Make your own free website on Tripod.com

A hora e a vez de Heinz Schueler
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

A hora e a vez de Heinz Schueler

Obra de Heinz Schueler para Igreja de Araraquara
madona001.jpg
Peça foi colocada no tímpano da Igreja Santa Cruz

imagem está no tímpano da Igreja de Araraquara
igrejadasantacruz.jpg
Igreja dos missionários redentoristas

Para quem chegou agora, é preciso informar que há um livro lançado em 1962 pela Editora Ao Livro Técnico, de autoria de Antônio Alfredo Mucci, chamado Compêndio Histórico-técnico da Arte musiva. A obra só é encontrada hoje nas prateleiras de boas bibliotecas e é um relato aprofundado da história universal do mosaico. Ao situar a presença da arte em nosso país, o autor - um ítalo-brasileiro que se notabilizou pela realização de muitos painéis no Rio de Janeiro e em Minas Gerais - salienta  que já havia àquela altura no Brasil artistas renomados envolvidos com a realização de mosaicos, citando três deles: Paulo Werneck, José Moraes e Heinz Schueler.

A obra é assinada por Carybé e Heinz Schueler
panelcarybe.jpg
Apure a vista para ler a inscrição "mosaico Schueler"

Os dois primeiros já foram devidamente examinados e comentados em nossas páginas, mas sobre Heinz Schueler nunca houve nenhuma outra referência em livros ou em páginas específicas da Internet.

Repare bem na assinatura: MOSAICOS SCHUELER
carybe11.jpg
Schueler executou todas as obras em mosaico de Carybé

De tanto procurar por ele e por suas obras nos últimos anos, acabei encontrando uma pequena menção ao seu nome em uma página da Web que trata de assuntos paroquiais da pequena cidade de Monte Verde. Nele havia uma referência ao artista e à sua filha, Renate, que passara a infância naquela comunidade. Consegui entrar em contato com o dono do site e através dele localizei a filha de Heinz Schueler na cidade de Cleawater, na Florida, que muito ajudou na elucidação de um enigma que há muito me intrigava.

Um universo de obras em mosaico

 

Ao estabelecer contato com Renate, descobri a existência de um vasto universo de mosaicos realizados por Heinz Schueler. Ela ficou feliz pelo meu interesse no conjunto de trabalhos de seu pai e dispôs-se a  prestar informações sobre a obra do artista, já falecido. Sua estimativa é de que ele teria deixado no Brasil uma quantidade incalculável de peças. 

Bem, diante dessa estimativa elevada sobre o número de mosaicos realizados por Schueler, passei a refletir sobre onde estariam tantas obras se são quase inexistentes as informações a respeito de seu trabalho artístico. Logo que Renate enviou-me as primeiras fotos das obras realizadas por seu pai pude entender a razão da ausência de seu nome em livros ou revistas em nosso país.

Outra obra de Carybé executada por Heinz Schueler
schuelercarybe23002.jpg
Nome do realizador aparece ao pé da obra

Veja a assinatura de Heinz Schueler no Painel
imagem33001.jpg
Carybé e Heinz Schueler realizaram este e muitos outros projetos

É que Heinz Schueler sempre foi um exímio executor de obras em mosaico, mas quase não se aventurou em criar seus próprios mosaicos. Infelizmente, num país como o Brasil, inexiste a prática de repartir a autoria das obras de arte entre os que concebem e os que a executam. Certa vez, o Palácio do Planalto abrigou uma exposição de esculturas de autores brasileiros e franceses no hall de entrada do prédio. Ficou muito evidente na ocasião que os escultores franceses concediam o crédito às fundições de bronze que imortalizaram suas obras. Já os artistas brasileiros não o faziam.

O caso dos mosaicos não é diferente. Até hoje me pergunto qual ateliê ou quem realizou as obras de Portinari em mosaico. Um verdadeiro mistério. Também ninguém sabe quem fez os painéis em mosaico de Di Cavalcanti nem os de Clóvis Graciano e de tantos outros nomes famosos nas décadas de 50 e 60.

 

Foto do arquivo de Renate Schueler
fotoschuelerpretobranco.jpg
A filha de Schueler guardou foto da época da realização

Bem, a verdade é que quase nunca há menção aos verdadeiros executores das obras em pastilhas. Quem estuda mosaico sabe muito bem que a empresa Vidrotil foi responsável por uma infinidade de painéis e murais em nosso país, mas ela mesma não foi autorizada pelos artistas do passado a colocar o crédito pela execução. De suas instalações surgiram muitos painéis e murais por este Brasil afora, mas são raros os casos em que aparece o nome da empresa. Vale observar que a Vidrotil é também citada por Alfredo Mucci entre os nomes dos artistas que já podiam responder por uma produção importante de obras em pastilhas à altura em que seu livro foi lançado (1962).

