Make your own free website on Tripod.com

Mosaico: mitologia e fé cristã, as opções artísticas de um campeão olímpico octogenário

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Mito de Leda e o Cisne sobrevive em Manfroi
ledaeocisne.jpg
Obra surpreende e revela talento do campeão olímpico

O mosaico do esportista ítalo-brasileiro Aldo Manfrói, 82 anos

Considerado por muitos pesquisadores e estudiosos como uma arte essencialmente romana, o mosaico é uma linguagem abraçada desde sempre pelos italianos, sendo que muitos deles a trouxeram para o Brasil como um legado da própria alma artística cultivada na Península ao longo dos últimos dois milênios.

Alguns desses imigrantes italianos fizeram obras notáveis, especialmente Antônio Alfredo Mucci, responsável por inúmeros painéis musivos em igrejas mineiras de norte a sul do Estado. Foi também autor do primeiro livro escrito e editado no Brasil sobre a arte, denominado Compêndio Histórico-técnico da Arte Musiva, publicado e distribuído em 1962 pela Editora Ao Livro Técnico.

Pois a arte do mosaico é também a principal linguagem artística empregada pelo ítalo-brasileiro Aldo Manfroi, um atleta olímpico octogenário, que residiu em Juiz de Fora por mais de 50 anos, tendo acumulado, desde que chegou ao Brasil, mais de 1500 vitórias esportivas. Veio a falecer em julho de 2007, surpreendendo a todos admiradores de sua trajetória desportiva e também de sua atividade artística.

Entre muitos títulos, foi detentor de 24 recordes sul-americanos, oito recordes brasileiros, um recorde mundial, e foi por dez vezes campeão brasileiro de triathlon, tendo sido considerado pela Federação Internacional de natação um dos dez melhores nadadores do mundo.

Aldo nasceu em 1925 em Ancona, na Itália, mas perdeu o pai muito cedo, vindo a ser criado pelo padrasto, que era alemão e o registrou como filho, conferindo-lhe duas nacionalidades. Aos cinco anos, já praticava natação e aos 15 anos, sagrou-se campeão no campeonato italiano juvenil. Durante a guerra, foi trabalhar no campo, prestando socorro aos feridos. Casou-se na Itália com uma filha de brasileiro, que lhe deu três filhos. Em 1953, convencido pela esposa, transferiu-se para o Brasil, fixando residência em Juiz de Fora, de onde nunca mais saiu.

Em 2006, aos 81 anos, Aldo recebeu a medalha do mérito legislativo da Câmara municipal de Juiz de Fora. Apesar da idade avançada, nunca parou de treinar corrida, natação e ciclismo, as principais modalidades esportivas nas quais sempre se destacou.

Suas obras em mosaico são exibidas eventualmente nas galerias de arte de Juiz de Fora, realizadas quase sempre com pastilhas vítreas. Um de seus trabalhos mais conhecidos é “Leda e o Cisne”, retratando uma passagem da mitologia grega, sobre uma jovem princesa de Esparta, que gostava de deitar-se na relva apreciando o canto dos pássaros, expondo seu corpo desnudo ao sol, sob os olhares dos deuses.

Um belo dia, ao vê-la, Zeus decidiu converter-se em cisne para poder cortejá-la. Movendo as plumas e o pescoço, o cisne atraiu Leda que se fascinou com as carícias proporcionadas pelo pescoço comprido e pelo alisar das asas, acabando por fazer amor com ele. Os meses se passaram e logo Leda padeceu de fortes dores, vindo a parir dois ovos, dos quais nasceram quatro filhos. Ocorre que Hera, irmã e esposa de Zeus, perseguiu Leda e a proibiu de viver no Reino. Em seu socorro, Zeus transformou Leda em uma estrela na constelação de Cisne.

O mito de Leda e o Cisne sobreviveu em suas expressões artísticas na Grécia antiga e chegou a Roma, onde ganhou novas cores, inclusive em tela pintada por Leonardo da Vinci, no início do século XVI.

Enfim, o mito é comovente e de forte carga erótica, sendo surpreendente que Aldo Manfroi tenha recorrido a ele para apresentar sua visão do episódio nas tesselas musivas, o que revela muito não só da força mítica da tradição helênica, como também a aguda percepção cultural do artista, cuja notoriedade advém mais de sua expressão esportiva do que propriamente artística.

S.Sebastiao em estilo clássico
manfroihpsseb.jpg
Obra no Edificio que leva o nome do santo, em J.Fora

                    Nos primeiros dias de 2008, tive oportunidade de passar um dia inteiro em Juiz de Fora, onde saí à procura das obras públicas de Aldo Manfroi, seguindo algumas indicações  fornecidas por sua viúva.
                      Em um prédio em frente à lateral da Igreja dedicada à São Sebastião, encontrei no edifício que leva o nome do santo, um painel em mosaico que vai do teto ao chão, mostrando o santo crivado de flechas, conforme o retrata a iconografia  tradicional da Igreja Católica.
Um pouco mais adiante, na Matriz de Juiz de Fora, fiquei sabendo que havia um outro painel de Aldo Manfroi retratando uma Santa Ceia. Não consegui vê-lo na ocasião porque a área do mural estava em obras, mas por extrema gentileza, uma assessora de imprensa da paróquia, Simone, enviou-me poucos dias depois algumas fotos notáveis da obra.
                    Trata-se de uma representação livre de Aldo Manfroi para a Santa Ceia. O projeto tem concepção figurativa, vendo-se no grupo de comensais algumas mulheres e outros personagens de complexa definição, fugindo bastante do estilo clássico da famosa última ceia, pintada por Da Vinci, em que Cristo reunira seus apóstolos para anunciar-lhes o desenlace que se avizinhava na sua trajetória terrena.  É, evidentemente, uma concepção ousada , que se encontra  no espaço destinado a festas e outros eventos de confraternização, o que demonstra um espírito aberto e tolerante dos sacerdotes diante da interpretação artística assinada por Aldo Manfroi. A meu ver, o artista pretendeu com sua visão pessoal mostrar que a Santa Ceia não envolveu apenas os apóstolos, mas toda a Humanidade em torno de Cristo e solidário com Ele.

Interpretação livre de Manfroi para a Santa Ceia
manfroihp.jpg
Obra de Aldo Manfroi: questionamentos e liberdade de expressão