Make your own free website on Tripod.com

Um mosaico de braços abertos sobre a Guanabara
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Mosaico de revestimento no Cristo Redentor

At the summit of Mount Corcovado, the Christ the Redeemer, with open arms over the city of Rio de Janeiro, is a mighty work wholly surrounded by thousands of tassels in soapstone, of triangular shape (3cmx3cmx3cm) and 7 mm thick.  Its construction was only possible after a railroad was opened to the summit, during the Imperial Era (1884).

 

ap1612.jpg

Inaugurada em 12 de outubro de 1931 no alto do Corcovado, no Rio de Janeiro, o Cristo Redentor é um dos principais monumentos da Cidade Maravilhosa. O que pouca gente conhece é a história de seu revestimento, com milhares de pequenas placas finas de pedra-sabão. Poderia ser considerado o maior mosaico do Brasil, mas a obra nunca teve essa pretensão. Seu objetivo efetivamente sempre foi o de revestir a obra e protegê-la de infiltrações, no que obteve êxito ao longo de muitos decênios.

cristrosto24.jpg

Na época de sua construção, foram apreciados diversos materiais para revestimento. Acabou prevalecendo a pedra-sabão por ser mais resistente ao tempo e também porque não deforma nem racha em função das variações de temperatura. As peças foram cortadas em pequenos triângulos eqüiláteros, cada aresta com 3 cm e espessura média de 7 mm.

 

mantocristohp1.jpg

A aplicação sobre a argamassa não se deu uma a uma. Para agilizar o processo, foi adotada uma técnica indireta, muito conhecida entre os que trabalham com mosaico. As “tesselas” (pequenas unidades do mosaico), foram coladas uma ao lado da outra sobre um pano de linho fino. Cada vez que se completava a colagem de uma “toalhinha”, estava pronta mais uma parte do revestimento para ser aplicado com argamassa fresca sobre a superfície da estátua do Cristo.

Para esse trabalho da colagem das tesselas uma por uma sobre paninhos de linho, os autores do projeto se socorreram do voluntariado feminino da Paróquia da Glória, no interior de uma oficina improvisada ao lado da Igreja. As devotas acorreram ao local todos os dias para caprichar na tarefa de compor as pequenas peças uma ao lado da outra.

Como se verificou que a argamassa receberia melhor as peças se elas fossem arranhadas na superfície de aderência, as voluntárias foram solicitadas a fazer ranhuras nas peças. Muitas delas aproveitaram para escrever seus nomes com um estilete ou mesmo o nome dos santos de sua devoção. Tudo isso ajudou na hora de fazer o revestimento.

foto16.2.cristoredentoremconstruo.jpg

Essa cobertura mostrou bom resultado por mais de 50 anos. A partir da década de 80, algumas tesselas começaram a cair, menos pela escolha do material do que pela argamassa de sustentação, na qual começaram a surgir as primeiras rachaduras e infiltrações. Houve um momento em que um pedaço grande do manto do Cristo veio abaixo. O Instituto Militar de Engenharia chegou a examinar as infiltrações e concluiu pela necessidade imediata de conserto.

A Fundação Roberto Marinho liderou então a campanha para a reforma, que ocorreu, pela primeira vez, em 1990. Na ocasião, cerca de 90 metros quadrados do revestimento foram substituídos. Nessa primeira reforma, a pedra-sabão empregada procedeu do mesmo veio original, da região de Carandaí, em Minas. O revestimento foi submetido a um jateamento de areia, que nivelou a aparência das tesselas, cobrindo todos os possíveis remendos.  Por último, o monumento recebeu uma camada de silicone hidrófugo, que protege da umidade, mas não impede que a pedra “respire” através de pequenos poros.

 

foto16corcovadoesboco.jpg

Mais recentemente, durante uma nova reforma que restaurou elevadores e instalou escadas rolantes de acesso ao monumento em 2003, verificou-se que cerca de 15 por cento desse revestimento estava prejudicado e as peças foram novamente substituídas por outras que, originárias de um veio diverso de pedra-sabão, não guardam a mesma cor verde das demais. São de coloração mais acizentada.

A conquista do Corcovado

Os caminhos que levaram á construção do Cristo Redentor no alto do Corcovado começam ainda no Império. Dom Pedro I foi a primeira pessoa a escalar o morro do Corcovado. Curioso, jovem e hiper-ativo, o monarca gostou do que viu e em 1824  mandou abrir um caminho até o topo para poder atingí-lo de cavalo. Em uma dessas expedições, levou a mulher, a Imperatriz Leopoldina, que se encantou com a exuberância da flora nativa, e também Jean-Baptiste Debret, que documentou a visita através de desenhos que mostram as paisagens deslumbrantes ao longo do caminho.

