Make your own free website on Tripod.com

Borba Gato, obra de Júlio Guerra na entrada de Santo Amaro
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Artist Júlio Guerra, native of São Paulo, became known in the city for a polemic sculpture he made at the entrance of the Santo Amaro neighborhood, depicting a figure of bandeirantes Borba Gato, all covered by mosaics of hard stone and marble. The work divides the residents of São Paulo: many despise it; others are happy with its many colors; and others criticize the homage to the bandeirante Borba Gato, an explorer who captured indians to make them his slaves.

Falsas esmeraldas, pedras de basalto e mármore de verdade

borbagato22.jpg

SUMMARY:

 

Julio Guerra became well known in São Paulo because of a polemic sculpture he made at the entrance of Santo Amaro estate, in which he portrays the legendary Borba Gato, an explorer of the colonial Brazil who belonged to a group called “Bandeirantes”. He got famous for discovering emerald and gold mines.  The statue is covered with mosaic of hard stone and marble.  Some people hate the statue, some people love it for its profusion of colors, and others criticize the homage for the fact that the explorers use to capture Indians in order to enslave them.

 

foto25.3.borbagato.jpg

O bandeirante Fernão Dias Paes tinha já 63 anos em 1671, quando foi convidado a chefiar uma expedição cujo objetivo era o de procurar esmeraldas nos sertões brasileiros. A bandeira só partiu três anos depois e dela faziam parte seu genro, Borba Gato, 40 brancos, na maioria portugueses, além de muitos índios. A bandeira dirigiu-se até a cabeceira do Rio das Velhas, em Minas, e daí seguiu para além do Vale do Jequitinhonha (MG), uma travessia marcada por muitos conflitos e lutas no interior do grupo. Sete anos depois, o bandeirante encontrou as pedras verdes que tanto buscava, mas, doente e exausto, morreu sem se dar conta de que não encontrara esmeraldas, mas apenas turmalinas, sem valor comercial.

 

Borba Gato, seu genro, prosseguiu na vida errante das bandeiras, sempre desbravando o sertão indomável, preando índios e fundando arraiais que mais tarde se tornariam vilas e cidades. Sua história é ainda mais confusa que a do sogro, envolve disputa de poder, assassinato e fuga. Recuperou o prestígio porque encontrou ricas jazidas de ouro, cujo segredo de localização trocou pelo perdão e por favores do Rei.

julioguerra2.jpg

Seus restos mortais repousam em Paraopeba, antigo arraial de entrada para os sertões mineiros, mas é em São Paulo que o paulista Manoel Borba Gato é reconhecido por sua condição de bandeirante e desbravador. Foi ele o primeiro a descobrir ouro no Rio das Velhas, local das legendárias minas de Sabarabuçu.

 

Mais de dois séculos depois do feito, o artista Júlio Guerra, morador antigo do bairro de Santo Amaro na cidade de São Paulo, homenageou-o com uma escultura em concreto armado recoberta com tesselas de basalto e mármores, formando um mosaico tridimensional, sugestivo e multicor. A obra foi erigida em 1962, na entrada do bairro, na confluência das avenidas Santo Amaro e Adolfo Pinheiro.

julioguerra3.jpg

 A escultura logo se tornou uma obra polêmica. A revista Veja concedeu-lhe um “prêmio de feiúra”, argumentando que a obra “simboliza a volta de Borba Gato à cidade depois de ter passado vinte anos escondido pelo interior do estado”. E também questiona a reverência aos atos praticados pelos bandeirantes. A publicação cita um rapper da cidade que, segundo a revista, argumenta o seguinte: “O cara mata um monte de índio e ainda fazem uma estátua para ele?”.

 

Mas nem todo mundo compartilha do mesmo sentimento. O apresentador e comediante Jô Soares assume: “Adoro essa obra. Não entendo porque a acham horrível.”.

Detalhe da mão do Bandeirante
borbagato223.jpg

O artista Júlio Guerra, autor da escultura, faleceu em 2001 aos 89 anos de idade. É reconhecido como um dos moradores mais ilustres de Santo Amaro. Estudou Belas Artes e trabalhou com Brecheret na execução da estátua em homenagem a Duque de Caxias. Guerra também é autor de diversas outras obras de caráter público, uma das quais,  a “Mãe Preta”, feita em bronze, foi colocada no Largo do Paissandu, ao lado da Igreja de Nossa Senhor do Rosário dos Pretos. O Centro de Tradições de Santo Amaro inaugurou um espaço cultural com o seu nome, a estátua musiva de Borba Gato passou por grande limpeza e reforma por conta dos festejos de 450 anos de São Paulo e Júlio Guerra tornou-se nome de rua do bairro. No carnaval de 2004, a Escola de Samba Rosas de Ouro desfilou com o tema “Monumentos paulistanos”, inspirando-se em diversas obras históricas e artísticas da cidade, entre as quais duas de Júlio Guerra, precisamente a obra em bronze “Mãe Preta” e a  escultura  de Borba Gato em mosaico.

 

julioguerra4.jpg

O mosaico do Mosaico de Júlio Guerra: uma metalinguagem de Borba Gato concebida por um  Oficial da PM paulista

mosaicom10w.jpg

Partiu do Major Galdino, da Polícia Militar de São Paulo, a iniciativa brilhante de  produzir um mosaico do mosaico que realizou Júlio Guerra, retratando a figura do bandeirante e desbravador Borba Gato.

A obra é  duplamente auspiciosa: primeiro, porque o objetivo de sua realização parte da idéia de que o mosaico, como peça de arte,  ajuda a suavizar a dura rotina dos policiais-militares nesse tempos difíceis de violência urbana. E em segundo lugar, mas não menos importante, porque se trata de uma metalinguagem na medida  em que usa a linguagem das pastilhas para abordar uma outra obra feita em pastilhas. É como uma nova leitura com as mesmas letras, mas formando novas palavras e gerando novos significados.

Dessa forma, o novo painel, que está localizado numa área de descanso da Unidade Militar, se presta também  a uma discussão tanto do significado da obra do bandeirante, quanto da escultura que dele fez Júlio Guerra. Permite também uma nova interpretação de ambas feita pelo oficial da PM. Enfim, é como um aprendizado dentro do outro, que vai se desdobrando de acordo com a conveniência de cada época.

Neste sentido, além de muito bem produzido técnicamente, o novo painel da corporação inova no que se refere à sua perspectiva artística, abrindo-se para novas interpretações ao mesmo tempo em que se vincula a uma figura-símbolo do bairro, o bandeirante Borba Gato. Para sua execução, o oficial da Policia Militar foi buscar o auxílio do artista plástico Sérgio Secches, um experiente mosaicista, cujo nome ficou para sempre consagrado pela epopéia da qual participou ao lado de Izabel Ruas Pereira Coelho e de Sônia Lorenz na execução do gigantesco mural azul concebido por Cláudio Tozzi para a empena de um prédio na av. Angélica, em Higienópolis.