Make your own free website on Tripod.com

Paulo Werneck, o mais importante artista do mosaico no Brasil

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

PAULO WERNECK, O MAIOR EXPOENTE DO MOSAICO BRASILEIRO NO SÉCULO XX

 

A capela restaurada: mosaico de Paulo Werneck
pampulhalateralhp.jpg

O que se trata aqui é de um reconhecimento à obra, ao homem e ao artista que mais fez pela arte do mosaico neste país, através da concepção e execução de painéis modernistas ao longo de mais de quatro décadas, sempre originais, surpreendentes, grandiosos e impecáveis sob qualquer ponto de vista.

 

copapwanitahp.jpg

Paulo Werneck nasceu em 1907, no Rio de Janeiro, tendo se destacado inicialmente nas artes plásticas por meio de seus desenhos, quadros, vitrais e relevos esculturais. Nos anos 40, abraçou a técnica dos painéis em mosaico, por indicação dos irmãos Roberto, empresários da construção civil no Rio de Janeiro. Werneck era um nacionalista militante e chegou a trabalhar como colaborador em jornais de esquerda, no Rio de Janeiro, de 1929 até 1975.

 

Ainda no Rio, uma de suas primeiras obras foi um mural no Edifício-sede do Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), datado de 1942, que já não existe mais. Foi destruído depois que o IRB mudou de endereço. Uma lástima pois era um trabalho de referência, o primeiro de uma lista enorme de obras delicadas para com a cidade do Rio de Janeiro.

foto216pwbpeixoto.jpg

Depois desta, Werneck não parou mais de produzir mosaicos para as entradas dos edifícios cariocas. Na rua Décio Villares, no Bairro Peixoto, é possível apreciar uma obra altamente significativa por sua beleza plástica. Já é dos anos 50, uma década que modificou o panorama das grandes cidades pelo processo acelerado de verticalização.

 

Na entrada de prédio comercial na Senador Dantas
foto287pwseguradoras.jpg

No centro da cidade, na Rua Senador Dantas, há outro painel multicolorido na entrada do Edifício Seguradoras,  no Centro do Rio de Janeiro. Quem frequenta o local são representantes de firmas comerciais, agentes  empresariais, bancários e  pessoas afins. Vale a pena entrar no prédio e conhecer de perto o trabalho que, de certa forma, se apresenta acanhadamente na lateral inferior de uma área de entrada no elevador. A empresa construtora foi a MMM Roberto, uma das principais contratantes de obras a Paulo Werneck.

 

painel rodeia banco em frente à Candelária
foto237pwerneckbboavista6.jpg

Já na Praça da Candelária, nas antigas instalações do Banco Boavista, o espaço brinda o visitante com uma sucessão de desenhos modernistas,  alegrando o espaço e dando um novo significado à área. A realização dos painéis decorreu de convite do arquiteto Oscar Niemeyer, que projetou o prédio. Aliás, boa parte dos painéis de Paulo Werneck resultou de indicação de Oscar; outra parte veio dos irmãos Roberto, empresários vitoriosos do ramo da construção civil desde a década de 40.

Obra de PW na entrada de prédio em Copacabana
pwanita.jpg
Rua AnitaGaribaldi

 Como não poderia deixar de ser, Paulo Werneck  participou ativamente do período de verticalização de Copacabana, ali pelas décadas de 50/60. É possível identificar obras de sua autoria na rua Anita Garibaldi, esquina com Na. Sra. de Copacabana,  assim como na Rua Dias da Rocha e também no Leme (Edifício Maracati) e outras mais no Posto VI, esquina de Na. Sra. de Copacabana com Francisco Sá (prédio MM Roberto) e no interior de um prédio em frente a este, na agência Estilo do Banco do Brasil na Av. Na. Sra. de Copacabana.

Painel no edificio Maracati, no Leme (RJ)
pwlemehp1.jpg
No interior do prédio há uma segunda peça de PW

foto242.ataguases..jpg

Em Cataguases, Minas Gerais, Paulo Werneck participou da aventura modernista que foi a construção de um colégio secundarista em companhia de todos os grandes expoentes do movimento na década de 50: Oscar Niemeyer, Portinari, Burle Marx, Bruno Giorgi,  Ceschiatti, Djanira e vários outros. Além do colégio, Werneck realizou obras nas fachadas da residência da família Peixoto, que foi responsável pelo surto modernista dos anos 50 na cidade. A família Peixoto prosperou com a cidade, investindo no ramo da tecelagem, que por décadas alavancou a economia do município.

