Make your own free website on Tripod.com

Na pista de um suposto mosaico de Volpi

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

A casa de JK é um marco da arquitetura moderna
niemeyerpampulhapt.jpg
A casa guarda uma obra de Volpi e outra de Paulo Werneck

Volpi fizera um mosaico belíssimo em sua casa da Pampulha

 

A afirmação está lá na página 679 do livro JK, o artista do Impossível, obra premiadíssima do jornalista Cláudio Bojunga, ao relatar, quase ao final, um pouco do apreço que os artistas plásticos guardavam em relação ao ex-presidente da República.

Vibrei com a revelação, senti sua importância e fui à luta, como venho fazendo ultimamente, em busca da obra, da data, da foto e de outras informações possíveis para referenciá-la historicamente, sobretudo por envolver um dos nomes mais significativos do período modernista.

Primeiramente, consultei uma amiga mosaicista, Ângela Costa, artista referencial de Uberlândia, de quem invejo o parentesco que tem com os Kubitschek. Ela telefonou para Maristela, a única filha viva (a outra filha, Márcia, que foi deputada por Brasília, faleceu há alguns anos) em busca de informações sobre o mosaico do Volpi.   Muito simpática, Maristela, no entanto, disse mais ou menos o seguinte:

 --Lembro-me bem que papai morou em duas casas na Pampulha, sendo que nos mudamos da segunda quando eu  tinha 11 anos, de forma que não me lembro desse mosaico.

Fiquei em dúvida. Passei a estudar melhor a obra de Volpi e comecei a desconfiar que o artista do Cambuci, de onde quase nunca se afastava, jamais teria produzido mosaico em sua vida. Não havia nenhum dado em sua biografia capaz de sustentar a realização do trabalho citado por Bojunga. Alfredo Volpi nascera na Itália e viera para o Brasil com dois anos de idade. Sempre manteve a cidadania italiana, mas só por uma vez viajou ao país de origem, sendo que sequer interessou-se em conhecer Ravena, cidade por onde passaram diversos companheiros modernistas em busca de lições de mosaico, como Quirino Campofiorito, Antônio Carelli e tantos outros na década de 50 (na época, quem não foi a Ravena, foi a Paris estudar mosaico diretamente com Gino Severini, a exemplo de Flávio Shiró, Sylvio Alves, Takaoka e Inimá de Paula).

A obra mais próxima de mosaico, realizada por Volpi, foi um projeto de vitral executado na Igreja do Cristo Operário, em São Paulo. Como se sabe, vitral e tapeçaria são parentes próximos, eu diria primos do mosaico. Mas não são mosaicos.

Pois bem, só me restava então confirmar a informação com o autor do livro. Foi o que fiz, chegando a enviar quatro e-mails, todos sem resposta, para a TV-Educativa, onde ele trabalha. Pedi socorro ao Observatório da Imprensa que, finalmente, forneceu um e-mail válido do jornalista Cláudio Bojunga. No dia seguinte, telefonou-me:

--Olhe, eu mesmo vi esse mosaico. Ele está numa casa à beira do Lago da Pampulha, que foi de Juscelino e depois vendida para Joubert Guerra, já falecido. Eu estive por lá no ano 2000 e conversei com a viúva, que estava em idade provecta.

A partir daí, a investigação avançou depressa. Descobri que Joubert Guerra fora prefeito de Diamantina de 1936 a 1940, sucedendo a Juscelino, de quem se tornou grande amigo. Comprou dele, no início dos anos 50, a casa da Pampulha, projetada por Oscar Niemeyer. Sua arquitetura é um marco modernista da época, no contexto das demais obras daquele espaço a Igreja, o Cassino (depois transformado em Museu) e o Iate Clube. Na lista telefônica, encontrei dois números em nome de Joubert Guerra. Num deles, atendeu o filho, que leva seu nome.  Muito gentil e amável, disse que na casa continua residindo sua mãe, Dona Juracy Joubert, e que o mosaico citado por Cláudio Bojunga não é propriamente um mosaico, mas um azulejo concebido  por Volpi, em parceria com Paulo Osir e  que teve a execução assinada igualmente por  Volpi e por Zanini  (trata-se de Mário Zanini, o pintor modernista, que não deve ser confundido com Zanine Caldas, o  mestre da arquitetura em madeira). 

Embora não seja um mosaico, trata-se de peça artística de valor inestimável, até porque revela um padrão pictórico completamente distinto daquele que marcou a obra de Volpi, das bandeirinhas, das igrejas, do geometrismo. Mas a investigação não ficou por aí.  Na mesma casa projetada por Niemeyer, encontra-se, em outro espaço, um painel em mosaico de autoria de Paulo Werneck, embora sem assinatura.  Para quem não se recorda, vou recapitular: Paulo Werneck é, sem sombra de dúvida, um dos maiores artistas do mosaico do século passado, com obras distribuídas um pouco por toda parte, sobretudo no Rio, em Minas e em Brasília, onde seu trabalho acabou secundado pela obra mais visível de Athos Bulcão. Paulo Werneck tem painéis de mosaico, que poucos brasilienses conhecem, no interior do Senado Federal, do Tribunal de Contas da União, da sede do BRB, do antigo prédio da Telebrás e do Itamaraty.  E ainda mais: também tinha um mural no Hotel Brasília Palace, que pegou fogo, consumindo sua obra e a de Athos Bulcão, bem próxima uma da outra.

Pedi à minha filha, que mora em Belo Horizonte, para tirar a limpo as obras importantíssimas no interior da casa de JK na Pampulha. No dia seguinte, documentou-as e me enviou fotos, que reproduzo, em anexo, bem como da casa projetada por Niemeyer nos anos 40.

Toda essa história relativa ao suposto mosaico de Volpi revela uma lição: ainda existe muita gente que confunde mosaico com azulejo. O jornalista Cláudio Bojunga não é exceção. Por isso, quando se fala de mosaicos da igrejinha da Pampulha, as pessoas pensam logo em Portinari. Ora, Portinari não produziu mosaico na Pampulha, mas simplesmente pintou azulejos. Quem projetou e executou mosaicos na Pampulha foi o artista Paulo Werneck. É de sua autoria o revestimento externo da Igrejinha de São Francisco de Assis, a primeira de uma série que iria fazer dali em diante, boa parte delas a convite de Niemeyer, de quem foi colega dos bancos da escola.

Embora um painel de azulejo não deva ser confundido com um mosaico, sempre é bom lembrar que o primeiro decorre do segundo. Para manter a imagem familiar e genealógica, diria que azulejo é filho do mosaico.  No ocidente, a história da cerâmica e do azulejo, em particular, começa com pedaços de terracota lisa, monocromática, sem vidrado, que os espanhóis conheceram através da ocupação moura.  Na Europa Medieval, o azulejo decorado vai surgir na Inglaterra, nos palácios e igrejas, a partir do século XIII, mas tudo isso é outra história, para outro estudo, outra viagem.

Gougon, em final de outubro de 2003

Obra de Volpi é pintura em azulejo
volpipampulha.jpg

obra assinada em conjunto com Mário Zanini
volpiassinaturapampulhapt.jpg
FRAGMENTO : Concepção repartida com Paulo Osir, da Osirarte

Na mesma casa da Pampulha, a obra de Paulo Werneck
casadejk2.jpg
O mosaico de Paulo Werneck convive com o azulejo de Volpi

Enter supporting content here