 

Mas a primeira pessoa a imaginar a construção de uma estátua de Cristo no alto do morro foi o padre lazarista Pedro Maria Boss, defensor da proposta em 1859. Teve na Princesa Isabel uma forte parceira interessada na idéia. O Imperador, seu pai, mandou fazer os primeiros estudos para a construção de uma estrada-de-ferro até o topo do Corcovado, mas a execução só começou um pouco mais de 20 anos depois. Teve como ponto de partida uma estação no bairro do Cosme Velho, de onde ainda hoje parte a composição que leva diariamente milhares de turistas. A obra foi inaugurada em 1884, funcionando com máquina a vapor e com sistema de cremalheira, uma audácia tecnológica para a época. Na República, a situação da ferrovia foi-se degradando e já em 1903 a companhia foi à falência. Em 1905, o governo republicano entregou a exploração de energia elétrica na antiga capital federal à empresa canadense The Rio de Janeiro Tramway Ligth and Power Co., mais conhecida como Light, transferindo também a ela, na bacia das almas, a concessão da Estrada de Ferro Corcovado. A Light efetuou a modificação do sistema a vapor para o de eletricidade e tornou a operar a ferrovia em 1909.

 

A construção do Cristo Redentor

Já a idéia da construção do Cristo Redentor só foi retomada em 1921, no corpo dos projetos que marcariam os festejos do centenário da Independência, em 1922. O projeto original é do engenheiro Heitor da Silva Costa, que conquistou o direito de fazer a obra através de concurso público.

 

cristodabola.jpg

Sua primeira idéia foi a de realização de um Cristo carregando uma cruz numa mão e um globo na outra. Um modelo em escala pequena foi confeccionado e exibido numa vitrine no centro do Rio de Janeiro. O público estranhou o projeto num primeiro momento e passou a chamar a obra, em tom jocoso, de o “Cristo da bola”.

Heitor da Silva Costa acabou optando por outro modelo, sugerido pelo artista Carlos Oswald : um Cristo com os braços abertos. Logo,  uma delegação foi enviada a Paris para procurar um escultor notável capaz de modelar partes da obra, especialmente o rosto e as mãos. O artista contratado foi o polonês radicado na França, Maximilien Paul Landowski, que se destacava por sua ligação com o movimento art déco. Ele executou em terracota as mãos e a cabeça de Cristo, enviando as peças para serem construídas no Brasil. Na realização das mãos, valeu-se da ajuda de sua amiga brasileira, a poetisa e declamadora Margarida Lopes de Almeida (filha da escritora Júlia Lopes de Almeida) que ofereceu suas próprias mãos para a modelagem das do Cristo Redentor.

cristomao8.jpg

A memória patrimonial resgatada do porão

 

Depois de inaugurada a obra, a cabeça esculpida por Landowski foi deixada por muitos anos nos porões de um casarão em Santa Teresa até ser redescoberta em 2003, e levada a leilão, arrematada pela Prefeitura do Rio de Janeiro (exercida por César Maia), pelo preço de R$ 84 mil.

 

Os cálculos estruturais da obra foram feitos por Heitor da Silva Costa e contou com o auxílio permanente dos arquitetos Pedro Vianna da Silva e Heitor Levy. Este último montou residência ao pé do canteiro de obras e ali permaneceu durante todos os anos da edificação. Sendo judeu, acabou por converter-se ao catolicismo, deixando no interior do corpo do Cristo Redentor uma garrafa com os nomes dos integrantes de sua árvore genealógica.

 Toda essas etapas da construção do Cristo Redentor foram estudadas e resgatadas pela cineasta Maria Isabel Noronha, que é bisneta do engenheiro Heitor da Silva Costa e realizou um documentário de grande riqueza testemunhal. Recomendo a todos que se interessam pela história do Cristo Redentor a adquirir o vídeo, que é encontrado em boas casas e livrarias do Rio de Janeiro. É peça para ser vista, apreciada e guardada com carinho pelos tantos depoimentos e informações apresentados mediante uma narração clara, objetiva e coloquial.

Uma obra de primeira grandeza

 

Enfim, o revestimento do Cristo Redentor é muito mais que um mosaico-gigante. É uma obra de equipe, uma iniciativa ousada, de caráter conceitual, que merece mais atenção e reflexão sobre a importância de suas características singulares.

 

Vista hoje em seu conjunto de aspectos diversos, como faz o documentário da cineasta Isabel Noronha, trata-se de peça artística de expressão contemporânea, que orgulha os cariocas e engrandece o Brasil aos olhos de seus próprios filhos.

 

hgougon, agosto de 2009

foto16.5.cristoredentormeiocorpo.jpg