Make your own free website on Tripod.com

Os cacos de louça do geógrafo Carlos Luís de Almeida
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

A Casa dos cacos de louça em Contagem (MG)

cacos333.jpg

Além dos casos de compulsão musiva, já comentados em outras páginas aqui neste site (a Casa Flor, em S. Pedro da Aldeia, no Rio, do salineiro Joaquim Gabriel dos Santos; e a casa do porteiro e jardineiro Estevão da Conceição na favela  Paraisópolis, em S. Paulo) há um terceiro caso que guarda um certo paralelismo na cidade de Contagem, próxima a Belo Horizonte.

casacacoloua6.jpg

Trata-se da casa que pertenceu ao geógrafo e professor Carlos Luis de Almeida, na Rua Ignez Glazman de Almeida, no bairro Bernardo Monteiro, em Contagem.

 

cacoslouca3321.jpg

Os dois primeiros casos (em S. Pedro da Aldeia e na favela paulista) referem-se a pessoas simples, de baixa escolaridade, mas não é este o caso do ocupante da Casa dos Cacos de Louça, que era um profissional de boa formação técnica, mas devotado compulsivamente à tarefa de cobrir todas as áreas livres de sua casa com os caquinhos.

cacosdelouca1.jpg.jpg

A casa foi tombada pelo serviço de Patrimônio Municipal, mas a medida não trouxe, até agora, qualquer providência concreta de resgate, conservação, recuperação, identificação do espaço e memória do ilustre ocupante da casa.

 

cacosloucas2221.jpg

Alguns poucos curiosos que se interessaram pelo caso não trouxeram luzes sobre o artista. Em alguns casos houve mesmo confusão. Há quem o tenha descrito como geólogo, quando na verdade sua formação era de geógrafo, o que é bem diferente.

 

minhaspecas005.jpg

Entre 1963 e 1989, ano de sua morte, ele passava as horas vagas cobrindo as áreas internas e externas de sua residência com cacos de porcelana, de azulejos e de muitas outras quinquilharias que comprava ou ganhava dos amigos. Enfim, foram 26 anos de atividade compulsiva, reunindo cacos e toda espécie de material que pudesse colar com argamassa em sua casa. Até agora, a municipalidade limitou-se a colocar uma placa na porta da residência, indicando sua existência. Já é alguma coisa.

 

cacoslouca4.jpg

Afinal, Contagem não é uma cidade fácil para quem é de fora. O que salva são os mineiros, que são reconhecidos pela sua cordialidade. De maneira geral sempre ajudam a indicar o local para os visitantes que buscam localizar a casa. Sendo uma cidade operária, com muitas indústrias ali implantadas, há poucos atrativos turísticos. Até por isso, a Casa dos Cacos de Louça se impõe com um espaço interessante e significativo por sua arquitetura insólita e delicada, destacando-se pelo apelo colorido de seus elementos decorativos.

 

minhaspecas009.jpg

Além da Casa dos Cacos de Louça, em Contagem; da Casa da Flor, em São Pedro da Aldeia; e da casa de Estevão da Conceição, em S. Paulo, há diversos outros casos interessantes de arquitetura “espontânea” tanto no Brasil como no exterior.

 

cacacacosamarela.jpg

A respeito do assunto, seria recomendável a leitura de um artigo seminal de um dos maiores mestres brasileiros em cultura “naîf” e arquitetura espontânea, o professor e crítico de arte Oscar D’Ambrosio. Leia em :

http://www.artcanal.com.br/oscardambrosio/arquiteturaespontanea.htm

Nele, o autor divaga também sobre os casos e ocorrências em outros países, alguns dos quais muito referenciados no Brasil, como o de Raymond Isidore (Picassiette) em Chartres e de Ferdinand Cheval, em Hauterives, também na França.

 

 

Eis o artigo do professor Oscar d'Ambrosio:
 

Arquitetura espontânea

 

 

 

A arquitetura chamada “espontânea” oferece  soluções geralmente surpreendentes, fora dos padrões tradicionais e com materiais pouco convencionais. Em comum, esses “arquitetos” têm, geralmente, a falta de formação técnica ou acadêmica e o uso, quase indefinido e infinito de adornos, objetos, ladrilhos e cacos que vão sendo somados à obra.

