Make your own free website on Tripod.com

Antônio Carelli: o brasileiro que modernizou a arte musiva na França

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Localizada na região da Mancha, na ponta setentrional da Normandia, a cidade de Saint-Lô ficaria conhecida nos dias posteriores ao final da II Guerra como “Capital das ruínas”, tal a devastação provocada pelos bombardeios aliados na luta contra a ocupação nazista no noroeste da França.

 

O período que se seguiu para soerguimento da vila, apaziguamento dos traumas e tratamento dos feridos tornou-se um quadro dramático, como se pode imaginar num período de pós-guerra. Durante essa recuperação penosa, Saint-Lô foi presenteada com um hospital, todo ele erigido e equipado por subscrições dos cidadãos norte-americanos, especialmente da cidade de Baltimore. 

 

A esse mutirão associou-se o consagrado pintor modernista Fernand Léger, que destinou um projeto para realização em mosaico, festejando a paz e celebrando a amizade entre franceses e norte-americanos, de resto consagrada no nome do hospital: Hospital Memorial Franco-americano de Saint-Lô.

 

O projeto é de Fernand Léger
carelli1945.jpg
A execução é de Antõnio Carelli eLino Melano

Para realização do mosaico, de 30 metros quadrados, foi convidado o mosaicista italiano Lino Melano, conhecido pela execução de peças em mosaicos para artistas como Marc Chagal, Braque, Picasso e muitos outros. Melano trouxe com ele um jovem mosaicista oriundo do Brasil, que começava a mostrar um talento ímpar para lidar com as tesselas e que estudara pintura com mestres ilustres, como André Lothe, em Paris. Chamava-se Antônio Carelli, tinha perto de 30 anos e vinha crescendo depressa no mundo das artes. Nascido em 1926, em Capivari, no Estado de São Paulo, iniciara seu aprendizado artístico com Takaoka, estudando desenho de modelos vivos na Associação Paulista de Belas Artes e no Masp. Foi para Paris no início dos 50 e ali freqüentou a Academie Julien e a Academie de La Grande Chaumière. Realizou também curso de mosaico de Ravenna na Escola de Arte Aplicada Italiana, de Paris, sob orientação de Gino Severini e de Lino Melano, tornando-se um de seus melhores discípulos em realização musiva. Dele pode-se dizer que estava na hora certa no lugar certo.

 

Afinal, o período que se seguiu à guerra havia revelado estragos e mutilações em muitas igrejas da Europa, com danos graves causados às obras sacras nelas abrigadas, inclusive nos vitrais e nos revestimentos com mosaico. Para restaurar capelas, igrejas e catedrais, as escolas de formação em arte musiva da Europa ganharam um sopro de interesse, fortalecendo-se na habilitação de profissionais para o exercício de restauração dos mosaicos danificados.

 

 Pela competência, instinto e aplicação na arte do mosaico, Antônio Carelli recebeu cumprimentos e aplausos de Fernand Léger, que o chamou novamente, para executar, junto com o mestre Lino Melano um painel ainda maior, destinado ao Edifício do Gaz de France, em Alphorville (80 metros quadrados). Ao final dessas obras e de outras realizadas a partir de 1956, em mosaico sobre maquetes de Simon Segal (pintor russo radicado na França), Antônio Carelli expôs no Museu Bourdelle e recebeu um testemunho de reconhecimento de uma revista especializada de Genebra, “Urbanisme et Architecture”, Editions Pierre Cailler, 1959.  Sob o título “Le brésilien Antonio Carelli renouvelle l’art de la mosaïque”, afirma a revista: La mosaïque n’avait pas encore trouvé son réformateur. C’est aujourd’hui chose faite. L’iniciateur de cette véritable renaissance est un jeune Brésilien: Antonio Carelli”. (O mosaico não havia ainda encontrado seu modernizador. Isso hoje foi feito. O iniciador deste verdadeiro renascimento é um jovem brasileiro: Antônio Carelli).

