Make your own free website on Tripod.com

Tomie Ohtake expande a arte do mosaico

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Japanese immigrant Tomie Ohtake, now in her ninities, came to Brazil in 1936, but started her artistic career only in the 50s. In the 90s, she embraced the mosaic language and created many murals, seen by many people in the subway in S. Paulo, and also in Brasilia and Uberlândia an throughout the city of S. Paulo

A OPÇÃO DE TOMIE OHTAKE PELOS MURAIS EM MOSAICO

tomie007.jpg

tomie003.jpg

De algum tempo a esta data, Dona Tomie Ohtake, a grande dama nipo-brasileira das artes visuais, vem enriquecendo a arte do mosaico, produzindo obras murais. Já passou dos 90 anos de idade e felizmente não dá mostras de que pretenda parar.

 

Tendo chegado ao Brasil em 1936, só foi começar seus estudos de pintura em 1952, com o professor japonês Keisuke Sugano. Já no ano seguinte, ingressou no chamado grupo Seibi – formado por artistas da colônia, tão iniciantes quanto ela: Flávio-Shiró, Kaminagai, Manabu Mabe, Tikashi Fukushima, entre outros. Começou pintando paisagens, mas logo passou para o abstrato, queria pintar as emoções interiores. Os anos 60 seriam decisivos para a maturação de sua trajetória artística. Nesta década, ela participou da Bienal de São Paulo e, a seguir, da Bienal de Veneza. Mosaico era coisa pela qual alguns de seus companheiros da colônia japonesa manifestavam interesse, mas ela ainda estava distanciada dessa opção, explorando mais a pintura e as gravuras em suas diversas modalidades.

 

tomie004.jpg

Mesmo que o Brasil tenha sido gratificado por uma legião de artistas ítalo-brasileiros que se envolveram com a linguagem dos mosaicos, é curioso notar que os artistas nipo-brasileiros também tiveram uma presença expressiva na opção pela arte. Nomes conhecidos como Takaoka e Flávio Shiró chegaram a viajar a Paris para receber aulas de mosaico do grande artista modernista Gino Severini, que foi, com toda certeza, a principal referência mundial nessa área durante toda a primeira metade do século XX.

 

Manabu Mabe, que faleceu em 1997, deixou como sua última obra exatamente um projeto para mosaico, realizado postumamente na Fortaleza de Santo Amaro no Guarujá. E é preciso lembrar ainda o nome de outro artista expressivo de origem nipônica, Jorge Mori, que também foi para a Europa na primeira metade do século passado para aprender arte do mosaico.

 

tomie011.jpg

Agora, o caso de Tomie Ohtake impressiona porque ela abraçou a linguagem das tesselas em idade avançada, vale dizer, como resultado de um longo amadurecimento plástico, o que confere maior autenticidade à sua obra. É arte de caso pensado e não aventura juvenil.

 

Os anos 90 apontaram para a retomada do mosaico e ela não ficou indiferente ao movimento O primeiro espaço encontrado para colocação de seus painéis em pastilhas foi o Metrô de São Paulo, que enriqueceu ainda mais seu acervo riquíssimo de obras plásticas que ornam praticamente todas as estações. As pastilhas escolhidas foram da empresa Vidrotil, de São Paulo.

 

tomieinveraohp.jpg

Pois na Estação da Consolação, uma das mais vistosas do centro de São Paulo, Tomie implantou ao longo das paredes do túnel metroviário nada menos que quatro gigantescos painéis, cada um deles significando uma das estações climáticas, ou seja primavera, verão, outono e inverno. Formam um verdadeiro show de luz e expressão na área subterrânea metroviária.

 

 

Após a obra do Metrô, realizou outro painel. também com pastilhas vítreas para a Escola Maria Imaculada em São Paulo, também conhecida como Chapel School, em 1992. No ano seguinte, foi convidada a projetar para Brasília um painel em pastilhas destinado a ornar a entrada do prédio da Construtora Paulo Octávio, no centro da cidade. O empresário aproximou-se de Tomie por meio dos filhos da artista, os arquitetos Ricardo e Ruy Ohtake, a quem encomendou projetos para algumas de suas obras mais vistosas na Capital da República.

