Make your own free website on Tripod.com

Mauro Fuke: a descoberta de um tesouro musivo no Aeroporto gaúcho

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

maurofukegaucho.jpg

Mauro Fuke: a descoberta de um tesouro musivo no Aeroporto gaúcho

ex-orbis, obra de Regina Silveira
ex-orbis2.jpg
Uma das três obras primas do aeroporto de POA

A Internet derrama virtualmente uma quantidade enorme de informações, quase sempre incompletas. Em todos os casos, é preciso ir além delas e buscar outras fontes testemunhais quando se deseja descortinar o intangível, especialmente quando se busca alguma obra de arte ou a identificação de seus autores e a percepção de seu alcance.

 

Por muito tempo desprezei os testemunhos de pessoas que, chegadas de Porto Alegre, afirmavam ter visto um enorme mosaico na estação de embarque do Aeroporto Salgado Filho. Por muitas vezes, percorri os sites, oficiais ou não, que revelam os meandros do aeroporto gaúcho, assinalam as obras plásticas em seu interior e prestam outras informações difusas sobre a infra-estrutura aeroportuária. Como há duas décadas não visito o Rio Grande do Sul, tinha para mim, pelos testemunhos da Web, que o suposto mural ali existente seria uma obra de azulejaria e não mosaico.

 

No programa de pesquisas do Google, o mais completo, sempre aparece, nas “imagens” da Web, fotos de um painel belíssimo que não é exatamente um mosaico, mas um painel cerâmico, de autoria da inspirada artista Regina Silveira, que ela registra como “cerâmica sobrevidrada”. A obra denomina-se Ex Orbis. Trata-se de uma composição de extraordinária qualidade artística realizada em 2001, refazendo máquinas voadoras de toda espécie, reais ou não, de tal maneira que compõem um trabalho de características anamórficas, de conexões complexas, que a artista destrincha com exuberância e competência expondo os vastos conhecimentos de uma matéria em que se doutorou, traduzindo-os num mural de 7 por 11 metros no interior do aeroporto gaúcho.

 

Obra de Mauro Fuke em tesselas
maurofuke55.jpg
Mosaico primoroso sobre a vida nos pampas

Próximo a ele existe outra obra, igualmente de fonte inspirada. É de autoria do fertilíssimo artista Carlos Vergara. Tanto ele quanto Regina ganharam um concurso para realização de obras de arte que enriquecem o espaço aeroportuário de Porto Alegre. E o próprio artista prestou seu testemunho, que captei na Web, ao procurar pela existência de um terceiro “painel” na área interna do aeroporto Salgado Filho. Eis suas palavras:

 

“Quando me mostraram o local do painel, vi que ele recebia sol o dia inteiro, além de haver uma estrutura de sustentação que projetava uma sombra nele. Eu não podia ignorar isso e fazer uma coisa que brigasse com essa situação. O painel é uma grande elipse, aproveitando esses desenhos que são projetados na parede. Se houvesse mais tempo, poderia ter colocado um relógio de sol. O trabalho não é um mapa-múndi, como alguns pensam. É uma elipse. O espaço é de 36 metros por 5 metros, eu não podia ser prolixo, era pra bater o olho e entender. Tem gente que, do aeroporto mesmo, me liga para comentar o painel. Acho que Mauro Fuke resolveu bem o outro painel, uma coisa difusa sobre o gauderismo”.

mural em curva
fuke77.jpg
beleza e maestria no Salgado Filho

Só então pude compreender que havia um terceiro painel no aeroporto gaúcho. Logo dirigi meu foco de pesquisa para Mauro Fuke e eis que surgem matérias, testemunhos, fotos e indicações de uma obra mural em pastilhas de grande expressão tonal, realizada pelo artista, que completa o trio de grandes e competentes nomes que fazem do Salgado Filho uma verdadeira galeria de arte de excelência no sul do país.  E, no caso da iniciativa de Mauro, trata-se efetivamente do mural em mosaico que eu tanto ouvira falar, mas não conseguia encontrá-lo na Web.

 

É obra que encanta por muitos motivos, mas aos meus olhos traz uma carga de encantamento pelo clima pampeiro que transmite através de pastilhas de matizes frios que enregelam a alma de quem penetra naquele clima úmido e gelado dos extensos campos gaúchos. A obra de Mauro Fuke permite ao usuário do aeroporto sentir o cheiro do pasto, voar com as aves de arribação, pisar na terra molhada dos pastos, caminhar com as emas que passam pelos campos úmidos e penetrar no espaço difuso e encantado da vida rural do Rio Grande do Sul.

 

Mauro Fuke nasceu em Porto Alegre em 1961 e desde cedo realizou obras plásticas, vindo a bacharelar-se em desenho pela Universidade Federal do RGS em 88.  Sua coleção de exposições e prêmios é vasta assim como sua presença visual na capital gaúcha. O melhor mesmo é ir direto ao seu blog clicando em  http://mauro-fuke.blogspot.com/para ver como é rico seu currículo, sua arte e, especialmente, suas intervenções públicas. Dentre essas, quero chamar atenção também para outras obras que realizou com a linguagem das pastilhas, nas marquises de entrada da Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre, em 1991. Enfim, trata-se de um artista de gênio, dono de uma proposta refinada não apenas nas tesselas, mas nas inúmeras outras opções que vem empregando, tanto pelos materiais escolhidos, como a madeira, como pelos elementos imponderáveis da surpresa com que atinge e encanta quem penetra seu vasto repertório artístico.

 

Frontal de marquise: outra intervenção de M. Fuke
maurofukemarquise.jpg
Obra confirma opção pelo mosaico

Obs.: Gauderismo, de que fala Carlos Vergara, refere-se à expressão típica empregada no sul para referir-se ao gosto regionalista pela preservação das tradições gaúchas. A expressão origina-se do chamado índio gaudério, miscigenado e aculturado.  

Obs.2: As fotos aqui apresentadas da obra de Mauro Fuke são apenas recortes das fotos do site do artista. Clicando sobre essas mesmas fotos, você poderá ser transportado diretamente para o site do artista, muito mais completo e mais rico de informações e imagens de sua vasta produção plástica.Ou, se preferir, siga o caminho: http://mauro-fuke.blogspot.com/

maurofuke2.jpg