Make your own free website on Tripod.com

Os pisos em mosaico do Museu Nacional de Belas Artes
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Pisando no melhor da belle époque carioca: o Museu Nacional de Belas Artes do Rio

enbahp61.jpg

enbahp3.jpg

Exatamente a 13 de Janeiro de 1937 nascia o Museu Nacional de Belas Artes no Rio de Janeiro por iniciativa do Ministro da Educação, Gustavo Capanema, abrindo suas portas já no ano seguinte, após uma visita inaugural do então presidente Getúlio Vargas.

       O prédio é o mesmo onde funcionava, até então, a Escola Nacional de Belas Artes, que formou uma geração inovadora de arquitetos no alvorecer do século XX, incluindo entre eles Oscar Niemeyer. As instalações ficam na Avenida Rio Branco, próximo à Cinelândia. O prédio decorreu de projeto elaborado por Adolfo Morales de los Rios, professor de arquitetura analítica,  dentro de um estilo eclético, construído na mesma época em que se construía o Teatro Municipal, próximo dali, entre 1906 e 1908.

enbahp245.jpg

enbahp222.jpg

UM ACERVO FABULOSO

O Museu já nasceu com o acervo da Escola Nacional de Belas Artes, então composto por 54 peças trazidas para o Brasil pela Missão Artística Francesa que Dom João VI chamou ao país em 1816. Desse primeiro acervo constam obras valiosíssimas, assinadas por Debret, Taunay e muitos outros. Passadas para a Escola Nacional de Belas Artes num primeiro momento, tornaram-se peças inicias do acervo do MNBA em seguida ao qual se juntaram nos anos subseqüentes cerca de 16 mil peças de arte, constituindo hoje, sem sombra de dúvida o principal patrimônio reunido de obras artísticas no Brasil.

enbahp78.jpg

Pìsos externos também preservados
enbahp286.jpg
Beleza dos pisos merece referência à autoria

enbahp269.jpg

Curiosamente, uma das principais obras deste acervo, que ali se encontra desde a construção do prédio, ou seja, há pouco mais de um século, é vista e admirada por todos os visitantes diariamente, mas não consta do catálogo do Museu. Trata-se do piso em mosaico, vindo de ateliê parisiense, mas nunca devidamente referenciado, identificado e divulgado nas publicações, ilustrações e folhetos do MNBA. Uma falha lamentável, até porque sem a menor sombra de dúvida, a beleza dos pisos proporciona grande admiração de maneira geral aos visitantes, estudiosos e turistas que ali comparecem diariamente.

 

enbahp26034.jpg

Do lado de fora do Museu, há grandes medalhões distribuídos nas fachadas laterais, retratando os nomes da antiguidade que de uma forma ou de outra contribuíram para o desenvolvimento das artes em geral, incluindo-se entre muitos Leonardo da Vinci e  Vitruvius. Sobre esses mosaicos há uma outra página neste site, abordando sua importância e divulgando a autoria: são todos eles obras do ateliê do artista francês (e militar!!!) Felix Gaudin.  Mas sobre os mosaicos do piso, aqui reproduzidos, ainda carece identificação da autoria.

 

É possível que tenham sido adquiridos também junto ao Ateliê Gaudin, mas não há menção oficial do Museu a esse respeito. Fazer o quê?

 

HGougon, 13 de janeiro de 2010