Make your own free website on Tripod.com

A destruição de um painel de Paulo Werneck no Rio

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

A segunda morte de Paulo Werneck

pwerneckhp1.jpg

A segunda morte de Paulo Werneck

 

Num dos Sermões do Padre Vieira, que já não consigo localizar, prendeu-me certa feita uma argumentação em que assumiu a tarefa de desfazer o que parecia ser uma contradição dos textos bíblicos. João Batista dissera que Cristo era a reencarnação do profeta Elias, mas em outra passagem o próprio Cristo negava que fosse Elias. O que parecia um nó indissolúvel foi desfeito por Vieira com um raciocínio simples, segundo o qual o filho de Deus era e não era Elias. Não era porque se tratava de outra pessoa, mas era Elias porque um homem não é apenas o que é, mas é também aquilo que faz. E Cristo fazia as mesmas coisas que Elias.

O sermão me veio à mente agora para compreender o que acaba de ocorrer no Rio de Janeiro, onde, sem qualquer aviso, sem qualquer preparo, sem qualquer respeito, sem o mínimo de sensibilidade, uma única pessoa colocou abaixo um painel em pastilhas, realizado no final dos anos 40, pelo artista plástico Paulo Werneck.

Entendi o acontecido como uma segunda morte do artista, falecido há 20 anos, depois de uma vida inteira dedicada às artes, com grande destaque para obras musivas, como, por exemplo, a que fez na Pampulha, ora passando por reforma a cargo da Fundação Roberto Marinho.

Como dizia o Padre Vieira, o homem é aquilo que faz e Paulo Werneck fez muito. Realizou dois painéis para o Maracanã à época da Copa do Mundo, em 1950 (infelizmente já desaparecidos), fez obras de arte de toda espécie para uma centena de agências do Banco do Brasil espalhadas pelo país inteiro (restam poucas dessas obras), realizou um mural na sede do antigo Banco Boavista, no Rio, ao lado da Igreja da Candelária, que continua íntegro, mesmo estando voltado para a calçada. Realizou dois painéis para o Edifício Marquês de Herval, na Avenida Rio Branco, que é o primeiro prédio modernista do centro da cidade (obras bem preservadas). A convite de Oscar Niemeyer, de quem foi companheiro de banco de escola, participou da maior parte das empreitadas modernistas, desde a Pampulha, nos anos 40, passando pelo Colégio Municipal de Cataguases, e chegando a Brasília, onde suas obras ainda podem ser vistas no Itamaraty, no Senado Federal, no prédio da extinta Telebrás (hoje ocupado pela Anatel) e até na fachada do BRB, Banco de Brasília, no Setor Bancário Sul. E ainda tinha que fugir da polícia porque era militante comunista desde muito jovem.

Deixou uma prole ilustre, da qual destaco sua filha Regina Yolanda Werneck, festejada autora de livros infantis (alguns dos quais com ilustração de Jô de Oliveira), e a neta, a jornalista Paula Werneck Saldanha, que mantém há 26 anos um programa televiso chamado Expedições, que mostra o Brasil para os brasileiros.

pwerneckhp4.jpg

No último domingo, dia 3 de outubro de 2004, enquanto os brasileiros votavam, um grupo de pedreiros festejava o final de uma demolição na Rua Belisário Távora, 221, em Laranjeiras, bairro residencial do Rio. A casa fora vendida para dar lugar a uma construção vertical acima dos padrões da área. Tudo fora posto a pique, menos um painel que ornava  o muro divisório entre a antiga casa e um dos prédios vizinhos. Tratava-se de mais uma obra de Paulo Werneck.

Temerosa de que os pedreiros fossem demolir a peça, uma companheira mosaicista do Rio de Janeiro me enviou mensagem pela manhã comunicando a situação. Cuidei de avisar uma neta do artista, Cláudia, irmã de Paula Saldanha. A moça tem lutado valentemente pela preservação da obra do avô e já conseguiu o tombamento de pelo menos três murais no Rio de Janeiro através do Departamento Municipal do Patrimônio Cultural. Cláudia Werneck deslocou-se até o local da demolição, onde encontrou o antigo proprietário da casa demolida, um energúmeno chamado Canela que, com a arrogância própria dos ignorantes, alegou que iria retirar na marra o painel e transportá-lo para outra residência de sua propriedade. De nada adiantou a argumentação da neta do artista, assinalando que uma obra dessa envergadura não poderia ser retirada por qualquer pessoa, sobretudo desqualificada.

O Sr. Canela passou os últimos três dias pondo a pique o painel e terminou hoje sua empreitada macabra! Não resta mais nada a fazer a não ser lamentar por mais esta perda de uma obra de arte.Exibo aqui as últimas fotos do painel, que nunca mais poderá ser visto na sua integridade. As fotos foram obtidas no último domingo pela companheira do Rio de Janeiro. Cheguei a enviar carta ao jornal O Globo no próprio domingo, buscando alertar a mídia para a questão. Foi em vão. O jornal do dia seguinte tratou quase unicamente da vitória estrondosa do prefeito César Maia. Também procurei um amigo influente do IPHAN, de Brasília, que me alertou: “Se a peça não estiver tombada não há nada a fazer”.

Paulo Werneck morreu outra vez.

 

pwerneckhp2.jpg