Make your own free website on Tripod.com

Arthur Bispo do Rosário, colecionismo e transformação: mosaico
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Arthur Bispo do Rosário, o mosaico da sobrevivência

Quem se interessar pelos estudos críticos da obra de Arthur Bispo do Rosário produzidos após sua morte, em 1989, vai verificar que neles se repetem expressões como assemblage de materiais, agregação de resíduos, coleção de peças, ordenação de objetos, acumulação de cacos, obsessão de reunir detritos, etc... 

32620005.jpg

São expressões que definem atitudes características do universo próprio da realização do mosaico e não diferem em nada dos textos de apreciação crítica que comparecem nos estudos sobre a compulsão de artistas solitários, geralmente pobres, como o salineiro Gabriel dos Santos, construtor da Casa da Flor, em São Pedro da Aldeia, que passaram a vida coletando peças inúteis encontradas à sua volta e dando-lhes novo significado. Tiveram também seu reconhecimento após a morte, comparados algumas vezes com artistas do mosaico, cuja atividade envolve atitudes paralelas, como a procura de pedaços ou partes inúteis da matéria, qualquer que ela seja (vidro, cerâmica, azulejo, mármore, granito ou qualquer outro material sólido) para dar-lhes um terceiro significado, resultante do ordenamento dos pedaços.

32620016.jpg

A questão do colecionismo como obra de arte e a compulsão neste sentido tornaram-se hoje objeto de estudos teóricos sobre esse fenômeno que tem em Arthur Bispo do Rosário uma figura emblemática pelos impulsos interiores que o levaram a colecionar as poucas e pobres peças a seu redor, dando-lhes um outro significado plástico, reconhecido e glorificado nas tendências atuais da arte contemporânea.

 

foto543bispoconfetes.jpg

Dentre os estudos teóricos dessa vertente, vale consultar artigos disponíveis na Web, como por exemplo:

1)As Obras de Arthur Bispo do Rosário; ensaio fenomenológico1, Latife Yazigi2. USP;

2) Colecionismo e Arte em Arthur Bispo do Rosário, de Márcio Seligmann-Silva;

3) Apropriação na arte contemporânea: colecionismo, de Virginia Cândida Ribeiro, mestranda do programa de Pós Graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes da UFMG;

4) A  Epistemologia e o Espírito do Colecionismo, anais de um colóquio em Porto Alegre, ocorrido em 2005,  com este tema.

 

Virginia Cândida Ribeiro chegou a catalogar alguns artistas destacados da arte contemporânea nacional que optam ou optaram pela prática do colecionismo para ordenar as peças de tal maneira que o conjunto delas implica um novo significado artístico. O primeiro nome da extensa lista é Farnese de Andrade, que em sua última fase produtiva colecionava peças variadas de bonecas com rostos angelicais e outros adereços para colocá-las em “altares” pintados e envernizados, emprestando-lhes nova representação ética e estética.

Para Virgînia Cândida Ribeiro, a mesma atitude é comum aos artistas Rosângela Rennó, Elida Tesler, Lótus Lobo, Nelson Leirner, Maria Ramiro, Adriana Boff, Fabiana Passarola, Walmor B. Correa, Virgínia de Medeiros, Paulo Gaiab, Mabe Bethônico, Oriana Duarte. Todos esses, segundo seu testemunho, “fazem ou fizeram da apropriação e da prática de colecionar os elementos estruturais de suas respectivas práticas poéticas”.

 

foto547bisposapatos.jpg

Tais estudos têm em comum a tentativa de elaboração teórica do universo de Arthur Bispo do Rosário, que foi um caso bem específico e notório por sua exacerbada criatividade e também pelo contraste representado pelas enormes limitações que lhe foram impostas desde que se tornou interno da Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, onde passou a maior parte de sua vida, após ser diagnosticado, em 1938, como esquizofrênico-paranóide e tratado com eletro-choque.

 

Sua história é hoje bem conhecida: nascido no interior de Sergipe, em 1909, mudou-se para o Rio de Janeiro em 1925, tornando-se aprendiz de marinheiro. Deixou a Marinha depois de oito anos de serviços embarcados, vindo a ocupar-se como empregado doméstico da residência de um advogado abastado da cidade. Às vésperas do Natal de 1938, começou a ter visões. Dizia ver cortejos de anjos que lhe anunciavam missões celestes. Procurou igrejas e conventos, que lhe redirecionaram para clínicas e hospícios. Nessa trajetória, acabou no manicômio de Jacarepaguá, onde sua penúria só não foi maior porque aprendera a lutar boxe na Marinha, o que permitiu impor um certo respeito entre os demais internos.

bispoferros.jpg

Os desenhos, as pinturas e as esculturas foram as linguagens mais empregadas pela maioria dos internos. Mas Bispo do Rosário fez seu próprio caminho. Criou objetos a partir de outros objetos, exatamente como se faz na arte do mosaico. Reuniu, agregou, juntou, colecionou e ordenou pedaços, lixos, detritos, sobras, botões e ornamentos, todos eles costurados sobre algum suporte têxtil. O procedimento acabou por colocá-lo mais próximo do universo de criações contemporâneas, o que explicaria o interesse especial que sua obra desperta hoje. É uma situação no mínimo instigante: a linguagem que o coloca num patamar de vanguarda é a mesma que está na base da realização artística primordial no processo civilizatório, que ocorre mediante a coleta de conchas, de penas de ave, de pedras e outros recursos rochosos.

bispo1.jpg

Dentre os objetos mais vistosos produzidos por Arthur Bispo do Rosário e que mais atraem a atenção dos críticos, encontra-se o chamado “Manto da Apresentação”, uma indumentária que executou durante boa parte de sua vida de interno e com a qual pretendia vestir-se na hora de apresentar-se a Deus. Também aí, há elementos mais do que suficientes para análise do procedimento arquetípico, que é a idéia de vestir os mortos com sua melhor roupa, uma mortalha de luxo, uma espécie de “agasalho para a travessia”. Infelizmente, não pôde vesti-lo na hora da travessia. A peça tornou-se obra referencial para as artes plásticas brasileiras e foi tombada pelo serviço de patrimônio estadual, juntamente com as demais peças de Jacarepaguá. Muitas delas saíram de lá nos anos 90 para uma tournée promovida pelo Centro Cultural do Banco do Brasil, que mereceu muitas análises e comentários de críticos e curadores, alguns deles traçando paralelismos inquietantes entre as obras de Bispo e as de Marcel Duchamp, realizadas algumas décadas antes.

foto542bispomonumentose.jpg

foto54.7arthurbisporosariojaparatuba.jpg

    A grande ironia que fecha esse comentário está ligada aos restos mortais de Arthur Bispo do Rosário, que foram levados para sua terra natal, Japaratuba, em Sergipe. Sobre a lápide, seus conterrâneos confeccionaram uma escultura de corpo inteiro, sobre uma base vistosa, decorada com... mosaicos de cacos cerâmicos.

Enter content here

Enter supporting content here