 

            Há várias pessoas no mundo que realizaram casas especiais, com criações de grande riqueza arquitetônica, como a de Estevão Silva da Conceição, que o jardineiro baiano construiu em Paraisópolis, bairro de São Paulo, SP. É o que ocorre com Ferdinand Cheval e Raymond Isidore, ambos na França,  Simon Ródia, nos EUA, Carlos Paez Vilaró, no Uruguai, e Friedensreich Hundertwasser, em Viena, além de artistas brasileiros.

 

Essas casas são construídas por pessoas em diferentes regiões do planeta que criam, intuitivamente, residências muito especiais, que espelham a sua forma de viver. Erguem assim locais que nascem de sua própria concepção de mundo, realizando geralmente um trabalho solitário guiados por uma força que mescla a obstinação com a obsessão.

 

            A composição e os adereços formam estruturas harmônicas e curiosas, diferentes, com artistas que apresentam histórias de vida às vezes marcadas por elementos comuns, como a idéia de que a construção da casa vem de um espírito, como ocorre em Raymond Isidore, ou por um sonho, como se dá em Ferdinand Cheval. Ambos, no entanto, partem de uma mesma experiência: o encontro de uma pedra que lhes chamou a atenção numa estrada.

 

            Isso sem contar artistas que deram às suas casas tons pessoais, transformando-as em museus, como é o caso de Pablo Neruda, com suas casas em Santiago, Valparaíso e em Isla Negra, no Chile, Niki-de Saint Phalle e Jean Tinguely, na Itália, e o Museu de Salvador Dali em Figueras, Catalunya, Espanha.

 

Mas em todos esses casos, assim como o da boliviana Pilar Espinosa Dias, em La Paz, que mistura soluções dos indígenas locais aimaras a dos colonizadores espanhóis, eles são criadores com uma carreira consolidada, cujas casas são um complemento de sua manifestação artística.

 

            Carteiro francês que passou 33 anos de sua vida construindo um edifício chamado “Castelo Ideal”, em Hauterives, ao sul de Lyon, França, considerado um exemplo de arquitetura ligada à arte naïf, Ferdinand Cheval (1836 - 1924), começou, em 1879, a erguer o seu sonho, terminando em 1912.

 

            Tudo começou com a sua fascinação por pedras. Durante sua rotina de trazer e levar cartas, escolhia pedras e as carregava para construir seu castelo. Primeiro, as carregava nos bolsos, depois em cestas ou carrinhos. À noite, à luz de uma lamparina, trabalhava incessantemente, sendo visto como  um bobo pela comunidade local.

 

            O edifício, que fica nos jardins da casa do carteiro, tem 12 metros de largura, 26 de comprimento e 14 de altura. O interior parece uma caverna, onde duas grutas se encontram. Há ali um templo hindu, um chalé suíço, as figuras de Sócrates e Adão e Eva, entre tantas outras.

 

            Durante 20 anos, Cheval levantou as paredes externas, com materiais como cimento e arame para fixar as pedras. Como queria ser enterrado ali, mas as autoridades proibiam, passou oito anos erguendo um mausoléu para si mesmo no cemitério de Hauterives. Pouco antes de falecer, começou a receber o reconhecimento do seu trabalho pelo poeta André Breton e pelo artista plástico Pablo Picasso. A partir de 1969, o castelo passou a ser protegido pelo governo francês.

 

            A casa de Raymond Isidore (1900 – 1964), em Chartres, França, é uma obra-prima.  Mosaicos de vidro quebrado, porcelana e outros materiais adornam o edifício, seu interior e os jardins. Ele trabalhava como varredor de cemitério e, durante 30 anos, utilizou 15 toneladas de cerâmica para construir a mansão Picassiette, atualmente visitada por 30 mil pessoas por ano. O próprio termo picassiette passou a ser utilizado como sinônimo de uma técnica de utilização de quebras de azulejo e justaposição parar gerar novos efeitos.

 

Filho de um pai alcoólatra e ausente, Isidore foi condutor de bonde e camelô, entre outras funções. Em 1925, casou com Adrienne Rolland, viúva com três filhos. Três anos depois, comprou 4 acres de terra para construir uma casa para a esposa e os enteados. Durante um ano, trabalhando à noite a aos domingos, construiu uma cozinha e dois quartos. Em 1937, começou a cobrir as paredes externas com mosaicos.