 

Painel de Tomie Ohtake na Chapel School
tomiechapel222.jpg

painel de Tomie em Brasilia
tomiebrasilia1.jpg
obra está no andar térreo da empresa Paulo Octávio

 

A colocação do painel, no entanto, não teve feliz execução. Acredito que por causa do padrão climático de Brasília – seis meses de chuvas fortes e seis meses de seca brava –, as tesselas vítreas não aderiram muito bem na argamassa do prédio e, pelo menos por algumas vezes, a obra teve quer ser refeita. O último reparo mostrou-se definitivo e, quando nada, serviu como aprendizado para outras execuções desse porte na cidade. É hoje uma das aquisições plásticas mais significativas da Capital da República, contribuindo para diversificar o visual brasiliense, de resto agraciado desde a criação da cidade pelos velhos e bons nomes que vieram com Oscar Niemeyer durante a epopéia da construção.

 

Em 1994, novamente a arte do mosaico inspirou a artista, que realizou para o Instituto de Estudos Brasileiros da USP mais uma obra em pastilhas vítreas. Ocorre que o painel foi colocado na sala do diretor, ficando inacessível ao público. De todas as obras da grande artista, essa é a mais desconhecida, permanecendo como uma pérola escondida no interior da ostra, lamentavelmente.  A meu ver é contraditório até mesmo com o espírito aberto e democrático do ambiente universitário.

tomieaovivol1.jpg

Tinha para mim que esta obra interrompia a série musiva da artista nipo-brasileira, mas enganei-me completamente. Em 2003, fiquei sabendo, por intermédio da companheira mosaicista Ângela Costa, artista qualificada de Uberlândia, que Tomie também realizou um belíssimo painel para a sede da empresa CTBC naquela cidade do Triângulo Mineiro, em 1998.

aovivotomienavidrotil4.jpg

Por gentileza dela, recebi um vídeo elaborado pela empresa que mostra a Primeira Dama das Artes Plásticas colocando as tesselas na sede da Vidrotil, em S. Paulo, auxiliada por funcionários especializados. Quando realizou a obra, Tomie já era octogenária e, por isso, impressiona vê-la agachada, curvada, debruçada sobre as tesselas, envolvida com a execução do painel, algo impensável para muitos outros artistas jovens que apenas desenham cartões e confiam a execução a terceiros. A obra ocupa um espaço de 95 metros quadrados nas paredes de entrada no interior da empresa e foi montada no chão de um galpão em SP.

 

Painel de Tomie Ohtake na seda da CTBC, Uberlândia
tomieudi.jpg

aovivotomienavidroti9.jpg

clique aqui sobre a figura abaixo e veja um pequeno vídeo feito durante a execução da obra mural de Tomie Ohtake para a EBTC em Uberlândia, MG.http://www.youtube.com/watch?v=RtwXiappcRY

foto32.7.uditomie.jpg

Pela importância do nome de Tomie no panorama artístico internacional e por sua sintonia com o que há de mais avançado em matéria de artes visuais, o fato de ter escolhido a linguagem das tesselas para apresentar suas obras plásticas em áreas de visibilidade pública ao longo de quase toda a década dos 90 engrandece e empresta um significado novo à arte.

 

Ainda em 2006, fui convidado a participar de uma cerimônia no Palácio do Planalto, promovida anualmente, de premiação de artistas e personalidades diversas que contribuíram para a cultura nacional em diversos campos. Ali encontrei Tomie Ohtake, ladeada pelos filhos Ruy e Ricardo. Ao chamar por seu nome, o locutor oficial traçou um perfil sumário de sua vida e destacou nominalmente as obras que fez para o Metrô Consolação, o que demonstra a grande visibilidade pública de suas obras em mosaico.

 

 

H.Gougon 2009