Make your own free website on Tripod.com

A visibilidade poética das obras em mosaico de Cláudio Tozzi
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

tozziangelica2.jpg

O retorno de São Paulo ao muralismo

 

Desde meados de 2003, o bairro de Higienópolis, na capital paulista, abriga uma obra mural que mexe com o espírito dos paulistanos. Encontra-se na Avenida Angélica, tem 36 metros de altura e foi construída com 1,5 milhão de pastilhas vítreas revestindo uma área de 600 metros quadrados, a maior do gênero em São Paulo. Trata-se de uma obra premiada do artista plástico Cláudio Tozzi, que foi o escolhido entre 506 concorrentes para realizar um projeto artístico na fachada lateral de onze andares do Edifício Comercial Exclusive.

ctozziweb.jpg

O curador da premiação, Jacob Klintowitz, saudou a iniciativa, organizada pela empresa Quota Empreendimentos Imobiliários, afirmando que a obra “marca o retorno de São Paulo ao muralismo, uma tradição que foi um pouco esquecida”.

 

Entre os concorrentes, estavam nomes consagrados como Antonio Peticov, Rubens Gerchman, Gregório Gruber e Ivald Granato.  Klintowitz disse que a escolha foi dificílima pela qualidade dos trabalhos inscritos. O próprio premiado, Cláudio Tozzi, entusiasmou-se com a realização da obra e avisou: “Se a tendência for seguida, podemos transformar São Paulo em um grande museu planejado”. E o curador completou: “Desejamos que mais empresas incentivem outros artistas”.

 

O prêmio consistiu em R$ 40 mil, pagos a Cláudio Tozzi e a execução da obra chegou perto dos R$ 300 mil. Cinco empresas participaram da concorrência para a execução do mural e a vencedora foi a Oficina de Mosaicos, fundada há 15 anos pelas arquitetas Sônia Lorenz e Isabel Ruas. Esta última, além de realizar mosaicos é uma estudiosa do assunto. Sua tese de mestrado na USP versou sobre os painéis musivos na cidade de São Paulo entre 1945 e 1964, com destaque para as obras de Di Cavalcanti, Serafino Faro, Bramante Buffonni e Antônio Carelli. Atualmente, assumiu o controle da Oficina dos Mosaicos e continua avançando magistralmente na paixão que abraçou: a realização musiva. Além de muitas obras de sua exclusiva iniciativa, tem viabilizado outras de autores consagrados, sendo a última delas o painel que Portinari concebeu nos anos 50 e que ela traduziu em realidade ao final de 2008 no coração da Universidade Católica do Rio (PUC).

 

Para atender a tempo a encomenda relativa à execução do painel de autoria de Cláudio Tozzi, Isabel e Sônia contaram com a parceria de outra firma, a Mosaico Objeto de Arte, cujo proprietário, Sérgio Secches, também arquiteto, realçou a sintonia com a obra do artista: “Já conhecíamos sua técnica e aproximação de sua pintura com o mosaico pela vibração e síntese de cores”.

 

O projeto de Cláudio Tozzi consiste em um módulo de estruturas geométricas que emprega o azul como a cor dominante em diversas tonalidades e acaba por provocar diferentes leituras dependendo do ângulo visto pelo observador. Para cobrir a gama de 20 variedades de tons azuis foi necessário recorrer a cinco diferentes fornecedores de pastilhas vítreas.

 

tozzicolchahp.jpg

Ninguém passa pela área indiferente à obra e  Tozzi gostou do resultado. O artista defende há quase três décadas a integração da arte com a arquitetura, já tendo criado painéis e totens musivos bem como outras obras em áreas de visibilidade pública da cidade, como na Praça da República, na Barra Funda e, especialmente, na Estação da Sé, para onde concebeu a obra mural “Colcha de Retalhos”, um grande mosaico  executado com a colaboração do grande mosaicista Serafino Faro, que faleceu em 2003, aos 88 anos de idade.

 

Arquiteto formado pela FAU e professor de arquitetura da mesma instituição, Tozzi uniu a criatividade do artista ao construtivismo do ofício para perceber que o azul proporcionava o equilíbrio ambiental e cromático entre os prédios vizinhos. “O azul é para se fundir com o céu, sendo que suas variações sugerem a vibração da cidade”, ensinou.

 

O mosaico em toda a fachada do prédio da Avenida Angélica é, sem dúvida o de maior visibilidade, tanto por sua dimensão quando pela situação de destaque naquela via. Muito antes, no entanto, Cláudio Tozzi já empregava pastilhas vítreas em seus trabalhos no espaço urbano de São Paulo. É de 1980, o painel que fez para o Sesc Vilanova, sobre parede em concreto.

 

 

 

claudiotozzi.jpg

E  mais: em 2000 revestiu com pastilhas multicores um enorme cubo escultórico no Edifício Spazzio, em S. Paulo com 3metros e 40 cm de altura.

 

 

 

            

É preciso realçar ainda que toda essa opção de Tozzi por revestimentos vítreos empresta uma luz diferenciada às suas obras de caráter público nas últimas três décadas. E incendeia de emoções suas mensagens construtivistas, reinventando a geometria dos espaços arquitetônicos.
O artista não é mágico, mas suas peças proporcionam um clima de alegria, surpresa, espanto e encantamento, que alteram o humor de quem se defronta com seu domínio das cores e com a organização das pastilhas. Coisas de gênio.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

O PAINEL DO FORUM RUY BARBOSA

asstozzi5750hp.jpg

tozziforumhp.jpg

mosaicotozzi5758hp.jpg

A produção de painéis em mosaico realizada por Cláudio Tozzi parece multiplicar-se na mesma velocidade em que a cidade cresce. Quando a gente pensa que ele ainda está retocando um projeto, pode apostar que outro já está pronto. Foi o que ocorreu no momento em que os holofotes focalizavam para sua obra na Avenida Angélica e ele, placidamente, organizava um novo projeto no Fórum Trabalhista Ruy Barbosa, empregando outra vez pastilhas vítreas, novamente em tonalidades de azul, para colorir uma área no pavimento inferior de entrada para o auditório.

 

 

Como o foco deste site é direcionado exclusivamente para a presença de mosaicos no Brasil, não é o caso de abordar aqui a grande variedade e a vastidão da obra de Cláudio Tozzi em quase todos os demais domínios das artes visuais, sobretudo a pintura. Na verdade, sua pletora criativa  surpreende a cada minuto, entrando inclusive na casa da gente, como ocorre neste momento em que escrevo (2009), quando a novela da Globo, que domina o horário das 8 da noite, presenteia o público com um par de quadros do artista, colorindo o cenário  por trás dos atores que se desdobram entre o Brasil e a Índia.

 

tozziitalia1hp.jpg

Retornando ao mosaico, para nos mantermos nos propósitos dessa pesquisa,  não dá para ignorar aquela que neste momento parece ser a última obra elaborada em pastilhas pelo grande artista. Trata-se do painel que produziu mais recentemente para o Consulado da Itália em São Paulo, num reencontro formidável com a alma do povo italiano, com suas próprias raízes de formação, inquietação e genialidade.

 

(H. Gougon, maio de 2009)