 

Apelidado de Picassiette por um jornalista, Isodore percorria todo tipo de local em busca de jogos de chá, bandejas e embalagens de perfume usadas ou quebradas para criar desenhos geométricos e narrativas simbólicas. Com poucas ferramentas, como colher de sopa, faca e canivete, ergueu, a partir de cacos de azulejos, de porcelanas, cerâmicas e seixos, cenas de cartões postais de paisagens francesas, como o Monte Saint Michel, a Torre Eiffel e a Igreja Sacre Coeur de Montmartre, entre outros.

 

            Isadore se aposentou em 1956 para se dedicar em tempo integral à construção. Terminada a casa principal, investiu dois anos na construção de uma capela. Entre 1958 e 1962, criou um jardim de esculturas, o Jardim do Paraíso, assim como o Portão do Paraíso, únicas partes que contaram com a ajuda dos enteados na construção.

 

            Sabato “Simon” (ou “Sam” para os amigos) Rodia (1879 - 1965) foi um imigrante italiano que passou boa parte de sua vida em Los Angeles, Califórnia. Foi no distrito de Watts que ele realizou a sua obra-prima: Watts Towers, ou seja, as Torres Watt, que começou a construir em 1921 e terminou em 1954.

 

            Após finalizar a obra, desgostoso com o vandalismo dos vizinhos, mudou-se para Martinez, também na Califórnia, onde faleceu. Acredita-se que nunca tenha visto a sua obra de novo após tê-la terminado e batizado de Nuestro Pueblo (“Nosso povo”), um conjunto de 17 estruturas conectadas, duas delas atingindo 30 metros de altura.

 

            O principal material usado foi tubos de aço e arame, além de pedaços de porcelana, vidro, garrafas, cerâmica e conchas do mar. Simon trabalhava sozinho, sem um plano pré-determinado e com ferramentas manuais. Crianças da vizinhança levavam pedaços de vidro quebrado, garrafas de refrigerante verdes (7 Up) e azuis (garrafas de leite de magnésia) e cerâmica, mas a maior parte do trabalho tinha como matéria-prima pedaços danificados da Cerâmica Malibu, onde Simon trabalhou durante anos.

 

            Alguns vizinhos estimulavam as crianças a depredar a obra, achando que elas fossem antenas para a comunicação com as forças inimigas japonesas na II Guerra. Outros achavam que o local escondia um tesouro. Por isso, deixou o local, que ameaçou ser derrubado. Graças ao esforço de um comitê formado por artistas, ele foi preservado e doado ao Estado da Califórnia em 1978. Ali funciona hoje o  Simon Rodia State Historical Park.

 

            Carlos Paez Vilaró é um caso à parte. Basta ler os versos abaixo:

 

            "Era uma casa muito engraçada,

 

não tinha teto, não tinha nada.

 

Ninguém podia entrar nela não,

 

porque na casa não tinha chão.

 

Ninguém podia dormir na rede,

 

porque na casa não tinha parede.

 

Ninguém podia fazer pipi, porque penico não tinha ali,

 

mas era feita com pororó,

 

era a casa de Vilaró".

 

Quase todo mundo conhece o poema “A casa”, de Vinícius de Morais, mas deve ter estranhado as duas últimas frases. Pois é, elas são os originais escritos pelo poeta – e depois alterados. O Vilaró do texto é Carlos Paez Vilaró, amigo pessoal de Vinícius e idealizador da Casapueblo, a casa em Punta Ballena, no Uruguai, onde ele compôs o texto A casa para seus netos.

 

            Nascido em 1923, Vilaró construiu a mencionada casa a partir de 1958 – e nela deixou marcado seu estilo muito pessoal, resultado de um talento multifacetado como pintor, escultor, ceramista, arquiteto e escritor. Punta Ballena fica a apenas 15 km de Punta del Este e impressiona, inicialmente, por ser uma enorme construção branca, sem nenhuma linha reta, que se esparrama sobre as pedras à beira-mar.

 

Tudo começou com uma casinha simples de lata, chamada La Pionera, que tinha também a função de ateliê. Com o tempo, Vilaró começou a cobrir a casa com cimento e cal, pintando sempre o exterior de branco. A residência foi crescendo e interagindo com o penhasco rochoso de Punta Ballena.

