Make your own free website on Tripod.com

O Mosaico Primordial de Eduardo Sued

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

obra de Eduardo Sued em 1954: um mosaico
edusued2hp.jpg
Painel rico de expressão e cores já prenunciava um futuro de inquietação cromática

1

Prestidigitador. A palavra é esta. Pensei em chamá-lo de mágico da cor, de ilusionista, de mago, mas nada disso seria forte o suficiente para descrever minhas emoções diante da obra monumental construída por Eduardo Sued ao longo das últimas cinco décadas. O significado de sua atividade artística transcende de muito qualquer simplificação de palavras. Parece evidente que há nele magia, encantamento e um jogo indecifrável de ilusionismo cromático, só alcançável por iniciados. Daí a opção por qualificá-lo de prestidigitador, uma expressão pouco ou nada usual, reservada pelos dicionários a algum tipo de performance do inexplicável, para além do místico, do truque ou do acaso. Tudo em sua obra faz sentido, mas permanece enigmático, exigindo mais estudos, aprofundamentos e uma percepção sem limites na decifração de seus enigmas.

obra prima em prédio da Tijuca
edusued4hp.jpg
Eduardo Sued, o gênio da cor

É o caso, entre muitos, desse painel em mosaico que projetou e executou em 1954. Encontrei a descrição por acaso, ao identificar sua existência no belíssimo, completo e caprichado livro da crítica Ligia Canongia, editado pela Cosac&Naify. Uma obra basilar para qualquer interessado no conhecimento da vida e da produção artística de Eduardo Sued. Descrevendo suas atividades ano a ano, Lígia começa abordando seu nascimento no Rio de Janeiro em 1925, filho de imigrantes sírios; seu curso de Engenharia, abandonado no terceiro ano, em 1948;  sua amizade com Tom Jobim e Newton Mendonça quase na mesma época; sua iniciação em desenho de arquitetura no escritório de Oscar Niemeyer em 1951; sua viagem a Paris no ano seguinte; até que, em 1954, a minuciosa descrição da biógrafa informa:

“Aluga um ateliê provisório no bairro de Santa Tereza, Rio de Janeiro, para executar, auxiliado pelo artista Otávio de Araújo, o projeto de um grande mosaico de pastilhas, instalado no mesmo ano na fachada de um prédio residencial à rua Haddock Lobo, na Tijuca”.

Em busca do mosaico-mural

Não descansei mais enquanto não descobri o painel. Minha mulher ajudou-me na empreitada. Pegamos o metrô carioca e descemos na estação do Estácio, próxima a qual começa (ou termina) a rua Haddock Lobo. Ela foi por uma calçada e eu fui pela outra, caminhando lentamente, buscando prédio por prédio. De vez em quando gritávamos um para o outro, mas nada de encontrar a obra. Nenhum sinal à vista. Depois de cerca de 40 minutos de caminhada, já pertinho do término da rua, ela me gritou: Achei !!! Atravessei a rua correndo e me deparei, por trás das grades do prédio, com um belíssimo trabalho representando uma mãe brincando com seus filhos. Nada mais próprio para o sentido que o prédio exigia naquele período, uma sensação de conforto e paz familiar.

O porteiro do prédio abriu a grade, gentilmente, permitindo meu ingresso. Uma atitude amistosa, cada dia mais impensável no Rio de Janeiro. Pude então fotografar o painel e conversar com um ou outro morador do prédio no entra-e-sai daquele espaço. Uma senhora idosa, culta e sensível, falou-me de seu espanto diante revelação da autoria. Conhecia bem o trabalho de Eduardo Sued, mas jamais imaginara que fosse dele aquela peça pela qual passava diariamente. Pudera. O painel não contém assinatura, uma lástima, uma omissão inexplicável.

edusued1hp.jpg

A história não termina aí. Precisava confirmar a autoria, até porque a obra, de características figurativas, não guarda nenhuma identidade com a vastíssima produção de Eduardo Sued ao longo das últimas décadas. Estava no Rio e ali mesmo procurei na Lista Telefônica o número do artista. Havia vários endereços, mas a intuição me levou a discar para um telefone em Jacarepaguá. Acertei em cheio. Ele mesmo atendeu. Identifiquei-me como um estudioso de mosaico. Não iria dizer que era um “mosaicólogo”, soaria pedante e incompreensível. Sued me passou a impressão de ter ficado emocionado com minha descoberta. A certa altura da conversa, partiu dele a iniciativa de comprovar se a obra era, realmente, a que realizara em 1954. Perguntou-me então como era o desenho do painel. Disse que era uma mulher brincando com dois  meninos e ele então ficou ainda mais interessado, querendo saber sobre o estado da obra. Disse que estava muito bem conservado, mas faltava sua assinatura  ou quando nada uma plaquinha identificadora. Daria mais orgulho aos moradores do prédio e, com certeza, mais motivação para mantê-lo preservado.

Octávio Araújo, o parceiro

 

Por último, é preciso dizer alguma coisa sobre Octávio Ferreira de Araújo, que foi parceiro de Eduardo Sued na execução do mosaico. Trata-se igualmente de um artista expressivo, da mesma geração, tendo nascido em Terra Roxa (SP) em 1926. Residiu boa parte de sua vida no exterior, a partir de 1947, quando se matriculou na Ecole des Beaux Arts, na França. Na ocasião, auxiliou o grande mestre Portinari na execução do painel “Pescadores”, vindo a trabalhar com ele em outras obras a partir de 1952, já no Brasil. Em 1957, conheceu a China, levando uma exposição de arte brasileira. Em 1960 inscreveu-se no Instituto Poligráfico de Leningrado, na antiga União Soviética, retornando ao Brasil em 1968, com uma bagagem portentosa de estudos e conhecimentos artísticos. Não possuo informações mais precisas sobre seu envolvimento, na China ou na URSS com as atividades do Partido Comunista, o que faria sentido diante da forte competição ideológica que marcou aquele período, mas é no mínimo curioso saber que, ao retornar ao Brasil, recebeu um convite para ilustrar uma edição de luxo da Ode Marítima de Fernando Pessoa. O convite partiu de Carlos Lacerda, ex-governador do Rio de Janeiro, conhecido como um dos nomes mais expressivos da extrema direita brasileira, nas décadas de 50 e 60.

eduardosued22.jpg