Make your own free website on Tripod.com

O mosaico no imaginário de Copacabana
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Mural de época, sem assinatura (uma pena)
copaserzedhp3.jpg
Fica em prédio residencial da Rua Serzedelo Correa

A arte do mosaico no imaginário dos habitantes de Copacabana

 

 

 

Embora esteja no cotidiano visual dos cidadãos de Copacabana, poucos são os que percebem o quanto a antiga arte do mosaico está presente na vida de sua gente desde a construção do calçadão ao longo da Avenida Atlântica, no início do século XX. Pois a mesma expressão plástica, em forma mais refinada, também ganha destaque nas paredes dos prédios que marcaram o processo acelerado de verticalização do bairro a partir da década de 40, coincidindo com a criação das primeiras fábricas de pastilhas cerâmicas e vítreas no Rio e em São Paulo.

 

As primeiras pedras para fazer calçamento no Brasil foram importadas de Portugal pelo prefeito Pereira Passos, que com elas pavimentou em 1905 os dois lados da Avenida Central (denominada Avenida Rio Branco a partir de 1912 como homenagem ao Barão do Rio Branco, falecido naquele ano). Além das pedras, o prefeito mandou trazer de Portugal os operários calceteiros para fazer o trabalho. Muitos deles permaneceram no Brasil onde constituíram famílias. As pedras vindas de Portugal eram calcita (branca) e basalto (negro), das quais o Brasil possui jazidas colossais, identificadas logo depois de sua importação, que nunca mais se repetiu. Mas a denominação “pedra portuguesa” ficou. Obviamente, em Portugal não a chamam assim. Em algumas regiões são conhecidas por “pedra pequena”, que traduz a expressão “petit pavé” dos franceses e que é também empregada, na forma estrangeira, pelos brasileiros da região sul, especialmente os catarinenses e gaúchos.

 

Na Avenida Atlântica, a primeira calçada da orla não apresentava a sensualidade das ondas que iriam tornar-se logotipo internacional do bairro a partir dos anos 40. Era apenas uma repetição de desenhos trazidos pelos mestres calceteiros, semelhantes a outros já existentes em Lisboa. É interessante estudar a diferença a partir de uma foto clássica da marcha dos 18 do Forte, ocorrida a 5 de julho de 1922, exibida aqui no site, registrando um momento emocionante da história brasileira. Ao lado dos tenentes rebelados, vê-se o traçado de curva pouco acentuada da calçada, única testemunha do massacre que as forças governistas perpetraram nas areias de Copacabana, datando o nascimento do movimento tenentista que iria marcar a vida político-militar do país por décadas.

 

As muitas ressacas que se seguiriam após os anos 20 exigiram reformas sucessivas no piso de calçada que logo ganhou curvas mais acentuadas, algumas vezes perpendiculares ao movimento das ondas, que pretendia imitar, outras reproduzindo-as paralelamente, como convém. O modelo foi mantido ao longo das últimas décadas, consagrando-se ao final dos anos 60  quando Roberto Burle Marx foi chamado a dar nova cara aos espaços pavimentares resultantes da duplicação da pista.

 

O paisagista preservou as curvas da orla, aguçando suas dimensões para que ganhassem ainda mais visibilidade e inovou no canteiro central e junto aos edifícios com a introdução de pedras vermelhas, com as quais tirou grandes efeitos plásticos, que sugerem inspiração nos traços artísticos dos desenhos das tribos indígenas brasileiras, especialmente os Kadiweu, exímios coloristas de objetos cerâmicos.

Outro mosaico em Copacabana sem assinatura...
copanaoseihp.jpg
Quem souber o autor, por favor me comunique!!!

Nos prédios nascentes dos anos 40 e 50, as construtoras trataram de “vender” aos cariocas o gosto pela maneira de viver em apartamentos, uma característica própria do século XX.  Para valorizar os prédios, artistas modernistas foram convidados a realizar obras parietais nos pavimentos térreos capazes de emprestar um certo charme aos empreendimentos. Nomes como Athos Bulcão, Lygia Clark, Douglas Marques de Sá, e sobretudo Paulo Werneck surgem nesse novo espaço, oferecendo obras em pastilhas que sugerem uma arte vistosa, colorida, surpreendente e facilitada pelo surgimento de peças de revestimento que então cobrem os novos edifícios residenciais de Copacabana.

