Make your own free website on Tripod.com

Percy Deane na Câmara dos Vereadores do Rio

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Artist Percy Deane was born in the state of Amazonas in 1922 and moved to Rio de Janeiro at the age of 16. He soon joined the constellation of modern artists who changed the panorama of Brazilian visual arts. He graduated in architecture, but when he met artist Portinari, of whom he became a great friend, Deane abandoned the ruler and compasses and became a painter, illustrator and an artist. It is his mural that adorns the municipal council of Rio de Janeiro, one of the most beautiful pieces in pastille of the old capital of the Republic, made in 1951.

O mural de Percy Deane no Legislativo do Rio

percydeanehp1.jpg

Ao final de 2004, de passagem rápida pelo Centro do Rio de Janeiro, atinei de visitar meu velho amigo  Eliomar de Souza Coelho para cumprimentá-lo, novamente, por mais uma reeleição para vereador carioca, então no PT*.  Contemporâneo velho de guerra, Eliomar ingressou na mesma turma que eu no Curso de Engenharia da Universidade de Brasília, que se abriu em 1965, do qual me afastaria três anos depois para cursar Jornalismo. Tenho orgulho de ter pertencido ao seu staff político no diretório acadêmico que criamos na ocasião, alinhando-nos à Feub – a única federação de estudantes que o governo militar extinguiu por decreto no mesmo ato que fechou a UNE, logo após o  golpe de 64. Ambas, no entanto, continuaram funcionando na clandestinidade por um bom período.

Ao ingressar no prédio da Câmara de Vereadores, na Cinelândia, reparei num mural em pastilhas vítreas, com todas características das obras típicas dos anos 50. Não resisti e saquei de minha câmera fotográfica, mas só pude bater chapas de pedaços porque toda a área ao lado da obra é normalmente ocupada por carros dos servidores. O mural tem mais de 60 metros quadrados e, por sua importância artística e histórica, é de lamentar que fique encoberto a maior parte do tempo pelo estacionamento improvisado na área.

percydeanehp3.jpg

Em seguida, pedi ao vereador a gentileza de me arranjar fotos completas do mural, o que realizou prontamente, permitindo reproduzir aqui a obra em sua inteireza, apenas prejudicada por umas poucas colunas à sua frente. Na parte inferior à esquerda, aparece a assinatura do autor, Percy Deane.

Uma informação nunca surge só, parece que tudo conspira para projetar mais luz sobre um assunto sobre o qual apenas começamos a levantar uma ponta. Ao retornar a Brasília, fui ver de perto uma exposição importantíssima trazida à Capital da República pela Fundação Armando Álvares Penteado, de São Paulo, no Itamaraty, sob o título “O Olhar Modernista de JK”.

percydeane4hpg.jpg

A intenção da FAAP foi remontar na Capital da República o conjunto de obras que o prefeito de Belo Horizonte, Juscelino Kubitschek, trouxe àquela cidade em 1944, para mostrar o que fazia a constelação modernista da época. Na mostra, estavam quadros de Di Cavalcanti,  Portinari (o famoso quadro Cabeça de Galo, que tanta polêmica causou na ocasião), Volpi, Guignard, Tarsila, Pancetti, Clóvis Graciano, Quirino e Hilda Campofiorito, Djanira, Scliar, Burle Marx, José Moraes, Augusto Rodrigues, Lasar Segall (esculturas), Lívio Abramo e Goeldi. Entre todos havia o caçula Percy Deane, na época com 22 anos, que se exibia com dois quadros.

percy2hp.jpg

Percy Deane nasceu em Manaus em 1922, mas já aos 16 anos de idade foi morar no Rio, ingressando no curso de Arquitetura da Escola Nacional de Belas Artes. Era um aluno brilhante que ao matricular-se na disciplina de pintura moderna com Quirino Campofiorito tornara-se seu assistente. Três anos mais, encontrou Portinari de quem se tornou um dos principais amigos, até sua morte, em 1962.

Deane seguiu em frente, sempre enganjado no movimento modernista. A convite de Niemeyer participou da epopéia da construção da Pampulha nos anos 40, realizando um mural na sede do Iate Clube. Na exposição que JK montou em Belo Horizonte em 1944, participou com dois quadros, um dos quais retratando sua jovem esposa, Lupe Deane. O grande renovador das artes mineiras, Alberto da Veiga Guignard, que participou da mostra, também levou à capital mineira uma pintura retratando a mulher de Percy Deane. É curioso (e irresistível) estabelecer uma comparação entre os dois trabalhos. Enquanto Guignard pinta a modelo com o jogo de técnicas, de luz e sombras, que o fizeram um mestre, Deane retrata sua mulher com os olhos de um homem apaixonado, do recém-casado tomado pela sedução e  encantamento. Não pinta apenas com óleo, mas com o coração.

Em 1951, o artista foi convidado a fazer um painel para a Assembléia Legislativa do antigo Distrito Federal. Em 1960, com a transferência da Capital  para Brasília, o prédio passaria a abrigar a Câmara de Vereadores.  E a Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro foi instalar-se no Palácio Tiradentes, também no centro.

No prédio, Percy Deane decidiu fazer uma obra em mosaico, que era a linguagem que começava a ganhar corpo na cidade, entusiasmando todos os companheiros de sua geração. Na própria mostra “O Olhar Modernista de JK”, dentre os nomes que a integram, pelo menos oito deles deixaram obras musivas para a posteridade. Além de Percy, os artistas Portinari, Di Cavalcanti, José Moraes, Clóvis Graciano, Burle Marx, Livio Abramo e Carlos Scliar realizaram projetos específicos para painéis em pastilhas. Apenas o caso de Scliar tem a singularidade de ter realizado cartões para mosaico, que não foram executados (ainda) e estão devidamente revelados e comentados em outro capítulo. E é preciso lembrar que Quirino e Hilda Campofiorito chegaram a participar de cursos de mosaico em Ravenna, na Itália.

Percy Deane nunca mais deixou o Rio de Janeiro, onde veio a falecer em 1994. Apesar de formado em arquitetura, desde que conheceu Portinari dedicou-se integralmente às artes visuais, como pintor, desenhista e ilustrador. Entre suas ilustrações mais conhecidas, encontram-se os desenhos feitos para o livro Memórias do Cárcere, de Graciliano Ramos. Também ilustrou livros de Josué Montelo, de João Cabral de Mello Neto e de muitos outros. Trabalhou longo tempo como ilustrador da revista O Cruzeiro e desenhista de quadrinhos para revistas infantis, entre as quais o Tico-Tico. Junto com dois velhos amigos – Carlos Scliar e José Moraes – participou de uma exposição em Vitória, em 1988, que veio a Brasília no mesmo ano, sua última coletiva.

* Revendo meus apontamentos em fevereiro de 2009, devo dizer que meu amigo vereador, Eliomar de Souza Coelho, continua reelegendo-se (um dos melhores, mais honestos e sempre bem votado) no Rio de Janeiro, mas, até por coerência política e ideológica, alistou-se nas fileiras do PSOL, como membro fundador.