Tripod.com

O Mosaico e o Mosaico de José Moraes

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

O MOSAICO E O MOSAICO DE JOSÉ MORAES

José Moraes, lembrança em pedaços
josemoraes3hp.jpg
Seu nome de batismo era José Machado de Moraes

Crianças brincam de ciranda em prédio do Rio.
jmoraesrio1hp.jpg
José Moraes: elegância modernista nas pastilhas

José Machado de Moraes nasceu em 1921 e dentre suas obras mais significativas encontram-se painéis em mosaicos que concebeu e construiu em diversas localidades, mas sobre isso não há registros em livros nem em enciclopédias e nem mesmo na Internet.

 

Consegui localizar e documentar em foto pelo menos dois desses painéis, graciosos e íntegros. Ambos exibem a geometria, o jogo de cor e de sombra característicos do período modernista, um deles decorando prédio residencial no bairro do Flamengo, no Rio de Janeiro, e outro figurando na entrada do chamado Uberlândia Clube, na progressiva cidade do triângulo mineiro.

Fragmento do mosaico em Uberlândia
josemoraes2hp.jpg
Mosaico, documento vivo de uma época

Não é a primeira vez que me deparo com a falta de menção a “obras em mosaico” sempre que encontro biografias de artistas envolvidos de uma maneira ou de outra com a realização de painéis musivos. Os “biógrafos” e “estudiosos” da arte do período modernista costumam empregar eufemismos para indicar o envolvimento do artista com o mosaico.  

 

No caso de José Moraes, sempre que alguém ler em sua cronobriografia alguma referência do tipo “1950 - aperfeiçoa-se em pintura mural na Itália”, desconfie. A leitura pode esconder que o artista também estaria aperfeiçoando-se em mosaicos no mesmo período. Ou então quem ler que o artista trabalhou entre 1952 e 1958 com “decoração mural”, procure compreender que o biógrafo quis dizer (ou não quis dizer) decoração em arte musiva, decoração em pastilhas ou decoração em mosaico.

 

Qual a razão dessa omissão voluntariosa? Está claro que é o preconceito que acompanha ainda hoje, por mera ignorância, o discurso de críticos, biógrafos, professores de arte e curadores a respeito do mosaico e de sua forte presença no período modernista. Como a arte “caiu de moda” a partir da segunda metade dos anos 60, essa gente prefere ignorar o envolvimento dos artistas com a arte do mosaico por achar que isso diminuiria sua obra. Uma tolice a mais cultivada por falsos donos da verdade.

 

Quem quiser, pode procurar: não vai encontrar qualquer menção a mosaicos na vasta obra de José Moraes. Trata-se de uma lacuna imperdoável, que cuido de suprir aqui, esperando que outros companheiros interessados na arte venham agregar informações sobre a identificação de mais obras do autor em mosaicos, certamente “perdidos” por este país afora. Tenho razões para desconfiar que haja obras murais em mosaicos de sua autoria em algum bairro do Rio de Janeiro, até porque foi na cidade maravilhosa que ele nasceu e se criou. Posteriormente, viveu em muitas outras cidades, percorreu o Brasil de norte a sul, e fez estudos e exposições no exterior, especialmente na Europa.

crianças brincam de cabra-cega em prédio do RJ
jmoraesrio2.jpg
Cabra-cega: boa metáfora para os críticos da atualidade

Foi professor da FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado, de S. Paulo) a partir de 1967 e nos anos 70 no Departamento de Artes Plásticas da Universidade de Uberlândia. Como docente, seu currículo revela que ele foi o primeiro professor a iniciar o consagrado artista Glênio Bianchetti nas artes plásticas em meados da década de 40.

 

José Moraes não brilhou apenas nas obras musivas. Interessou-se por todas as plataformas sem nunca ser atropelado por qualquer tipo de vanguarda. Entre as inúmeras exposições que realizou por toda parte, consta uma individual de 1986 em São Paulo tendo por tema “a arte contemporânea”.

 

Sua formação artística sempre foi da melhor extração. Quando ainda mal se entronizava a arte da gravura no Brasil pelas mãos do grande artista Carlos Oswald, José Moraes o procurou por carta para conhecer algumas técnicas de água-forte, acabando por manter farta correspondência com o mestre. Oswald revelou mais tarde que, à época, pensou em publicar um manual, valendo-se da correspondência entre ambos. O livro não chegou a ser publicado, mas parte da troca de cartas entre Carlos Oswald e José Moraes encontra-se fac-similada no livro Gravura em Metal, assinado por Marco Buti e Anna Letycia, editado pela Edusp (Editora da Universidade de S. Paulo), com 300 páginas.

 

Um brinde à obra e à arte plural de José Moraes !
josemoraes7hp.jpg
Um artista genial sintonizado com o melhor de sua época

José Moraes abraçou todas as técnicas e linguagens, sempre com muito talento e dedicação. No que tange à sua obra em mosaico, é preciso destacar que foi ele quem arregaçou as mangas, juntamente com o artista Paulo Fonseca, para executar o vasto mural que se espalha do teto ao chão no frontal de um prédio modernista em Juiz de Fora, o Edifício-Clube de Juiz de Fora.

 

 A concepção da obra é de Portinari, que foi buscar nos dois artistas a competência técnica para a realização de dezenas de painéis semelhantes, mostrando a figura estilizada de um cavalo em mosaico que se repete, cada peça com 96 cm por 163 cm, ora cavalgando para um lado, ora para outro. José Moraes também foi o braço direito de Cândido Portinari na execução do mural em azulejo que projetou para a Pampulha, um marco de virada na arte modernista.

Cavalos: desenho de Portinari, realização J.Moraes
portinaricavalo2hp.jpg
Execução de José Moraes e Paulo Fonseca

Obra cobre fachada do Edifício-Clube de J de Fora
cavalosportinarihp1.jpg
J. Moraes foi parceiro artístico de Portinari também na Pampulha

Uma atualização em setembro de 2009:

josemoraeslhamasinthp.jpg

Apostei e acertei quando disse aqui mesmo neste espaço que era muito possível haver outros painéis em mosaico assinados pelo artista modernista José Moraes no Rio  Janeiro, além deste já bem conhecido da Rua Almirante Tamandaré, no Catete.

Pois há poucos dias, levado por algumas indicações, procurei por toda Praça Baden Powell, no bairro do Leblon, até encontrar o painel, com que pude fotografar certa tranquilidade porque a obra está exposta numa fachada debruçada para área pública.

Não creio que uma concepção da obra seja de José Moraes, mas com toda certeza é dele a  execução, que exibe duas lhamas se tocando, como se fizesse carinho uma na outra.

lhamasjosemoraeshp1.jpg

José Moraes foi um grande artista plástico, com talento para assumir qualquer encomenda. No caso dos mosaicos, a maioria dos trabalhos decorre de sua execução e concepção. No caso desse desenho das lhamas no prédio da Praça Baden Powell, Moraes aparentemente limitou-se à execução, deixando inclusive  sua assinatura nas pastilhas, lendo-se: EXC: Moraes. Ou seja, execução de José Moraes.

josemoraeshpass.jpg

Além das obras já mostradas aqui neste site, há ainda um outro painel concebido e executado por José Moraes há mais de 40 anos para as paredes de um restaurante em Uberlândia. O Painel mostra um ambiente de fazenda e situa-se no interior do restaurante Sahtten. Algumas pastilhas soltaram-se da obra, mas o propritário do estabelecimento já estaria providenciando reparos.

udigequeiroz22.jpg