 

Uma parceria de sucesso: Schueler e Carybé

Heinz Schueler foi quem viabilizou a obra de dezenas de artistas brasileiros com a execução de seus projetos para mosaico. Nem todos exibiram o nome dele nos painéis, mas é preciso chamar atenção para a exceção honrosa de Carybé, de quem se tornou um grande amigo, tendo concretizado seus projetos para murais de Salvador e de São Paulo.

schulercarybe233.jpg

Um exemplo eloquente é o painel, ainda bem conservado, que se encontra no interior de uma agência do Banco Itaú em São Paulo. A obra de Carybé está assinada por ele junto com o crédito da execução a Heinz Schueler. Veja abaixo: o nome do artista, o nome do executor e o ano da obra: 1961

 

assheinzschueler221.jpg

Só isso já seria suficiente para legitimar a importância de Heinz Schueler no panorama de obras em mosaico no Brasil. Mas não foi só.

Carybé realizou diversos outros painéis em mosaico na Bahia, alguns deles com sua assinatura e também a do parceiro de execução. Uma das obras realizadas para um edifício residencial no bairro de Campo Grande, em Salvador, também estampa ao pé do mural a referência a Schueler. Veja acima a obra de Carybé e repare na base do mosaico a inscrição Mosaicos Schueler e a data da realização, 1957.

As três baianas de Schueler"

obra desenhada por Carybé e realizada por Schueler
tresbaianas2l.jpg
A peça foi feita para demonstrar a habilidade de Schueler com a execução de mosaicos

De sua filha Renate, recebi ainda uma obra singular realizada por seu pai sobre desenho efetuado por Carybé. Esta obra está bem guardada por ela. Segundo sua informação, Heinz Schueler a executou apenas com o propósito de mostrar a outros artistas sua maestria na execução de mosaicos. A peça tinha para ele um caráter "demonstrativo" ou seja, ele apresentava aos artistas ou aos arquitetos que o procuravam como prova de sua capacidade para executar qualquer tipo de obra em mosaico. Também com este mesmo propósito, o artista produziu um mosaico de característica bizantina retratando a cidade de Nazaré no século XIII.

CIDADE DE NAZARÉ NO SÉCULO XIII
heinzschueler.jpg
OBRA DEMONSTRATIVA FEITA POR HEINZ SCHUELER

 

Espero estar contribuindo aqui para situar o nome de Heinz Schueler no nível adequado de importância que merece pelo tanto que viabilizou na construção da arte brasileira.

 

Detalhe do mural na Agência do Itaú, em S. Paulo
schulercarybe233.jpg

 

Sua obra não se esgota na execução de painéis concebidos por outros artistas. Ele também projetou e executou obras sacras para algumas cidades paulistas, entre as quais uma grande igreja em Araraquara, a Igreja da Santa Cruz dos Missionários Redentoristas. Sua filha informou que ele evitava colocar assinatura nessas obras porque achava que poderia macular a característica religiosa das peças, mas ela possui a foto da imagem realizada pelo pai antes de sua colocação no tímpano superior do templo de Araraquara (veja acima, no início desta home page).

 

Quadro na casa da filha Renate Schueler
heinzobrapessoal3.jpg

Quadro de baiana na casa de Renate Schueler
heinzpessoal4.jpg

Além das peças que executou para outros artistas, Heinz Schueler deixou pequenos quadros de características caseiras, apenas para ornar as paredes da sua casa. Estão todos na residência de sua filha, na Flórida. É interessante salientar que essas peças têm forte influência das cenas da Bahia a seu tempo e dos desenhos de seu grande amigo Carybé.

Detalhe do painel de Schueler na Agência do Itaú
schuelercarybe19.jpg

Quadro na casa da filha do artista
heinzpessoal.jpg

Enfim, fica claro que Heinz Schueler foi um artista responsável, operoso e de muito talento. Aqui se esboça um começo do resgate de sua obra, mas com certeza ainda haverá muita coisa para revelar e escrever sobre sua contribuição, até agora quase anônima, para o desenvolvimento das artes plásticas no Brasil.

HGgougon, 4 de novembro de 2009

Veja novamente em outra obra de Carybé existente no bairro de Campo Grande, em Salvador,  uma peça retratando peixes. Nela, é possivel identificar ao pé do painel, a inscrição "Mosaicos Schueler"

carybe2peixes.gif

Mais peça da dupla Carybé-Heinz Schueler
carybepeixes.gif

peixes2carybe1.gif

Já mostramos aqui, com muitas fotos, que praticamente todas as obras em mosaico assinadas por Carybé tiveram sua execução  através das mãos experientes do talentoso mosaicista alemão Heinz Schueler. Também esse índio, apresentado abaixo, ilustrando um painel igualmente na cidade de Salvador, resultou de trabalho competente do mestre alemão, que deu vida aos projetos criados por Carybé. Se não existisse um Heinz Schueler, provavelmente Carybé não teria a oportunidade de criar todas essas obras, até porque na data em que os painéis foram realizados na década de 50, era ínfima a presença de ateliês competentes para executar tantas obras criadas pelo artista.

carybeindio.gif.jpg

indioparcialcarybe1.jpg

assdeschueler.jpg