 

1939 - 1945, os anos da guerra
carelli1939.jpg
obra encantou Léger

Uma vez vitorioso no reconhecimento da crítica, Carelli retornou a São Paulo onde não parou mais de produzir, expondo e colecionando prêmios. Logo ao chegar, realizou para a Igreja Dominicana de São Paulo um painel em mosaico denominado “Anjos e o povo do Peru”. O trabalho traz a representação de Santa Rosa de Lima, primeira santa latino-americana, e decorre de cartão elaborado pelo artista Simon Segal. A obra recebeu estudo minucioso por parte da arquiteta Isabel Ruas em monografia de mestrado na USP.  Em 1960, Antônio Carelli  instalou no Museu de Arte Moderna (SP) a mostra que realizara antes no Museu Bourdelle de Paris, renovando seu sucesso com o título “Mosaicos Arte Mural”. Sua trajetória artística sempre foi repartida entre a pintura de cavalete e o mosaico, realizando este dentro do mais apurado refinamento conforme se exigia em Ravenna, com quebra de pedras em martelino e tagliolo. Retornou outras vezes a Paris e a Madri, para expor seus trabalhos.

 

Depois de seu retorno ao Brasil, realizou na década de 60 uma série de mosaicos a partir de projetos de artistas renomados, como Bonadei, Yolanda Mohaly, Clóvis Graciano, Norberto Nicola, Rebolo e Pietro Nerici, além de outros de sua própria autoria. O conjunto desses projetos foi exposto na Galeria 4 Planetas, hoje extinta, e provocou grande arrebatamento ao professor Mário Schemberg, que assinou a apresentação da Mostra.

 

Dentre aqueles que Carelli realizou integralmente – concepção e execução – encontra-se uma obra de fachada de 30 metros quadrados em residência particular na Rua Groelândia, em São Paulo, que dá para ser vista da calçada, emprestando novo significado à arquitetura da casa. Para a indústria Pérsico Pizamiglio, fez um mural com mosaico em relevo de 500 metros quadrado, aplicado na sede da indústria, na Via Dutra, em Guarulhos (SP).

 

Santa Rosa de Lima, obra-prima no coração de SP
srosalimahp.jpg
Carelli, a fidelidade ao mosaico segundo a tradição de Ravenna

A partir de 1986, Antônio Carelli instalou-se em Caraguatatuba, onde continua criando, ministrando aulas e fomentando o movimento artístico através do projeto Arte Litoral Norte. Leva hoje uma vida pacata,  mas comprometida sempre com a arte em todos os sentidos. Vez por outra ainda arranja tempo para ministrar cursos de mosaico. “Gostaria de ser reconhecido como um pintor moderno que se dedica desde a década de 50 ao mosaico e mais recentemente tem feito incursões na cerâmica e na escultura”, disse-me em carta carinhosa e cheia de modéstia que guardo com zelo e comovido reconhecimento.

Em Alphorville, perto de Paris, na estatal do gás
legercarelli13.jpg
Carelli semeou mosaicos pelo mundo

MOSAICO RETRATANDO VINCENT CARELLI
carellihpgvincent.jpg
VINCENT É SERTANISTA E ENSINOU OS ÍNDIOS A FILMAR SEUS COSTUMES

Em 2007, fui convidado a conhecer, no Teatro Nacional de Brasília, a apresentação de um filme inteiramente realilzado e dirigido por índios de uma tribo amazônica. A iniciativa de realilzar o filme partiiu do sertanista Vincent Carellli, o filho de Antônio Carelli que ele desenhou em pedras e esmaltes num mosaico existente em sua casa de  Caraguatatuba (foto ao lado). O filme foi muito aplaudido por um público formado basicamente de profissionais conectados com a questão indígena no Brasil que guardam pelo trabalho de Vincent a mesma admiração que os mosaicistas brasileiros guardam pela obra do pai, Antônio Carelli. H.Gougon,janeiro de 2009