Make your own free website on Tripod.com

Calçadas Musicais, o grande samba da Vila

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

clavesolhp.jpg

A VILA NÃO QUER ABAFAR NINGUÉM, SÓ QUER MOSTRAR QUE FAZ CALÇADAS TAMBÉM

FEITIÇO DA VILA
NOEL ROSA

João Batista Vianna Drumond, o Barão de Drumond, natural de Minas Gerais, entrou para a história do Brasil por ter criado o jogo do bicho, uma contravenção centenária que se espalhou por todo o território nacional, a partir do Rio de Janeiro, onde o aristocrata do Império morou a maior parte de sua vida. Mas o jogo do bicho não nasceu como contravenção. Muito ao contrário, o Barão foi o responsável pela formação do primeiro Jardim Zoológico da cidade e, para estimular a visitação ao local onde foi instalado, criou uma loteria premiando quem havia comprado ingresso para ver os bichos. O que fizeram depois com isso é outra história.

 

ERNESTO NAZAREH
enazareh2hp.jpg
APANHEI-TE CAVAQUINHO

A visão empresarial do Barão exibe seu descortino a partir de 1871, quando manifesta interesse na exploração da Fazenda do Macaco, uma área que Dom Pedro I presenteara a sua segunda esposa, a Imperatriz Amélia de Leuchtenberg, uma princesa bávara, neta da Imperatriz Josefina, mulher de Napoleão. Logo, o Barão obteve concessão para instalar uma linha de ferro carril ligando o centro da cidade do Rio de Janeiro às terras da fazenda. Conseguida a concessão, foi ainda mais longe: propôs à Corte a compra da fazenda com a intenção de fazer ali um bairro novo – a Vila Isabel –, nome escolhido em homenagem à filha do Imperador Dom Pedro II.

 

Uma companhia urbanizadora foi criada pelo Barão, que decidiu fazer da Vila um bairro de linhas modernas semelhantes às de Paris. Um grande eixo foi traçado em forma de avenida, arborizada no centro. Assim nasceu o Boulevard 28 de Setembro – Boulevard por ser uma avenida de estilo francês e 28 de Setembro por ser o dia em que a Princesa Isabel assinou a lei do Ventre Livre, que tornava livres todos os filhos de escravos nascidos a partir daquela data.

 

ARY BARROSO
aquarelaaryhp.jpg
AQUARELA DO BRASIL

 

Deve-se ao arquiteto Orlando Madalena a idéia genial, lançada em 1964, de construir em Vila Isabel, berço do samba, as chamadas “calçadas musicais", a pretexto de continuar as comemorações do quarto centenário da cidade do Rio de  Janeiro.

 

Era uma idéia simples, mas de uma originalidade sem limites: desenhar com pedras portuguesas, nas calçadas do bairro, as pautas musicais dos autores que marcaram época na música popular brasileira até então, a começar por Chiquinha Gonzaga e com destaque especial para Noel Rosa, o grande compositor da Vila.

ORESTES BARBOSA
silviocorestesbchohp.jpg
CHÃO DE ESTRELAS

O que não faz uma idéia! E pensar que tudo começou quando o arquiteto apresentou a proposta em uma reunião do Lions Clube de Vila Isabel e ela foi logo aprovada por unanimidade. Logo se formou uma comissão de trabalho, que deu ao compositor "Almirante" a incumbência de selecionar as músicas, ao maestro "Carioca" a missão de simplificar as partituras e ao arquiteto Hugo Ribeiro a elaboração do projeto decorativo das calçadas. Depois, foi só procurar a  Prefeitura carioca, que assumiu o projeto e entrou com as pedras e os calceteiros – esses ilustres anônimos que tanto deram de seu esforço e talento para moldar nas calçadas brasileiras as melhores páginas da arte musiva nacional.

 

Vale uma visita ao local, que é um espaço riquíssimo e de grata memória do Rio antigo. E relembrar Chiquinha Gonzaga: “Ó abre-alas, que eu quero passar”.

 

JURA
jurasinhhp.jpg
SINHÔ