OBRA NA FACHADA DA RESIDÊNCIA DA FAMILIA PEIXOTO
foto26paulowerneckcasaemcataguases.jpg
PAINEL DE REFERÊNCIA EM CATAGUASES

Tudo que já escrevi ou vier a escrever ainda será pouco para fazer justiça à importância da obra de Paulo Werneck. Ele foi e sempre será o principal mosaicista brasileiro de todos os tempos. Morreu em 1987, depois de uma vida artística inteiramente dedicada à realização de obras em mosaico. Neste espaço foi possível falar de muitos nomes ilustres que realizaram peças em pastilhas, mas, na maioria dos casos, esta não era a linguagem principal de suas respectivas obras. O caso de Werneck é diferente. Ele nunca delegou suas peças à execução por terceiros, como também nunca se ocupou com a execução de projetos que não os de sua livre criação. E os que fez não foram poucos.

Seus trabalhos com pastilhas espalham-se por todo o país, a maioria visível no Rio,  Cataguases, Belo Horizonte e Brasília.  Duas décadas após sua morte, ocorrida em 1987, seus herdeiros efetuaram um trabalho de identificação e catalogação, com patrocínio da Petrobrás, que resultou numa Exposição no Paço Imperial do Rio de Janeiro, de setembro a novembro de 2008.

Obra de Paulo Werneck em fachada de prédio
copadrochahp.jpg
Na Rua Dias da Rocha Em Copacabana, Rio de Janeiro

Muito do resgate foi possível graças à preservação, quase intacta, do ateliê de Paulo Werneck, localizado no pavimento inferior de um edifício residencial no bairro de Laranjeiras, no Rio, onde morou por muitos anos. O ateliê, na verdade, era uma espécie de “bunker”, construído durante a II Guerra, por recomendação da ditadura Vargas, para prevenir um eventual bombardeio, que nunca ocorreu. Na prática, o bunker veio a ser útil, por ironia do destino, como um espaço de encontro dos companheiros de Werneck, militantes como ele nas fileiras do velho Partido Comunista, o “Partidão”, como era conhecido. Essa inclinação política do artista me sensibilizou desde o primeiro momento em que consegui algumas informações sobre sua vida pessoal e artística. Se estamos vivendo hoje um período de liberdade e democracia, entendo que é preciso respeitar e reverenciar aqueles que lutaram para que isso se tornasse realidade. Em Paulo Werneck credito não apenas minha admiração e respeito por sua obra artística, mas sua postura de vida, suas convicções políticas e sua coragem cívica. Trata-se de uma admiração integral.

pampulhatotalhp.jpg

Desde meus primeiros contatos com a obra do artista, ainda nos anos 90, fiquei atônito por não descobrir nada sobre sua vida, quando nasceu, quando morreu, onde estudou ou morou. O Google ainda engatinhava, não havia menção ao artista, até que um belo dia, descobri um site francês enaltecendo a literatura infantil brasileira, com destaque para um livro sobre “A lenda da Carnaubeira”, com ilustrações de Paulo Werneck. A responsável pelo site era sua sobrinha, Leni Werneck, que logo me colocou em contato com a filha do artista, a professora Regina Yolanda Werneck, residente na ilha de Paquetá e autora festejada e premiada de livros para a infância e juventude. Vem a ser mãe da conhecidíssima jornalista Paula Saldanha, principal expressão de um programa vitorioso de televisão, Expedições, que comemorou 25 anos de presença na vida da televisão brasileira em outubro de 2003, festejados numa mostra exibida no Palácio Itamaraty, em Brasília. Espero que em 2013, ela retorne ao mesmo local para comemorar os 35 anos do programa.

