Make your own free website on Tripod.com

Mosaicos de Antonio Maria Nardi

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

A gigantesca obra sacra de Antonio Maria Nardi inclui mosaicos para Serra Negra

Tímpano da Igreja Matriz de Serra Negra
nardi1hpg.jpg
Obra única no gênero de Antonio Maria Nardi

Igreja de Nossa Senhora do Rosário
nardiigrejahpg.jpg

Partiu do Imperador Dom Pedro II a decisão de abrir o país à imigração italiana, provavelmente por influência de sua mulher, a Imperatriz Teresa Cristina, que era uma princesa napolitana. A opção também decorreu de profunda reflexão durante o debate público que antecedeu a assinatura da Lei Áurea por sua filha, a Princesa Isabel, abolindo a escravidão no país. Uma corrente formada por muitos homens públicos e membros da Corte advogavam na época a vinda de “coolies” chineses, mas acabaram batidos pelo conjunto de valores que encarnava a opção pela vinda do braço italiano (bem como da cabeça italiana, do coração italiano e da alma italiana).

 

Do conjunto de imigrantes aqui desembarcados, ainda está para ser contada a relação enorme de artistas, conhecidos e anônimos, que contribuíram com a cultura e a arte brasileira, notadamente no campo musivo, no qual puderam oferecer o melhor de seu conhecimento para realização de obras em piso e parede de prédios, palácios e igrejas, da Igreja de Nazaré no Pará, à Catedral de Porto Alegre, passando pela Sé, em São Paulo e por centenas de outras em cidades de todos os tamanhos.

 

Muitos desses italianos chegaram durante a República Velha, mas há um caso interessante representado pelo artista Antonio Maria Nardi, que nasceu em 1897 no norte da Itália e veio para o Brasil aos 52 anos de idade, às vésperas da II Grande Guerra, da qual pretendia tomar distância. Já fora chamado a combater por seu país durante a I Guerra, em 1914 e sabia o que isso significava.

 

Nascido em Ostellato, estudou na Accademia di Belle Arti di Bologna e logo começou a acumular prêmios artísticos pelas pinturas clássicas a que se dedicou. Ilustrou livros e revistas, inclusive para crianças, passando a interessar-se por temas sacros a partir dos anos 20, depois que deu baixa do Exército, finda a guerra. A partir daí, seu prestígio cresceu não apenas no meio artístico, mas junto ao clero, para o qual produziu uma série de murais e afrescos. Mas em 1949, às vésperas de nova eclosão mundial, deixou tudo para trás e mudou-se para o Brasil, carregando pincéis, telas e palheta. E sua vocação para as artes sacras.

 

Permaneceu no Brasil por 15 anos, mas depois que estourou o movimento militar de 1964, seu coração atormentou-se novamente e Nardi retornou à sua Itália onde iria falecer em 1973 na cidade de Bolonha depois de uma vida inteira dedicada às artes clássica e sacra.

 

Os 15 anos de permanência no Brasil proporcionaram centenas de obras-primas de toda espécie, inclusive mosaicos para a Catedral de Serra Negra, em São Paulo, mas Antonio Maria Nardi é quase um desconhecido em nosso país. Na Itália continua festejado e relembrado pelo conjunto de sua obra, mas por aqui, nada. Depois de sua morte, continuaram ocorrendo exposições póstumas, notadamente em Milão, Bolonha e a última ocorrida em Ferrara, em 1997, por ocasião do centenário de seu nascimento.

 

Acho que já está mais do que na hora de algum crítico, curador, colecionador, estudioso ou uma instituição museológica interessar-se pela obra de Nardi no Brasil e resgatá-la mediante uma exposição ampla, com catálogo ou livro que revele o empenho e a contribuição que deixou em nossas terras.

 

 

 

Obra de Antonio Nardi carece de estudo no Brasil
nardi7hpg.jpg

assinatura de Nardi em um dos vitrais da Igreja
nardi8assinathpg.jpg

A relação das obras produzidas por Nardi no Brasil  impressiona pela dimensão e pela difusão pelas igrejas de muitas cidades da região Centro-sul e até da Capital da República.

