Make your own free website on Tripod.com

O italiano de Dolceacqua

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

obra cemiterial de Franco Giglio
gigliocemiterio3.jpg
Painel exige reparos urgentes!!!!!

 

O italiano de Dolceaqua

 

Sem sombra de dúvida, o Brasil deve muito do ensino e realização de obras musivas a um número incontável de artistas italianos que se fixou em nosso país. Dentre todos que por aqui passaram o nome de Franco Giglio é um dos que melhor possui registro e memória conservados de sua vida e obra, devido ao trabalho de resgate efetuado pela viúva, Dona Roseli Giglio, e pela legião de amigos que conquistou em Curitiba. A dimensão desse acervo seria ainda maior se não fosse o incêndio que destruiu seu ateliê em Verona na Itália em janeiro de 1979 consumindo centenas de obras, grande parte delas realizada no Brasil.

 

Obra na Residência de Nelson Justus
giglioresnelsonjustus.jpg
Curitiba, a terra que acolheu Franco Giglio, filho de Dolceacqua

Giglio nasceu em Dolceacqua, na Itália, em 1937, vindo para o Brasil aos 21 anos. Sem formação acadêmica, começou a trabalhar com outro italiano, Antônio Mucci, estabelecido em Minas, que, entre uma infinidade de obras musivas, legou o único livro escrito até hoje sobre mosaico no Brasil: Compêndio Histórico-técnico de Arte Musiva, publicado pela Editora Ao Livro Técnico em 1962, esgotado há muito tempo.

 

Ao final dos anos 50, Mucci fora convidado a realizar o painel “A Evolução da Moeda através dos Tempos”, na cidade de Juiz de Fora –  obra que permanece bem preservada, no prédio da Secretaria Estadual de Fazenda, antigo edifício do Banco Mineiro da Produção – em mosaico de pastilhas cerâmicas com recobrimento vítreo. Convidou Giglio para acompanhá-lo na empreitada. O filho de Dolceacqua aprendeu a técnica e não mais a deixou, passando a exercê-la em Curitiba, onde fixou residência e ateliê.

 

Franco Giglio tornou-se muralista, tendo realizado trabalhos em mosaicos para o Cemitério de Curitiba (que acabam de passar por uma excelente reforma, veja ao pé desta página), para a Assembléia Legislativa do Paraná, para o Colégio Lins de Vasconcelos e para outros prédios públicos e residências particulares. De grande afabilidade, fez um círculo de amigos fiéis entre os artistas paranaenses. Poty Lazarotto confiou a ele a realização de um de seus painéis em azulejos mais vistosos, o Monumento ao Tropeiro, e insistiu com ele para abrir o portafólio e exibir  seus desenhos. Em catálogo para uma exposição, em 1974, assim se expressa o amigo Poty:

 

“Afinal o enrustido curitibano de Dolceacqua resolveu (Aleluia!) desenterrar o pescoço dos ombros e mostrar estes desenhos magníficos a mais gente do que os vários privilegiados que tinham acesso ao seu apartamento ou atelier de cerâmica.

Dava pena ver tanto desenho de tal qualidade espalhado por toda parte, feitos ao acaso sobre o primeiro pedaço de papel à mão, quadriculado, de embrulho, o que fosse. E quantos sumiram...

Felizmente (é Aleluia!), deu um estalo no cérebro do homem ou talvez tenha sido coisa longamente elaborada, e, através de um processo original e tortuoso como é o do seu feitio, ele pôs-se a recuperar um a um, aqueles desenhos, (ressuscitados) nesta exposição, com surpreendente clareza e vitalidade.

Alegria para nós, os amigos, que sempre rogamos e esbravejamos por ela, ao teimoso e excelente desenhista que é Franco Giglio!”

 

No ano seguinte, 1975, Giglio casou-se com Roseli de Almeida e retornou à sua querida Dolceacqua. Passou a residir em Mantova, depois em Verona – onde um incêndio, ocorrido em 1979, devastou grande parte de seus antigos desenhos. O artista veio a falecer em abril de 1982, aos 44 anos de idade.

 

Apesar da morte precoce e do incêndio que levou boa parte de seu acervo, o artista deixou uma coleção vasta de obras importantíssimas que, eventualmente, são exibidas em sua homenagem e memória. Ainda em outubro de 2004, uma mostra foi instalada no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, apresentando uma parcela de suas telas, sempre muito disputadas. A exposição estendeu-se até fevereiro de 2005.

 

foto248giglioedifwadel.jpg

 

Para conhecer mais sobre Franco Giglio, não apenas sua obra musiva, mas uma parte da imensa produção pictórica que legou, vá direto para o site www.francogiglio.com.br, editado pela viúva, Dona Roseli Giglio, sempre à frente de tudo que se refere à guarda de sua memória e à difusão da arte grandiosa e personalíssima do ilustre artista, filho de Dolceacqua.

foto24.6giglioedif.minasgerais.jpg

A Prefeitura de Curitiba anunciou no mês passado (setembro de 2009) o término da reforma do painel realizado por Franco Giglio que ornava uma entrada do Cemitério Municipal. A obra estava em processo de decomposição há quase uma década. Num primeiro momento, houve uma tentativa de "conserto", sem o conhecimento profisisonal que essa tarefa requer. Em pouco tempo as tesselas tornaram a se desgrudar do painel. Foi preciso recorrer ao Serviço de profissionais - o que já devia ter ocorrido desde o início - mas finalmente agora a restauração foi para valer. 

