Make your own free website on Tripod.com

Alimentos para a alma: doces tesselas

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Do chocolate de Vik Muniz e dos cereais de Siron Franco

vikmuniz13pq.jpg

Assim como nem só de pão vive o homem, nem só de pastilhas, azulejos e pedras vivem os mosaicos.  Muito ao contrário, têm corpo e alma todas as formas de agregação de pedaços que resultam numa terceira peça, com novo significado e novas leituras.

Alfredo Mucci, nosso primeiro estudioso da matéria, no seu clássico “Compêndio Técnico-histórico da Arte Musiva”, chega a relacionar a arte plumária das tribos indígenas como uma forma primária de fazer mosaico, apresentando fotos de cocares, mantos e colares ricamente compostos com penas multicores de nossos silvícolas.

 Numa época em que ninguém se dava conta do que era e do que não era ecologicamente correto, nosso Imperador Dom Pedro II usava uma pelerine confeccionada com papos de tucanos.

betinho.jpg

O inquieto Siron Franco, um dos artistas mais criativos e produtivos de nosso país, realizou em 1993 um quadro com a figura do sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, inteiramente desenhado com alimentos da dieta nacional: grãos de arroz, de feijão, de milho, etc... O trabalho resultou na capa da revista Veja daquele ano (edição de 29 de dezembro) e se tornou uma obra de grande força sugestiva para a campanha nacional contra a fome, que tinha no sociólogo o grande líder e inspirador do movimento.

betinhosiron.jpg

Ultimamente, com a universalização do computador, vem ganhando espaço a chamada arte digital, que já se subdivide em diversos campos de aplicação, um dos quais o mosaico digitalizado. Um dos pioneiros nessa área, o norte-americano Robert Silvers, formado pelo MIT, desenvolveu um software que denominou Photomosaic, com o qual combina milhares de pequenas fotos para formar uma terceira, como num quadro impressionista. De perto, vê-se uma coisa e de longe outra. A revista Istoé publicou matéria a respeito do artista na edição de 11 de novembro de 98, reproduzindo algumas de suas obras realizadas com a ferramenta. Entre elas, destaca-se um mosaico do rosto da Estátua da Liberdade, todo montado com milhares de fotos de americanos anônimos. De lá para cá, apesar de tão pouco tempo, o mosaico digitalizado vem crescendo e se difundindo cada vez mais.

Os contornos pop do mosaico digitalizado são inevitáveis. Na Internet, é possível adquirir um pôster do jamaicano Bob Marley realizado com essa técnica, construída mediante um sem número de fotos pequenas de tocos de cigarro.

foto4.6.arcimboldo.jpg

Tanto o mosaico digitalizado quanto a obra de grãos realizada por Siron Franco devem muito ao pioneirismo do pintor italiano Giuseppe Arcimboldo (1527/1593) que entrou para a história da arte pelos retratos que realizou, usando desenhos de animais, de vegetais e até de livros para compor as cabeças das pessoas. Assim como as fotos digitalizadas, seus quadros exigem uma inspeção minuciosa das imagens que geram outras imagens.

O procedimento de Arcimboldo também não é estranho a um dos mais férteis artistas brasileiros de nossa época, o paulista Vik Muniz, nascido em 1961, mas desde 1983 residindo em Nova York, onde se tornou um dos principais nomes da arte contemporânea. Depois de uma trajetória internacional vitoriosa sob todos aspectos, expôs pela primeira vez em sua terra natal no ano de 2002 no Museu de Arte Moderna, no Ibirapuera. Na Mostra - Ver para Crer - apresentou uma série de painéis fotográficos de altíssima tecnologia reprodutiva, mostrando obras que se distinguem pela qualidade artística e que exigiram grande acuidade artesanal pelo uso de composições com todo tipo de elementos, como terra, areia, arame, algodão,  molho de tomate, açúcar, chocolate derretido, pimentas, etc...

vikliztaylor.jpg

Entre as peças mais instigantes, encontra-se uma espécie insólita de mosaico, reproduzindo, em diversos tipos de pimenta, quatro retratos iguais de Elizabeth Taylor, realizados a partir da célebre obra de Andy Warhol, que desenhou a artista em cores psicodélicas. Vik Muniz executou cada peça com um tipo diferente de pimenta: Caiena, pimenta-do-reino, Curry e malagueta.

No final de 2003, o Grupo Itaú  elegeu uma de suas obras para reproduzi-la em um painel na linguagem do mosaico. A obra escolhida é uma que Vik Muniz realizou em chocolate derretido, recorrendo a um conta-gotas para desenhar na tela uma multidão atravessando uma rua em Nova York. Sua transferência para o espaço musivo se deu mediante o uso de pastilhas vítreas da Vidrotil (uma empresa criada em São Paulo em 1948, que atinge hoje um nível elevado de produção técnica e de refinamento cromático).

vikmuniz14pq.jpg

Com cerca de 170 metros quadrados, o mural emprestou um novo significado à obra original do artista, reinterpretando-a de forma inteligente, capaz de mexer com a percepção do público que passa diariamente pelo local. A travessia do espaço, que se fazia antes de forma apressada e descuidada, transmite agora uma emoção nova. Favorece um ajuste de comportamento e dos sentidos, dando lugar ao prazer estético e ao encantamento doce proporcionado pela obra.

vikmuniz13pq.jpg