 

            As paredes, com relevo, funcionam como se fossem veias de uma enorme estrutura orgânica. Assim como Estevão, Vilaró mora na casa e não a considera concluída. Sempre está mexendo nos quartos e salas, que hoje ultrapassam o número de 70, batizados com os nomes dos primeiros hóspedes, como Pelé, Toquinho, Vinícius, Robert de Niro, Brigitte Bardot, Omar Sharif e  Alain Delon, entre outros.

 

            O pintor e arquiteto austríaco Friedensreich Hundertwasser (1928-2000) era conhecido por seus projetos sem linhas retas. Sua inspiração eram as harmonias da Natureza e suas características mais irregulares e acidentais. Utilizava ainda cores brilhantes e criou jardins com muitos elementos ornamentais. Acreditava que seu dever era transformar as cidades sem alma, permitindo que os habitantes vivessem de novo em harmonia com a natureza.

 

Nascido em Viena, em 15 de dezembro de 1928, foi batizado como Friedrich Stowasser. Sobreviveu ao Holocausto da Segunda Guerra com a mãe e estudou apenas três meses na Academia de Arte de Viena. Adotou o nome artístico com o que se tornou célebre em 1949 e, em 1981 recebeu o Prêmio do Estado Austríaco, a mais alta condecoração cultural.

 

Sua obra-prima é o Hundertwasser Haus, um dos lugares mais visitados de Viena, edifício construído em 1983, com janelas tortas, cores vivas, trechos cheios de plantas e solos ondulados, com a idéia que eles imitassem as formas da natureza. Faleceu em 19 de fevereiro de 2000, de ataque cardíaco, a bordo do navio Queen Elizabeth, em viajem para a Nova Zelândia, onde tinha uma casa que chamava de “jardim do morto feliz”.

 

            No Brasil, criatividade e sensibilidade são as principais marcas da obra de Estevão Silva da Conceição. Ele transformou a casa em que mora, na rua Herbert Spencer, número 38, no bairro de Paraisópolis, em São Paulo, SP, num autêntico jardim suspenso em que cada cantinho precisa ser admirado com cuidado para nos deslumbrar com a sua beleza, dividida em duas partes: a Casa de Pedra, onde fica a sala e o jardim, e a Casa das Estrelas, feita com madeira, que abriga o quarto do casal e dos seus dois filhos.

 

            Além de cuidar das plantas na parte mais alta da casa, localizada a 8 metros de altura, à qual se tem acesso apoiando-se em  galhos de concreto, num tipo de escada natural, Estevão construiu, com concreto e arame, uma espécie de árvore, toda repleta de objetos.

 

Há pratos, xícaras, cacos e lascas de cerâmicas e azulejos, telefones, celulares, relógios, canecas, garrafas, bolinhas de gude, tampinhas de garrafa, velocímetros de moto, câmeras fotográficas, moedas, duendes de gesso e cabeças de manequins, colados em argamassa, em conjuntos comparáveis aos do famoso arquiteto catalão Gaudí.

 

            Situada em meio a uma das maiores favelas da cidade, a casa de Estevão, parece um oásis de tranqüilidade. Isso não só ocorre pela beleza criada pelo artista em sua casa, mas também pela  personalidade do seu dono, um homem calmo, que atuou em diversas áreas, principalmente na construção civil e como jardineiro.

 

            É justamente na conjunção dessas duas atividades que a casa de Estevão se torna um local a ser preservado. Trata-se de uma obra em processo, que ainda vai demorar muito para ser terminada. Como pedreiro, ele vai justapondo novos elementos em sua árvore de concreto e, como amante das plantas, cuida dela na parte superior, de onde se tem uma vista privilegiada da favela.

 

            Estevão desenvolveu uma técnica toda peculiar para fazer da sua casa um jardim suspenso e um mundo de harmonia estética. Graças ao seu sentimento, tanto como pedreiro como jardineiro, ergueu muito mais que uma casa. Seguindo seu próprio modelo, sem referências externas, com muita criatividade, o artista baiano estabeleceu um universo com regras próprias e grande disciplina na metodologia de construção.

 

            Para Estevão, que dedica horas diárias à construção de sua casa, cada dia não trabalhado ali é um dia perdido. Trata-se de um projeto sem data para terminar, mas administrado com determinação admirável. O objetivo é erguer um local ideal, que torne a sua vida mais bonita, um espaço onde possa conviver com aquilo que mais gosta: as plantas, os objetos de louça e cerâmica e a família.