 

A arte parietal dos mosaicos, porém, não iria durar muito e já na década de 70, esta linguagem plástica saiu de moda e muitos prédios chegaram mesmo a retirar as obras construídas com pastilhas. Quem agiu dessa forma, perdeu. O mosaico voltou a ser procurado a partir dos anos 90 por artistas renomados como Glauco Rodrigues, Tomie Ohtake, Cláudio Tozzi, Amélia Toledo e muitos outros por todo o país. A revalorização da arte abre hoje um novo espaço até mesmo para a pedra portuguesa, que estava restrita às calçadas e que começa a verticalizar-se, subindo as paredes, como se observa nos postos de gasolina ao longo da Avenida Atlântica. É um novo espaço que se abre para a arte e para a vida, ganhando destaque e visibilidade em Copacabana, que ainda guarda painéis exemplares de uma época de ouro do mosaico, exigindo um trabalho de resgate e mapeamento dos exemplares remanescentes, modelados por artistas-artesãos conectados com uma arte milenária, capaz de emocionar, comover e revelar uma das principais expressões estéticas que moldou o nascimento do bairro.

 

Obra é da artista Noemia Guerra, uma preciosidade
copasemass.jpg
Infelizmente, a artista não assinou a obra (nem datou)

Dentre todas as obras parietais que decoram fachadas ou interiores de prédios em Copacabana, uma delas traduz uma singularidade que merece um estudo apropriado devido à construção cromática das tesselas que não encontra paralelo em nenhum outro logradouro público da cidade. Trata-se de um painel multicolorido, de difícil realização, executado na fachada de um prédio no Posto Seis, precisamente na Av. Raul Pompéia, 131, esquina com Júlio de Castilho. A obra é expressiva e revela grande domínio do uso de cores, mas infelizmente não está assinada.
O nome da artista é Noemia Guerra, segundo informação transmitida por uma das moradores do prédio, que vem a ser sua sobrinha. Nascida em 1920, Noemia teve uma vida inteira dedicada às artes, especialmente em Paris, onde viveu por longos anos, mas antes de mudar-se para a cidade-luz, percorreu um caminho artístico no Brasil, fazendo ilustrações para livros (um deles é o livro infantil "Tangará conta Histórias", redigido pelo escritor Olegário Mariano).  Nos anos 60, Noemia Guerra participou por duas vezes da Bienal de São Paulo, em 1963 e em 1967. Em seguida foi morar na França, onde participou de muitas exposições, algumas coletivas, outras individuais. Ainda hoje é possível encontrar seus quadros no acervo de galerias européias. Seus trabalhos guardam características figurativas que remetem às obras dos grandes pintores do movimento modernista brasileiro, mas possuem também um acento pessoal que cultivou e aprimorou em sua estadia no exterior. Noemia conseguiu notoriedade e fez parte de entidades francesas ligadas ao mundo das artes e da cultura. Infelizmente veio a falecer no início de 2007 pouco tempo depois de seu retorno ao Brasil, após décadas de intensa atividade artística na Europa. Como o painel de sua autoria é exuberante e fornece uma verdadeira aula de composição cromática em pastilhas vítreas, seria de grande valia que houvesse uma pequena placa no local informando a data da obra e o nome da autora em face do grande interesse que desperta. Afinal, o painel desperta emoções e enriquece o visual da área, mexendo com os sentidos estéticos dos moradores do bairro.

Infelizmente, muitas dessas obras remanescentes permanecem sem assinatura. Aqui e ali é sempre possível redescobrir um painel de Paulo Werneck, esse gigante do mosaico no século XX. Em boa parte de sua produção musiva, o artista deixou as letras PW inscritas no painel. Em alguns poucos esqueceu de assinar, mas seu estilo é sempre inconfundível.

 

Mas nem todos os murais guardam assinatura e fica difícil situá-los até  no contexto temporal em que se inscrevem. A verdade é que os painéis em mosaico estão ali para serem vistos e admirados. Alegram a vida e entram na alma dos habitantes de Copacabana, surgindo assim  por toda parte, sem pedir licença, como uma tatuagem esquecida que marcou a vida do bairro para sempre. E para sempre vale a pena ver de novo.

Obra assinada de Paulo Werneck na Dias da Rocha
copadrochahp.jpg
Paulo Werneck, o maior artista do mosaico no sec. XX

No cantinho, repare a assinatura do autor: PW
copapwassdrocha.jpg
PW, um autêntico Paulo Werneck!

pedras3333.jpg

Em muitas páginas aqui deste site há abordagem sobre a importância de Roberto Burle Marx na construção do mosaico brasileiro. Em página específica enfoquei suas obras em pastilhas vitreas, sempre muito esquecidas pela crítica e pelos estudiosos de suas obras. Em outras páginas, há informações sobre sua vasta contribuição no mosaico-calçada, especialmente na orla de Copacabana. Nela, Burle Marx manteve o desenho original das curvas já existente desde o primeiro calçamento da Av. Atlântica, em 1906, pelos calceteiros portugueses. Apenas sensualizou as curvas até onde permitia a largura da calçada da orla. Na calçada central, que reparte as duas pistas, Burle Marx deixou fluir todo o potencial de sua criatividade, assim como na calçada junto aos prédios da Avenida. Vale apreciar. (Gougon, agosto 2009)

pedras989.jpg