A lista inclui decoração do refeitório do Seminário Salesiano de Brasília;

a construção de retábulos para a Capela do Colégio Pio XII, em Belo Horizonte e para a Igreja da Faculdade Padre Anchieta em Jundiaí (SP);

a produção de vitrais para a Igreja do Coração de Jesus de S. Leopoldo, em Porto Alegre (RS), para a Igreja de São Judas Tadeu no Cosme Velho (RJ), para a Igreja São Sebastião, em Porto Ferreira (SP), para a Igreja de Nossa Senhora Aparecida em Pirajuí (SP), para o Santuário Nacional das Almas e para a Igreja de Nossa Senhora Auxiliadora em Niterói (RJ), para a Igreja do Santíssimo Sacramento em Cantagalo (RJ), para a Igreja de Santa Maria Madalena, em Nova Friburgo (RJ), para a Igreja de Nossa Senhora do Carmo, em Vicente de Carvalho (RJ), para a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, no Riachuelo (RJ) e para a Capela do Colégio Espírito Santo, em Bagé (RS);

de quadros diversos para a Igreja de S. Francisco Xavier, na Tijuca (RJ),  de quadros da Via Crucis para a Igreja da Sagrada Família, no Livramento (RJ), e para a Igreja de Santo Antônio, no largo da Carioca (RJ);

da decoração da Igreja de Nossa Senhora da Glória, no Largo do Machado (RJ), da Capela do Seminário de Eugenópolis (MG),  da Igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no Grajaú (RJ);

das esculturas, quadros e vitrais para a Capela da Casa de Saúde São José, em Macedo Sobrinho (RJ);

e dos vitrais e dos mosaicos para a Igreja Nossa Senhora do Rosário, em Serra Negra, aprazível estância hidromineral de São Paulo.

 

Uma vida inteira dedicada à obra sacra
nardifrontalhpg.jpg
Mosaicos de Nardi, preservados em Serra Negra

Em agosto de 2012, recebi, na condição de autor deste site, uma importante comunicação dos filhos de Antônio Maria Nardi, que acrescento aqui para enriquecer os dados biográficos sobre o grande artista ítalo-brasileiro:

Somos, Paolo Nardi e Andrea Fausto Nardi , filhos do Pintor  Antonio Maria Nardi.

   Prezado Sr. GOUGON

Queriamos comunicar que seria necessario corrigir e acrescentar algumas informaçoes no site  " Mosaicos de Antonio Maria Nardi". Pois a falta de uma informaçao direta causou alguns erros evidentes e outras lacunas. Passamos à correçao:

No 3° paràgrafo - "veio para o Brasil aos 52 anos de idade ( em 1949)" ... portanto a II Guerra Mundial jà tinha terminado ha 4 anos, e  nao pode evitar,sendo atè convocado militarmente,  na defesa da cidade de Bolonha ,onde morava com sua Familia ( tendo 5 filhos), desde 1921.Durante a II Guerra Mundial tendo sido reformado depois de poucas semanas por questoes de saude, trabalhou realizando pinturas importantes em igrejas das regioes de  Emilia-Romagna e Veneto, conseguindo manter decorosamente a Familia.No mesmo periodo e anos seguintes teve importantes trabalhos em varias cidades da Suiça, onde conheceu pessoas de relevo que tinham relaçoes com o Brasil. Convidaram-no a realizar uma Exposiçao de Pinturas no Rio de Janeiro e , em seguida em 1949, a vir ao Brasil visto o sucesso e as encomendas de obras de pintura para Igrejas no Rio de Janeiro.

Jà tinha combatido na Grande Guerra ( I Guerra Mundial, de 1914-1918)desde 1915, tendo completado 18 anos de idade.

No 4° paràgrafo, na penultima frase , ha um evidente erro , pois as " vésperas de nova eclosão mundial" nao foi em 1949 ( a guerra jà tinha terminado ha 4 anos) e a vinda de A.M.Nardi ao Brasil , nada tem a ver com guerras.

No 5° paragrafo , novamente ha uma informação errada : a volta à Italia de A.M.Nardi foi uma decisao tomada , por razoes de idade ( 68 anos) e saude, pela possibilidade de trabalhos menos fatigantes e foi em Abril de 1965,(( tendo ,os filhos todos casado ),alguns jà voltado para a Italia. Portanto , nada a ver com politica.

Ao terminar seus numerosissimos trabalhos de pintura, no Brasil , A.M.Nardi foi agraciado pelo Vaticano com o Titulo de Cavalheiro da Ordem de San Silvestro Papa, titulo esse dado aos mais famosos Artistas que realizaram importantes obras religiosas desde a antiguidade.

Ao voltar à Bologna ,foi eleito Membro da "Accademia Clementina di Bologna", como artista consagrado.

Enfim todas as informações e correções acima mencionadas poderão ser simplesmente substituidas com esta inteira BIOGRAFIA EM LINGUA PORTUGESA.


Também recebi da família Nardi uma foto referente a outra peça religiosa efetuada pelo artista. Veja e avalie a importância artística da peça:

nardinova2.jpg