 

            Uma das mais célebres residências diferentes pela sua construção artística é a Casa dos Cacos, erguida pelo professor de Geografia Carlos Luiz de Almeida, em Bernardo Monteiro, bairro de Belo Horizonte, Minas Gerais. O edifício é todo revestido em seu exterior, por fragmentos de louça. São formadas assim figuras, tanto geométricas como humanas. Também há esculturas de animais, realizadas com esse mesmo processo, no jardim.

 

De 1963 até 1989, Almeida se dedicou ao projeto. A residência é totalmente revestida artesanalmente de cacos de louça e vidros, inclusive os móveis, utensílios e adereços internos. O resultado, entre o exótico e o surreal, é conhecido no Brasil e no exterior, já que os fragmentos de mosaico encantam pela forma como as cores são combinadas e como são reordenados os diversos pedaços.

 

            Já no bairro do Alto da Mooca, em São Paulo, SP, o imigrante ucraniano Jakim Volanuk, nascido em 1900 e falecido na década de 1990, criou o seu Simitério de Adão e Eva. Trata-se de um espaço, no terreno de sua casa, em que montículos de pedra e textos sagrados se mesclam.

 

O local foi registrado inclusive num curta-metragem, intitulado Simitério, de Carlos Augusto Calil, realizado em 1975, que buscou, de forma didática, mostrar o espaço em três momentos: o Gênesis do Velho Tratamento; o delírio do meio-dia com o sol a pino e o sonho da viagem ao céu; e a consumação do Apocalipse.

 

Outra residência curiosa é a de Helenita Queiroz Grave Minho, em Madre de Deus, Estado da Bahia, cidade com 12 mil habitantes a 50 km de Salvador. São três pavimentos equilibrados em menos de 2 metros de largura, que abrigam duas salas, cozinha, três suítes e uma varanda. Neste caso, a criatividade está na forma de ocupar um espaço restrito.

 

            Outro exemplo significativo é a Casa da Flor, em São Pedro da Aldeia, Rio de Janeiro. Construída por Gabriel Joaquim dos Santos (1892-1985). Ela começou a ser erguida em 1912, quando seus criador decidiu morar sozinho para dar vazão à sua arte. Mas foi, segundo se conta, partir de 1923, após um sonho, que o espaço se tornou uma progressiva obra de arte.

 

Dessa data até a morte, Gabriel passou a usar o lixo abandonado nas estradinhas da região, como cacos de cerâmica, de louça, de vidro, de ladrilhos e objetos como velhos bibelôs, lâmpadas queimadas, garrafas partidas, conchas, pedrinhas, correntes, tampas de metal, manilhas e faróis de automóveis para concretizar o que imaginava.

 

            Essa mescla de lixo e cacos deu origem a um mundo por muitos comparado ao de Gaudí e cuidado e estudado pela professora Amélia Zaluar, que conviveu com o artista entre 1978 e 1985. A casa mereceu inclusive comentário do escritor Ferreira Gullar, que viu nela “a obra de um negro trabalhador da salina, que nunca deixou de morrer o menino que trazia dentro de si”.

 

            Com o objetivo de preservar e divulgar a casa e o trabalho de Seu Gabriel, um grupo de admiradores criou, em 1987, a Sociedade de Amigos da Casa da Flor, hoje Instituto Cultural Casa da Flor, uma entidade civil sem fins lucrativos que ajuda a preservar o espaço, restaurado em 2001, após quase ser destruído pelo tempo.

 

            Em Nova Friburgo, também Rio de Janeiro, no distrito de Campo do Coelho, está o Jardim do Nego, criação do artista plástico autodidata Geraldo Simplício. Conhecido como Nego, ele transformou o jardim de seu sítio em um espaço onde esculturas gigantescas são criadas a partir do formato natural de rochas, complementadas com barro e cobertas por musgo. Essa proteção vegetal garante a durabilidade das esculturas.

 

            Nego, nasceu em Aurora, no Ceará, no dia 24 de fevereiro de 1943. Inicialmente escultor em madeira, realizando santos e ex-votos, fez sua primeira exposição em Crato, CE, em 1966. Mudou-se para o Rio de Janeiro, onde residiu no Mosteiro de São Bento e teve o talento reconhecido. Mudou para Nova Friburgo em 1969.