 

No Itamaraty, uma das principais obras de Werneck
werneckinteiro14.jpg
Encontra-se no 8º andar do edificio anexo

Por ocasião da mostra dos 25 anos do programa Expedições, fiquei sabendo da existência no Palácio Itamaraty, em Brasília, de um painel de Paulo Werneck no interior do prédio anexo, exatamente no oitavo andar, onde antes havia um restaurante e hoje abriga o Departamento de Administração.

 

werneckrachadura1.jpg

O painel é impactante, mas a peça desgraçadamente anda precisando de raparos urgentes. As rachaduras são cada vez mais visíveis. Essa situação de aparente descaso talvez explique porque tive que penar um bocado para poder chegar a ele e fotografá-lo. Originalmente, o espaço em que a obra se encontra foi usado como um restaurante dos funcionários administrativos, mas com o tempo, tornou-se dependência do Departamento de Administração do Itamaraty, que os diplomatas tratam por D.A. em seu jargão habitual.

Por abrigar instalações administrativas, o acesso é vedado a terceiros, como eu. Na época em que descobri a existência da obra, por volta de 2004, recorri a um diplomata de carreira que era Secretário de Cultura de Brasília, Pedro Bório, que me proporcionou uma carta de recomendação, mas ainda assim tive que esperar dois meses para ser autorizado a chegar ao local.

werneckinteiro13.jpg

paulowerneck1h.jpg

Antes disso, precisei explicar  meu interesse na obra do artista.

Em seguida, quando finalmente cheguei  ao local da peça, ainda tive que suportar as imprecações de um diplomata afetado, diretor do D.A., que me fez indagações idiotas sobre o painel de Paulo Werneck. A simples lembrança desse encontro ainda hoje me enoja.

Recentemente, durante um viagem entre Brasília e Rio de Janeiro, li numa revista de bordo uma reportagem mostrando que há uma nova geração de diplomatas ingressando no Itamaraty com um perfil bem diferente, mais com cara de Brasil, que vem transformando o sentido da carreira, o que me deixou muito feliz e confiante na nova diplomacia brasileira.

 

werneckrachadura2grande.jpg

pwclinicasorocahp.jpg

Fortuitamente, alguns dias após haver localizado e fotografado o painel de Paulo Werneck no Itamaraty, fui surpreendido mais uma vez pela vastidão da obra do artista. Localizei e fotografei numa clínica de Botafogo, no Rio de Janeiro, um  outro painel que guarda algumas semelhanças com aquele, tão escondido em Brasília. Pois o painel da Clínica Sorocabana presenteia seus pacientes e visitantes com uma também encantadora obra de PW. Exemplar.

pwnobb5hp.jpg

Para se atentar à vastidão da obra de Paulo Werneck, basta considerar que, para o Banco do Brasil, nos anos 50 do século passado, ele chegou a elaborar uma centena de obras de arte em agências de várias cidades do Brasil. O trabalho de resgate da família chegou a identificar algumas delas, mas não todas. Lamentavelmente, o Banco do Brasil, enquanto instituição governamental, não correspondeu à busca e ao levantamento das obras de Paulo Werneck em suas agências. Uma pena.

pwnobbasshp.jpg

pwnobb3hp.jpg

É importante, no entanto, ressaltar um caso exemplar que merece ser lembrado e comentado. Trata-se de uma agência do Banco do Brasil, exclusiva para clientes abonados, ditos “Estilo”, no Posto Seis de Copacabana, no Rio de Janeiro. Ali, ao proceder a uma reforma das instalações, o gerente geral encontrou por trás de uma parede forrada de gesso uma obra-prima assinada por Paulo Werneck. Seu tirocínio logo o fez perceber que se tratava de um painel de grande importância histórica, artística e estética. De pronto, providenciou sua recuperação, vindo a reinaugurá-lo ao final da restauração com pompa e circunstância. A recuperação da obra valeu uma festa – coisa rara em agências bancárias – com direito a registro noticioso e fotográfico na revista Caras dos ilustres descendentes de Paulo Werneck: a filha, Regina Werneck, e os netos Paula Saldanha, Gaspar e Cláudia.

