Make your own free website on Tripod.com

Freda Jardim, a luz por trás das pedras
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

 

Freda: a mosaicista brasileira que encantou os italianos

Obra de FREDA JARDIM no Espaço cultural da CEF
fredacaixahp.jpg
Obra encontra-se no Rio de Janeiro, no Centro, no primeiro piso do Espaço Cultural da Caixa.

 

Muitos autores estrangeiros costumam definir a arte do mosaico como “uma arte essencialmente romana” pelo tanto que os romanos a usaram e difundiram pelos quatro cantos de seu vasto Império. É natural, pois, que a arte permaneça muito viva na Itália e ali continue cultivada, seja através de restaurações do patrimônio musivo na península seja por meio de criações contemporâneas, sempre originais e impactantes.


Sendo assim, é ainda mais surpreendente que uma mosaicista brasileira, Freda Cavalcanti Jardim, tenha se destacado justamente em Ravenna, berço da criação artística bizantina, tornando-se uma referência para seus colegas italianos.


Nascida no Ceará em 1926, Freda formou-se em Estatística no Rio de Janeiro, mas sua alma inquieta logo a expeliu do mundo dos números. “Aprendi a dançar antes de aprender a andar”, dizia. Em 1955, com uma bolsa de estudos, foi parar em Ravenna, onde se encantou com o mundo dos mosaicos, do qual nunca mais se despegou. De volta ao Brasil ao final dos anos 60 fez uma releitura da arte bizantina e a adaptou à moda brasileira, agregando vidros, cristais, granitos e outros materiais oferecidos pela generosa pletora mineral de nosso país.


 

Lecionou por quase uma década em Universidades privadas do Rio de Janeiro, como Santa Úrsula e Bennett, transferindo-se então para Vitória, no Espírito Santo, onde expandiu sua arte, seu círculo de amizades e seu compromisso com o mosaico, encontrando campo fértil na pesquisa e no emprego de pedras decorativas, especialmente os mármores capixabas.


Convidada a trabalhar na Universidade Federal do Espírito Santo, juntou-se a outros profissionais igualmente envolvidos com a atividade musiva, como o professor Raphael Samu, um dos principais expoentes brasileiros na arte das tesselas, e trabalhou na criação de um Centro de Artes por onde passaram várias gerações de artistas plásticos. Logo conquistou os capixabas, com suas obras estranhas, em que tirava partido das propriedades inquietantes dos cristais e de outras pedras brasileiras para deixar passar a luz.


Ainda que residindo em Vitória, participou da fundação da AIMC, a Associação Internacional do Mosaico Contemporâneo, em 1980, com sede na Itália. A entidade reúne o que há de mais expressivo e conseqüente no mundo do mosaico contemporâneo e se pauta por um estreito compromisso com o crescimento da arte e sua renovação artística. No segundo semestre do ano 2000, Freda levou ao VII encontro internacional da entidade, realizado em Ravenna, um grupo de discípulos e seguidores. No congresso, exibiu aos mosaicistas europeus o enorme potencial oferecido pelo Espírito Santo, como principal pólo exportador de mármores e outras pedras exóticas brasileiras, convencendo-os a realizar em Vitória a VIII reunião internacional – um evento que se realiza de dois em dois anos.


Aceito o desafio pelos europeus, Freda retornou ao Brasil para organizar o Congresso antes do ano acabar, mas veio a falecer 40 dias após sua chegada. Da tristeza do luto seus alunos passaram à determinação de realizar o evento, até mesmo como forma de homenageá-la postumamente. O grupo que vicejou a sua volta mostrou garra e força de vontade para cumprir as responsabilidades assumidas por Freda.


Compareci ao certame no segundo semestre de 2002 e posso dizer como fiquei encantado com a organização, o empenho e a expressão de carinho dos artistas formados pela artista. “Arregaçamos as mangas e demo-nos as mãos e assim nasceu, das cinzas vivas de Freda, o Grupo Fênix de Mosaico e a Associação Brasileira de Mosaicistas (ABM), com o objetivo principal de continuar a difundir a arte musiva e criar o memorial Freda Jardim”, assinala um texto produzido por uma de suas discípulas e herdeira artística, Myriam Pestana, de quem colhi dados para compor esta nota.


Além das delegações de vários estados brasileiros, compareceram artistas do mosaico de todas as partes do mundo, inclusive os dirigentes da igualmente poderosa Sociedade Americana de Artistas do Mosaico (SAMA), Sonia King e George Fishman. Tive também o grande arrebatamento de conhecer no Congresso a mosaicista Ilana Shafir, uma iugoslava octogenária, que vive em Israel e é responsável por uma linha de produção musiva absolutamente nova e revolucionária, o “mosaico espontâneo”. Mas isto é assunto para outro capítulo, já que a matéria é vasta como a alma da artista.


Obra de FREDA JARDIM no Itamaraty em Brasília
fredaitamaraty1hp.jpg
Peça encontra-se no piso térreo, na entrada da Assessoria de Imprensa

 


Enquanto esteve na Itália, Freda deixou inúmeras obras por lá, tanto em Museus como em áreas públicas. No Chile, implantou um painel na sede regional da ONU, realizado em seu ateliê em Vitória e transportado até Santiago. Em Portugal, executou um painel para a empresa Grão Pará, em Lisboa, e outro para o Hotel Hollyday Inn, na Ilha da Madeira. No Brasil, também não são poucas suas obras ocupando espaços importantes em prédios públicos e particulares. Há um mural de sua autoria no pavimento térreo do Palácio Itamaraty, em Brasília, realizado em 1969, sem qualquer sinalização de sua autoria; e dois painéis para o prédio do antigo BNH, no Rio de Janeiro, executados em 1971. Depois da extinção do BNH, o prédio passou abrigar o Centro Cultural da Caixa Econômica Federal, na Avenida Chile, centro do Rio.

Obra permite a passagem da luz através das pedras
fredacomluz2.jpg
FREDA escolhia cristais de rocha e outras espécies minerais capazes de permitir a passagem da luz

O descuido deixa tinta em parte da obra de FREDA
fredadetalhe2.jpg
Uma lástima, mas a verdade é que os diplomatas não se tocam com a obra da artista Lamentável

DETALHE: a obra se denomina A TERRA É AZUL
fredadetalhe3.jpg
Foi criada logo após o vôo solitário e pioneiro de Yuri Gagarin ao espaço

Enter supporting content here