 

            O maior destaque é a obra intitulada O presépio interativo, de aproximadamente 6 metros de altura, em que uma manjedoura vazia convida o visitante a sentar no lugar do Menino Jesus, rodeado pelas figuras de Maria, José, os Reis Magos, um boi, um burro – e uma parteira.

 

            Em Mato Grosso, no município de Vargem Grande, perto de Cuiabá, Vitória Basaia habita uma casa peculiar. Ali, em suas esculturas nos jardins e nos baús reais e simbólicos, guarda o próprio tempo. Sua poética é a de nada deixar estático ou não-aproveitado. Seu compromisso é o de produzir sempre e de surpreender a si mesma e aos outros com suas soluções.  Cada parede, corredor e canto da casa exerce essa função com primor.

 

            Ela constrói o próprio mundo na casa e, nesse aspecto, as pinturas nos muros do jardim e as esculturas e rostos entre as folhagens ou em locais inesperados das paredes alertam para a possibilidade de conceber o espaço como a plenitude de uma proposta estética: a de que só existe a proibição do comodismo e da estaticidade.

 

Em Florianópolis, Santa Catarina, Eli Heil criou seu Museu Mundo Ovo, transformado em Fundação em 1993. É uma casa que conta com mais de 2 mil trabalhos, incluindo esculturas no portão e no jardim além de numerosas telas. Nascida em Palhoça, SC, em 1929, Eli atuava como professora de Educação Física até, aos 33 anos, ter uma doença que a deixou de cama por 5 anos.

 

Teve então um sonho em que um pássaro no telhado lhe mostrou um quadro, perguntado se ela poderia fazer aquilo. Ela conta que respondeu sim, estabelecendo um acordo plástico. Esse pássaro, imortalizado numa escultura com 4 metros de altura, está no jardim da casa e no seu bico tem pendurado um coração: o da artista.

 

            A existência dessas casas peculiares mostra um amplo limiar de possibilidades e, acima de tudo, de ricos caminhos para cada pessoa, seja artista plástico profissional ou não, dar vazão a sua visão de mundo. Seja no trabalho com fragmentos e justaposição de objetos ou no ato de projetar e construir ambientes, os criadores aqui mencionados oferecem suas respostas – muitas surpreendentes – ao mundo. Só por isso, ainda mais quando acompanhados por resultados encantadores ou assombrosos, já merecem nossa observação atenta e estudo aprofundado.

 

 

 

            Oscar D’Ambrosio mestre em Artes Visuais pela UNESP, integra a Associação Internacional de Críticos de Artes (Aica – Seção Brasil).

 

 

 

            BIBLIOGRAFIA

 

 

 

BAPTISTA, V. “Imitando aimaras e espanhóis” in Mais arquitetura. Ano Vi, n° 58, abril de 2004, página 26.

 

 

 

CAMPOS, D. L. de. “A arte de viver na favela” in Revista Raça Brasil. Ano 8, número 74, maio de 2004, página 82 a 84.

 

 

 

COW PARADE. São Paulo: IBEP- Companhia Editora Nacional, 2005.

 

 

 

FERREIRA, R. “Gaudí de Paraisópolis” in Revista Decoração: viver bem. Outubro de 2005; páginas 56 a 58.

 

 

 

FROTA, L. C. Pequeno dicionário da arte do povo brasileiro: século XX. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2005.

 

 

 

GONÇALVES, D. “Poesia concreta” in La dolce vita magazine. Edição 27, outubro/novembro, 2005; páginas 28 a 36.

 

 

 

GRUBER, R. H. La catedral de San Esteban de Viena. Innsbruck: Alpina Druck, 1998.

 

 

 

HUNDERTWASSER, F. KunstHausWien. Colônia: Tachen, 1999.

 

 

 

NAKAMURA, J. “Arquitetura espontânea: construídas à base de devaneios” in Mais arquitetura. Ano Vi, n° 58, abril de 2004, páginas 22 a 26.

 

 

 

STEIW, L. “Jardineiro cria em favela do Morumbi réplica de obra do catalão Gaudí” in Revista RSVP. Ano 2, número 14. novembro de 2005, páginas 130 a 133.