Foto de Luiz Cequinel / FCC
(tecle sobre a foto e vá direto para o informativo da Prefeitura)

francogigliocemiterio.jpg

Segue abaixo o relato da Prefeitura de Curitiba anunciando o término da restauração da obra de Franco Giglio na entrada do Cemitério Municipal.

Prefeitura conclui restauro do painel em mosaico do Cemitério Municipal

 

As obras de restauração do painel em mosaicos de vidro, localizado na entrada do Cemitério Municipal São Francisco de Paula, foram concluídas. De autoria do artista plástico Franco Giglio (1937-1982), o mural foi recuperado por uma empresa especializada, com recursos do Programa de Recuperação do Patrimônio Histórico do Fundo Municipal da Cultura.

 

Sob a supervisão da Fundação Cultural de Curitiba, as obras de restauração demoraram um ano. Inicialmente, o painel teve que ser retirado do pórtico do cemitério. Para evitar novos problemas e reconstituir a obra, todas as peças, ou seja, cada pastilha teve que passar por um processo rigoroso de limpeza e recuperação.vitar problemas novos e reconstituir a obra, todas as peças, ou seja, cada pastilha teve que passar por um processo rigoroso de limpeza e recuperação.

 

O trabalho de restauro propriamente dito teve início em julho de 2008, mas o processo para a recuperação do mural, considerado bem cultural de interesse de preservação, começou em 2005. Com o apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, a Fundação Cultural contratou uma empresa com experiência em restauração de obras de arte, para avaliar a situação do mosaico e elaborar uma proposta técnica de intervenção.

 

Em 2006, foram feitos o levantamento fotogramétrico e a correção planialtimétrica do mural e, em 2007, outra empresa foi contratada para detalhar os serviços necessários. Esses trabalhos serviram de base para a elaboração do edital de licitação e subsidiaram a restauração.

 

O painel está salvo. Depois de passar por alto risco de degradação, a obra foi inteiramente recuperada, comemora a historiadora Christine Vianna Baptista, da Fundação Cultural de Curitiba, responsável pelo acompanhamento dos trabalhos. De acordo com Christine Baptista, essa era uma ação emergencial de salvaguarda do patrimônio cultural da cidade. Um dos critérios adotados na execução foi trabalhar de forma a aproximar a obra ao máximo da sua concepção original.

 

No canteiro de obras, montado junto ao pórtico do cemitério, as pastilhas eram retiradas da sua base anterior e lavadas em ácido, mas isso não era suficiente para a reutilização do material. "A limpeza completa era feita uma a uma, com a ajuda de bisturis e aparelhos odontológicos", conta a mosaicista e restauradora Ângela Damiani.

 

Coordenando uma equipe de cinco pessoas para ajudá-la nesse processo, Ângela conseguiu recuperar 100% das peças que ainda resistiam no portal. Muitas, como não estavam fixadas adequadamente, já haviam se perdido. Por isso, em relação ao painel original, de 30 a 40% das pastilhas são novas. Essas peças foram adquiridas do mesmo fornecedor da época de Franco Giglio. Depois de uma pesquisa em lotes antigos, foi possível resgatar pastilhas cujas cores e tonalidades mais se aproximavam das originais.

 

O prognóstico inicial das condições do mural não era favorável. De acordo com o arquiteto Roberto Martins, da Arquibrasil Arquitetura e Restauro, empresa que venceu a licitação, a recuperação desse painel de Giglio foi um dos seus maiores desafios. "Desconheço outros trabalhos da mesma natureza com tal complexidade", diz Roberto Martins, que já havia feito a recuperação de outro mural do mesmo artista.

 

O arquiteto explica que a base em fibra de vidro, sobre a qual o painel estava fixado anteriormente, além da aplicação de outros materiais inadequados, intensificou o processo de degradação. Agora, esse risco está afastado. Martins destaca que o trabalho foi bem executado pela restauradora Ângela Damiani, o que garante a durabilidade da obra, ainda que ações de manutenção e impermeabilização devam ser feitas periodicamente.

 

O mural - A realização do mural do artista plástico italiano Franco Giglio fez parte de um programa de melhorias para o cemitério, desenvolvido na gestão do prefeito Ivo Arzua, em 1964. A encomenda previa a execução de um mural ornamental sacro, em pastilhas vitrificadas. A obra foi instalada no Cemitério Municipal em 1966, na entrada da antiga capela. Sofreu uma primeira intervenção em 1985. Depois, em 1995, foi transferido para o novo pórtico do cemitério. Em 1997 passou por outros trabalhos de recuperação.

 

Com 110 m², o mural foi realizado num processo direto - o desenho foi elaborado na argamassa e colocado depois no painel por meio de pastilhas de vidro, numa composição com características estilizadas que lembram os períodos da arte bizantina/gótica. Franco desenvolveu uma narrativa que descreve com maestria e sutileza a cena de almas tentando entrar no céu, guiadas e protegidas por anjos tocando trombetas. Nas extremidades laterais, compõe o painel uma citação de Fagundes Varela. De matizes predominantemente azuis e verdes nas figuras e usando como fundo o branco, o artista obteve a representação de um cenário celestial que o local inspira.

 

O mural foi uma das primeiras obras de Franco Giglio, em Curitiba. Nascido na Itália, o artista veio para o Brasil em 1956, instalando-se na capital paranaense, onde deixou grande parte de sua produção artística.

 

Veja abaixo como estava o painel de Franco Giglio quando ainda começava a perder as pastilhas num processo crescente que quase põe a obra a perder.

foto2413obracemiterial2.jpg

foto24obracemiterial3.jpg