Make your own free website on Tripod.com

Os cem anos de nascimento de Heinz Schueler
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Hoje, dia 2 de fevereiro, aniversário da Bahia e dos cem anos de Heinz Schueler 

O dia de hoje - dia dois de fevereiro (de 2011) -, é dedicado, na Bahia, à celebração de Iemanjá. Há muita emoção nas festas que ocorrem por todo Estado, no litoral e no interior. Nesta data procede-se à lavagem das igrejas, com forte sentimento devocional. A data é celebrada pelos baianos através de rituais religiosos e profanos em perfeita harmonia e sincretismo religioso.

         Pois hoje, neste mesmo dia 2 de fevereiro de 2011, um dos maiores nomes da arte do mosaico no Brasil, Heinz Schueler, se estivesse vivo, estaria celebrando cem anos de nascimento. Não era propriamente um baiano, mas um artista nascido na Alemanha, que morou por longos anos na Bahia e contribuiu profundamente para dar expressão e grandeza à arte do mosaico.

 Heinz Schueler, se encantou com o Brasil e aqui viveu por longos anos na cidade de Salvador,  tendo produzido obras em mosaicos que se espalham hoje por vários Estados brasileiros. Pode-se dizer que foi um “teuto-baiano” por seu envolvimento com a Bahia e com os baianos.

schuelerpetit.jpg

Ao lado de nomes expressivos que popularizaram o mosaico nos anos 50, tais como Paulo Werneck, Alfredo Mucci e José Moraes, o alemão Heinz Schueler colaborou profundamente para que o Brasil tivesse uma presença importante em obras de arte na linguagem do mosaico.

Se alguém duvida de sua importância, basta verificar que todas as obras realizadas por Carybé, em mosaico, - e não foram poucas – tiveram sua execução confiada a Heinz Schueler.  Sua filha, Renate Schueler, tem vasculhado os baús da família e encontrado uma infinidade de trabalhos artísticos realizados pelo pai. Sou-lhe imensamente grato por seus gestos de carinho quando me envia pelos Correios ou pela Web mais informações sobre a obra de Schueler. Ela reside nos EUA, mas circunstancialmente viaja à Alemanha.

schueler45.jpg

Ainda há pouco recebi dela cópias em xérox de um artigo assinado por Heinz Schueler em 1959 na revista “ACROPOLE”, que era uma publicação especializada em arquitetura e arte, considerada ainda hoje uma fonte importante para o estudo do período modernista brasileiro, especialmente dos anos 50 e 60.

Para celebrar o centenário de nascimento de Heinz Schueler, publico aqui a transcrição que fiz do artigo de sua autoria, publicado pela revista, bem como as fotos (em preto e branco) de algumas das muitas obras deixadas pelo fabuloso artista. 

VEJA ABAIXO A FAC SIMILE DO ARTIGO ASSINADO POR HEINZ SCHUELER (DUAS PÁGINAS) E LOGO ABAIXO A TRANSCRIÇÃO QUE FIZ DOS MESMOS, PARA VIABILIZAR A LEITURA.

artigo2deschueler.jpg

artigo22deschueler.jpg

TRANSCRIÇÃO DA REVISTA:

 

Revista ACROPOLE, número 249, julho de 1959)

 

ALGUNS ASPECTOS DA ARTE DO MOSAICO

 

Heinz Schueler

 

A arte do mosaico é das mais antigas do mundo, remontando mesmo, ao que se sabe, ao quarto milênio.

Os arquitetos de antes da Era Cristã, por certo não se sentiam satisfeitos quando se defrontavam com as paredes lisas e cinzentas, resultando, daí, o início da utilização de pastilhas coloridas na argamassa, a qual, depois de endurecida, foi  chamada mosaico.

O primeiro mosaico, naturalmente, foi bem primitivo; contudo, com seu aperfeiçoamento, tornou-se mais artístico, alcançando a representação figurativa. Os museus da Itália guardam ricos tesouros de mosaico antigo, notadamente os de origem helênica. Quanto aos nomes, conhecem-se sòmente helênicos, com exceção de alguns bizantinos.

O início da troca de mercadoria possibilitou uma aproximação cultural dos povos. Os califas que dominavam Córdoba, chegaram a pedir à corte bizantina alguns técnicos e materiais para o desenvolvimento da arte do mosaico. No ano de 965, o califa de Córdoba, recebeu do Imperador Nikephrous Phokas um artista especializado em mosaico, o qual conseguiu formar na Espanha vários discípulos. Originam-se, pois, dessa época , os mosaicos existentes na cúpula da Mesquita de Córdoba. Por outro lado, artistas gregos especializados em mosaico, mudaram-se  para a Itália, país onde encontraram boa acolhida e muita compreensão para sua arte, chegando mesmo a atingir um alto nível.

Os primeiros cristãos criaram, nas úmidas catacumbas e nas primeiras igrejas, figuras em mosaico de valor permanente. Em Roma, Ravena, Milão, Veneza e Nápoles nasceram nos séculos IV-VI e nos séculos XI-XII em Bizâncio, as maravilhas do mosaico. A arte do  mosaico alcançou, nessa época, o seu ápice, como na Grécia antiga, em seu tempo, a escultura.

O artista de mosaico emprega o esboço do pintor, baseado na técnica do mosaico. Com a prática dos anos, ele acaba conhecendo, exatamente, pelo esboço, como será a sua montagem da parede. Assim, a antiga arte renasce para a arquitetura moderna e enobrece o aspecto geral da obra.

