Make your own free website on Tripod.com

O PIONEIRISMO DE CONGONHAS NA OPÇÃO PELO MOSAICO
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

O PAINEL MODERNISTA
DOS ARQUITETOS QUE CONSTRUIRAM O AEROPORTO DE CONGONHAS

Summary
Congonhas Airport, in downtown São Paulo, is one of the oldest airports in Brazil. To revet the Passenger Station, work began in the late 40s, architects Ernani do Val Penteado and Raymond A. Jehlen conceived a panel in mosaic, which became the trademark of the departure and landing lounge. The Airport has been undergoing some remodeling, all commanded by architect Sergio Parada, who became a reference in airport structural conception.

Foto de Roberto Stuckert, especial para o site
congonhasstuckert.jpg
Painel tem grande visibilidade no saguão de entrada do Aeroporto de Congonhas

Tal como ocorre nos espaços das estações de metrô, alguns aeroportos vêm abrigando obras musivas de qualidade em suas paredes, oferecendo aos usuários um visual mais sugestivo para contemplação e deleite. A razão é a mesma: os mosaicos em obras murais embelezam a área e não estabelecem barreiras ao fluxo de passageiros, além de prescindir de maiores esforços para manutenção e limpeza. No Brasil, os exemplos se multiplicam e aqui mesmo neste site são apresentados alguns casos de destaque, como o novo espaço do Aeroporto de Campina Grande (PB), inaugurado pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva em outubro de 2003, com uma obra projetada pelo teatrólogo Ariano Suassuna e executada pelo seu genro Guilherme da Fonte; e também o novíssimo Aeroporto Luís Eduardo Magalhães, em Salvador, com um mural em pastilhas concebido pelo artista Glauco Rodrigues, pouco antes de seu falecimento, ocorrido em meados de 2004.

REPARE BEM NA FIGURA OS NOMES DOS AUTORES
congonhas333.jpg
ERNANI DO VAL PENTEADO E RAYMOND A. JEHLEN

A estação de passageiros que foi pioneira no emprego de mosaico em sua decoração foi a de Congonhas, em São Paulo. Para revestir o vasto espaço interior da principal área de acesso nos anos 40, os dois arquitetos responsáveis pela obra – Ernani do Val Penteado e Raymond A. Jehlen – decidiram eles mesmos fazer o cartão para realização da obra em mosaico. A estação foi inaugurada a 26 de janeiro de 1954 pelo presidente da República, Getúlio Vargas, que ali encontrou, além do painel em pastilhas, uma pintura mural assinada por Clóvis Graciano e Di Cavalcanti, realizada no ano anterior para o Pavilhão de Autoridades. Esse painel foi restaurado há poucos anos e também contribui para enobrecer o espaço, que conta com mais uma dezena de obras artísticas, entre as quais uma escultura de Brecheret.

congonhas3.jpg

Ainda que o painel em mosaico seja uma obra pra lá de conhecida dos paulistanos, nenhum deles fica indiferente ao passar por ela. Trata-se de um mural intrigante que mistura elementos geométricos com outros signos, como máscara de carnaval, formando uma composição cromática vaga e delicada, que tem a capacidade de atenuar a característica monumental do altíssimo pé direito do saguão. O painel mantém um ritmo próprio e homogêneo, acompanhando a parede que sobe do subsolo à estação de passageiros.

congonhas44.jpg

É significativo que o painel continue íntegro e bem conservado, constituindo-se uma obra de época, dentro de uma concepção ao mesmo tempo modernista e com certo viés futurista que contribui para manter o charme característico do Aeroporto de Congonhas como local referencial e de convergência da vida de São Paulo. As transformações efetuadas no Terminal de Passageiros foram pequenas ao longo dos últimos 50 anos, mas nos últimos anos, toda a área aeroportuária passou por uma remodelação de peso, em grande parte conduzida pelo arquiteto paranaense Sérgio Parada, residente em Brasília e muito festejado pelas reformas que já implementou em outras capitais importantes, inclusive em Brasília, onde reside.

 

congonhas111.jpg

No caso brasiliense, as reformas de Parada são uma unanimidade na cidade, onde ninguém poupa aplauso à remodelação que implementou nos últimos anos, com o mínimo de desconforto para os usuários no período de obras. Deu uma cara nova, moderna, eficiente e de bom gosto ao Aeroporto Internacional de Brasília.

 

De qualquer forma, é importante deixar claro que as obras iniciaram-se com alguns enfrentamentos com a comunidade, que temia perder o aeroporto. O Movimento Defenda São Paulo, uma das ONGs mais respeitáveis do estado, conseguiu liminar paralisando as obras antes da virada do milênio, até que, em 2002, estabeleceu um acordo com a Infraero. Mas continua vigilante na defesa do uso aeroportuário de Congonhas e de seu significado como patrimônio cultural da cidade.  Em dezembro de 2004, a revista editada pelo Instituto Camargo Correa, empresa encarregada das obras no Aeroporto, garantia, na edição de número 27, que o arquiteto Sérgio Parada iria atender às reivindicações do Movimento. “Acolhendo as sugestões recebidas – afirmava a publicação –, o projeto de Parada buscou uma harmonia com os prédios do aeroporto,  o terminal de passageiros, iniciado em 1942, e a torre de controle, de 1951, que são importantes referências da arquitetura da cidade. Também se evitou o corte de árvores no canteiro de obras.”.

 

congonhas111.jpg