REPARE BEM O QUE ERA A PAMPULHA DE ANTES
foto256buraqueira.jpg
UMA BURAQUEIRA SÓ AMEAÇANDO PIORAR

É um pouco difícil classificar as obras de Paulo Werneck por sua importância. Na minha leitura, todas são importantes, mas ninguém pode ignorar o peso representativo da obra de revestimento que efetuou na Pampulha, a convite de Oscar Niemeyer. Coube a ele cobrir toda a capela de São Francisco de Assis.

foto283pwmherval.jpg.jpg

Algumas décadas depois, a cobertura em mosaico necessitou de restauração, que foi assumida pelo esquema Globo de comunicações. Ao fazê-lo, os restauradores constataram que o problema da perda gradual de pastilhas não era decorrente de falha do revestimento, mas sim das tensões nas estruturas em curva, que geravam a desagregação das pastilhas. Ainda aí, a família de Paulo Werneck foi em socorro da empresa de restauração, providenciando pastilhas originais necessárias ao reparo, que se encontravam no bunker-ateliê do artista, no bairro de Laranjeiras.

 

foto284pwmherval.jpg.jpg

Nos anos 50, o artista fez os painéis de entrada do prédio do Edifício Marquês de Herval, na avenida Rio Branco, 185. Esses trabalhos foram tombados pelo prefeito César Maia, por constituírem marco modernista da vida da cidade. O prédio é obra da antiga construtora MMM Roberto e foi a primeira edificação modernista da Avenida. Seu acesso se dá por uma rampa helicoidal que leva ao subsolo, onde se localiza a famosa Livraria Leonardo da Vinci, a principal importadora de livros de arte do Rio de Janeiro.

foto280pwmherval.jpg.jpg

Enfim, a fiscalização do patrimônio público ainda é coisa rara no Brasil. Os herdeiros de Werneck têm interesse direto nessa preservação, mas qualquer pessoa pode avaliar como é difícil neste país evitar estragos de obras de arte em área pública.

 

Em maio de 2003, estive no local e fui surpreendido pelos estragos que a reforma da rampa provocava no painel de Werneck. Os pedreiros despejavam sobre ele resíduos de argamassa, que se somavam às vazões do sistema de ar condicionado, sujando a obra em toda sua extensão. Denunciei o problema na seção “carta ao leitor” do jornal O Globo, que, três dias depois, levou minha denúncia à Secretaria Municipal de Preservação do Patrimônio. A ação foi fulminante e a obra, embargada. A prefeitura exigiu a reparação do problema e a limpeza do painel. Retornei ao local um ano e meio depois. Encontrei uma parte restaurada e outra continuamente atingida por algum tipo de infiltração de águas pluviais na parede onde a obra se encontra.

pwernecklaranjeiras51.jpg

pwernecklaranjeiras7.jpg

Apesar de possuir todas as credenciais para a defesa das obras de Werneck, sua neta, professora Cláudia Werneck, depara-se, muitas vezes, com dissabores e incompreensões em sua luta pela preservação dos painéis de autoria do avô.  Em outubro de 2004, alertei-a para um mural que estava indo a pique na rua Belisário Távora, 221, em Laranjeiras, no Rio de Janeiro. No local, havia uma casa que acabara de ser demolida para, em seu lugar, erguer-se um edifício com pavimentos que excedem as especificações daquela via. Ao final da demolição, restara um muro decorado com um painel vistoso de Paulo Werneck. O dono da casa demolida decidiu retirar pessoalmente o mural do artista, pedaço por pedaço. Alegou que levaria as peças para recolocá-las em outra propriedade. A neta de Werneck procurou-o imediatamente, dialogou com ele e ponderou que uma obra daquela envergadura exigiria a presença de uma equipe de especialistas, ou seja, de restauradores habilitados para garantir o sucesso da empreitada. Seus argumentos não foram ouvidos e 24 horas depois o mural desapareceu completamente do local. A neta ainda conseguiu recolher algumas das peças abandonadas no terreno que acabaram participando da exposição que ela promoveu alguns anos depois no Paço Imperial, no Rio de Janeiro.