Fala-se em técnica de Ravenna, quando se trata de um quadro composto de “pedrinhas” de mosaico do tamanho aproximadamente de 1x1 cm.

Para cabeças ou mãos usam-se, às vezes, pedrinhas de 1x2 mm. Considerando-se que 1m 2(quadrado) de mosaico artístico comporta cerca de 10.000 pedrinhas e 1 m2 de cabeças e mãos cerca de 13.000 a 14.000, pode-se então, formar uma perfeita idéia do imenso trabalho e do tempo necessário para a confecção de tal quadro. Em Ravenna, monarcas mundanos e clericais, nos primeiros séculos da Era Cristã, construíam  seus próprios túmulos, por cima destas igrejas e colocando naqueles seus retratos ou então, cenas bíblicas. Esses trabalhos executados com uma técnica perfeita , simples e clara, com efeitos de claro-escuro junto a tonalidades vivas, ainda hoje causam grande impressão aos que os contemplam.

O primeiro material originou-se do barro queimado colorido. Mais tarde empregou-se o mármore, cortado e quebrado em cubos. Para imitar as cores da natureza, queimavam-se e ferviam esses cubos, conseguindo assim, maior gama de cores. Ainda hoje são feitos os mosaicos de revestimento do tempo, e de pisos por mármores coloridos. Mosaicos de parede, em mármore entremeado com pedras naturais dão pelo seu caráter rústico, efeito bem agradável e suave para a vista. É inalterável sob a influência do tempo, e fàcilmente se conserva limpo, como o mosaico de vidro.

 

Na Europa, sòmente nestes últimos tempos é que se fizeram escavações de túmulos que datavam de mais de 2.000 anos. Removidas as camadas de terra e dos entulhos, apareceram com grande esplendor pisos de mosaicos com motivos alegres, e seu colorido dava a impressão de terem sido  feitos recentemente.

Na Itália como no Brasil, o sol tem uma intensidade bem maior do que nos países do Norte da Europa e mesmo na América do Norte. Um país com sol precisa de cores fortes; tal fato exigiu cores nas vestes de seu povo, especialmente das mulheres.

Na arquitetura das Igrejas, dos palácios, das casas, o vidro colorido foi chamado a desempenhar papel relevante. E com o desenvolvimento da indústria veneziana de vidros nasceu o mosaico de vidro, feito de saibro, quartzo, areia e diversos metais óxidos, resultando, depois de queimados em fornos, os ortocromáticos, os quais são comprimidos e submetidos a um processo lento de resfriamento. Para que fossem conseguidos ortocromáticos de tonalidades delicadas, foram, às vezes adicionados na fundição metais preciosos, como cobre e mesmo o ouro. Inúmeras tonalidades nos dias que correm são impossíveis de serem obtidas, visto não serem conhecidas mais as combinações e fórmulas das substâncias químicas.  Em Roma, no Vaticano, existe um atelier de mosaico no qual a profissão de artista do mosaico é hereditária e passa de pai para filho. 

Este atelier tem uma riqueza de cores com aproximadamente 25.000 tonalidades diferentes. Seus artistas se ocupam, em primeiro lugar, com a conservação constante de antigos mosaicos, como também, a arte de copiá-los. Em Berlim, existe  um atelier de mosaico que chega a produzir cerca de 14.000 tonalidades diferentes e cerca de 3.000 em ouro e prata.

O Brasil, apesar de nação jovem, já vem realizando algo de apreciável no campo do mosaico. Sendo um dos países cuja arquitetura é hoje considerada como de vanguarda, a aplicação dos mosaicos no revestimento de fachadas , de interiores, de jardins, etc. vem encontrando um número de adeptos cada vez mais acentuado. Isto porque o mosaico dá um efeito decorativo bem característico, seja pelo jogo de luz, de dia e de noite, como pela preservação  que dá à parede ou superfície com o qual é coberto.

Não resta dúvida de que o mosaico produzido no Brasil se ressente de uma gama de cores mais dilatada, o que impossibilita a execução de muitos trabalhos que resultariam mais ricos do que os atualmente apresentados.

As fotos que ilustram este artigo, mostram alguns trabalhos do autor do mesmo.

 

AGORA, A FOTO COLORIDA DO 

PEIXE É DE AUTORIA DE HEINZ SCHUELER EM PARCERIA COM O GRANDE ARTISTA CARYBÉ. EM BREVE VAMOS EXAMINAR ESSA PRECIOSIDADE E OUTRAS MAIS DA GRANDE DUPLA HEINZ SCHUELLER E CARYBÉ.

 

carybschueler.jpg

Uma dessas fotos refere-se a um trabalho concebido pelo artista Flávio Phebo (cenarista consagrado e já estudado em outro capítulo deste site) e foi executada por Heinz Schueler. Depois de concluida, a obra foi destinada à residência da Sra. Maria da Estrella de Melo Bittencout, que na época residia à Rua Angatuba, 684, em São Paulo. Veja na foto abaixo.

schueler45.jpg

Esta segunda foto (abaixo) é um painel em mosaico retratando peixes. Foi concebida e executada por Heinz Schueler. Depois de finalizada a obra, o autor encaminhou a peça ao mesmo destino da obra anterior.

schuelerpetit.jpg

Enter content here