Make your own free website on Tripod.com

A obra de Douglas Marques de Sá no Aeroporto Internacional de Belém

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

 Belém, Belém, pra nunca mais ficar de bem!

 

Do artista Douglas Marques de Sá muito já se falou, sobretudo de sua trajetória iniciada em pintura na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, no início dos anos 50, e aperfeiçoada no Museu de Arte Moderna, também no Rio, e no Museu de Arte de São Paulo, tornando-se posteriormente mestre nessas mesmas instituições.

Depois de uma coleção de prêmios no eixo Rio-São Paulo e de um período de vivência na Europa e nos EUA na segunda metade dos anos 60, esse paulista de S. José dos Campos transfere-se para Brasília em 1972, passando a dar aula no antigo Instituto Central de Artes da Universidade de Brasília, por onde se aposentou há poucos anos. Aos 73 anos, continua ativíssimo em seu ateliê no Lago Sul, de onde brotam continuamente telas originais e inesperadas, sinalizando a inquietação permanente do artista.

O que poucos sabem, no entanto, é que, na base de sua formação acadêmica, Douglas participou da grande aventura do mosaico nos anos 50 no Rio de Janeiro, que atraiu toda a constelação modernista, de Di Cavalcanti a Portinari, de Carlos Bracher a Quirino e Hilda Campofiorito, de Antonio Carelli a Flávio Shiró, de Volpi a Clóvis Graciano, de Burle Marx a Calabrone.

Pois ao longo de toda a década de 50, Douglas dedicou-se de corpo e alma à produção variada de obra musiva, boa parte dela dedicada a prédios residenciais do Rio de Janeiro, especialmente de Copacabana, um bairro que ainda guarda, em muitos de seus edifícios, painéis em mosaicos perfeitamente datados, refletindo o período de ouro de sua história.

Assim como Athos Bulcão, que até a véspera de mudar-se para Brasília realizava mosaicos no Rio de Janeiro, Douglas também encontrou, nas novas edificações da cidade, uma clientela farta para os murais musivos.

Mas sua obra mais refinada, aquela que marcou o apogeu daquela fase, decorreu de encomenda do então novíssimo Aeroporto Internacional de Belém do Pará, que exigiu do artista dois anos de trabalho contínuo para vencer os 60 metros quadrados de execução do painel. Foi realizado no Rio de Janeiro, sendo concluído em 1957, todo ele em pastilhas de vidro, fabricadas pela Vidrotil, uma empresa que, vale assinalar, instalou-se em São Paulo em 1948, viabilizando as propostas musivas dos artistas dos dourados anos 50, em todo o país. E que prossegue hoje, tornando possível as obras de artistas destacados como Cláudio Tozzi, Tomie Ohtake e muitos outros que continuam abrindo caminhos através da arte do mosaico.

Antes da entrega da obra, Douglas a expôs no Museu Nacional de Belas Artes no Centro do Rio de Janeiro, obtendo as mais significativas louvações da crítica. A cronista Eneida, numa coluna do Diário de Notícias (8/5/1957), do Rio de Janeiro, parabeniza o artista, dá notícia da exposição e comove-se: Vi o mural de Marques de Sá e fiquei contente. Lá estão nossas aves, nossas flores, um jacaré anuncia que não se brinca com os nossos rios, há um gavião tão real que já prepara seu vôo, e vai ser bonito quando o turista ou mesmo o natural do país chegar a Belém e tiver a saudá-lo no aeroporto nossa flora e fauna. Eneida era paraense apaixonada (escreveu uma obra clássica, Banho de Cheiro, de amor à sua terra e à sua gente) e militante política do velho Partidão, assim como Douglas.

Uma vez concluído, exibido e louvado pela crítica, o painel foi transportado para Belém e instalado no Aeroporto Internacional. Iluminou com sua graça o saguão de embarque e desembarque desde 1957 até os primeiros dias do golpe militar de 1964. Por essa época, o colunista Stanilaw Ponte Preta (pseudônimo do jornalista Sérgio Porto) percebeu que um festival de besteiras assolava o território nacional. E Belém não podia ficar de fora. Um oficial da Aeronáutica cismou com o painel de mosaico executado por Douglas provavelmente por discordar da militância política do autor e mandou derrubá-lo da noite para o dia.  Assim, numa dessas manhãs chuvosas de Belém, a cidade amanheceu sem o seu painel, que retratava, com rara propriedade, as riquezas do Estado, suas matas e florestas, sua variedade piscosa, seus animais e seus pássaros e até mesmo o petróleo que começava a surgir na região, prometendo uma era de progresso.

Douglas não guardou fotos do trabalho, mas, a meu pedido, vasculhou o baú de trastes antigos e encontrou, bem guardados, os esboços originais da obra, que reproduzo aqui, deplorando a mediocridade que um dia assaltou a vida brasileira. A ditadura militar destruiu obras de arte e reprimiu todos sinais de vida inteligente no país. Feriu e sangrou o patrimônio cultural brasileiro e, neste caso, como diz a letra de uma saudosa canção de Pixinguinha, deixou cacos de vidro espalhados no meu coração.

H. Gougon, em Brasília, setembro de 2003

Painel ganhou muitos estudos antes da forma final
douglas3estudos.jpg
A obra foi destruída, mas os esboços permanecem intactos