 

 

 

 

foto227paineldosenado.jpg

pwnosenadohp.jpg

Os anos 60 levaram Paulo Werneck até Brasília, novamente a convite de Oscar Niemeyer, seu confrade de colégio. Na nova Capital, Werneck realizou, além da obra para o Edifício Anexo do Itamaraty (oitavo andar), um outro painel em pastilhas cerâmicas para o Senado Federal, no pavimento térreo, na saída que dá para a rua de serviço, a caminho do Prodasen e da Gráfica do Senado. O painel está íntegro, mas os burocratas do Senado o tratam com o desprezo que caracteriza a falta de conhecimento sobre a importância da obra, sempre escondida por instalações pesadas de recepção e portaria.

 

paulowerneckanatel3.jpg

Na Capital da República, Werneck também executou uma obra de baixo relevo para o edifício da Telebrás, onde hoje se aloja a Anatel (foto acima). É uma obra singela, que guarda certa semelhança com uma outra, de igual característica (baixo relevo) no Senado Federal.

 

No Hotel Brasília Palace, localizado próximo ao Palácio da Alvorada, Paulo Werneck também aplicou uma obra em mosaico, que desapareceu quando o prédio pegou fogo, ao final dos anos 90. No início do século XXI, o Hotel Brasília Palace foi reconstruído, mas o empresário-construtor Paulo Octávio, que refez o prédio, ignorou solenemente a oportunidade de restaurar o painel do artista. Não é de estranhar. Paulo Octávio, para quem não sabe, foi vice-governador de Brasília que renunciou ao cargo pouco depois da prisão do seu companheiro de chapa, José Roberto Arruda.  

foto25.pwbrasilia5.jpg

pwass2222.jpg

 Paulo Werneck também projetou o desenho em mosaico para revestimento da área externa do Edifício-sede do Banco da Amazônia, que depois se transformou no edifício-sede do Banco Regional de Brasília, no centro da cidade. A maioria dos moradores do Plano Piloto passa diariamente pelo local, sem atentar para aqueles desenhos coloridos, que se repetem na fachada do banco e que dão personalidade ao prédio. Certa vez, estacionei por ali para fotografar a obra e identificar as iniciais do artista (PW), que marcam todas suas obras. Cheguei a duvidar que o painel fosse dele, pois avistei, a três metros de altura, as letras “Md”. Levei algum tempo meditando até me dar conta que as letras, em pastilhas, foram pregadas invertidas! Na verdade, as letras não são “Md”, mas simplesmente “PW” de cabeça para baixo!!!

Infelizmente, esta é a realidade: pouca gente se dá conta da importância, da extensão e da presença da obra do mosaicista. Uma das maiores estudiosas de arte musiva na Europa, a artista Giovanna Galli, uma franco-italiana nascida em Ravenna e estabelecida na França, procedeu a um levantamento sobre autoria dos mosaicos conhecidos da Antiguidade clássica e concluiu que apenas dois mosaicistas chegaram a inscrever seus nomes nas obras que realizaram. A quase totalidade dos mosaicos do período romano e bizantino é absolutamente “anônima”.

pwmalhermehps.jpg

Não me conformo que uma obra tão recente como a de Paulo Werneck seja tratada desta maneira, apenas porque escolheu a linguagem das tesselas para exprimir sua arte. Antes de se tornar mosaicista, fez pintura, desenhos e ilustrações, inclusive para jornais. Sua obra é tão vasta que bem merece uma fundação para resgatá-la. Certa feita descobri um teatro criado no Rio de Janeiro em 1954, o teatro Armando Gonzaga, localizado no bairro de Marechal Hermes, que contém dois painéis de Paulo Werneck. E o curioso é que, no bairro, o teatro é o único espaço de convívio e diversão dos moradores, que não dispõem de nenhum estabelecimento de cinema, nem shopping, galeria ou museu.

 

pwmalhermeshp.jpg

E para arrematar este artigo, concluí-lo e atualizá-lo, reproduzo aqui a reportagem que foi publicada neste mês de março de 2010 pela revista  Arquitetura e Construção, mostrando a casa da filha de Paulo Werneck, Dona Regina,  na ilha de Paquetá (projeto MM Roberto) e o belíssimo painel na parede de acesso à residência.

 HGougon, abril de 2010

pwpaqueta1.jpg

Enter subhead content here

Enter supporting content here