Make your own free website on Tripod.com

Ciranda do Mosaico embeleza visual de Brasilia
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Ciranda do Mosaico: um coletivo que ganha espaço na Capital da República

ciranda3.jpg

ciranda.jpg

Muitas são as vertentes da produção de mosaico no Brasil, tanto  de estilo como de material empregado ou do modo de fazer. Até por isso, há muitos ângulos para apreciar a arte. Essa diversidade só engrandece e realça o interesse pelo mosaico. A mesmice nunca cruza a avenida colossal por onde trafega a arte das tesselas. Ela é dinâmica, mutável, instável, orgânica e incomensurável. Está na alma de todas as pessoas, ainda que isso não percebam. Basta que se faça uma reflexão sobre o seu sentido semântico que é o da própria vida: a perpétua busca de pedaços para fazer um todo. Sob qualquer perspectiva, seja espiritual, moral, intelectual ou mesmo material, mosaico é sempre edificante.

botanico9.jpg

carloshenriquehp.jpg

Dentre seus muitos modos de fazer, o mosaico ganha destaque quando se torna uma arte associativa, executada por um grupo. No Brasil, há experiências múltiplas neste sentido. Algumas recebem notoriedade, especialmente quando a arte dá suporte a atitudes de promoção social como é o caso da Paraíba, que se tornou cenário de uma experiência fecunda sob a condução da artista Núbia Gonçalves. Na cidade de São Paulo, também houve atividade semelhante envolvendo ações práticas para melhorar a auto-estima de crianças carentes através da produção de obras coletivas em

mosaico, com forte presença no bairro da Vila Madalena. Também houve importantes ações coletivas na Bahia e no Mato Grosso do Sul, envolvendo aulas ministradas a crianças.

poesiachicoalvim.jpg

A Ciranda da Capital da República

 

veraamerhp.jpg

angelicahp1.jpg

Brasília também possui um grupo de realização coletiva em mosaico, que em pouco tempo conquistou muita visibilidade pública na cidade. Tenho a grande honra de fazer parte e de prestar minha colaboração em muitas de suas intervenções na cidade. Chama-se Ciranda do Mosaico. Foi criado à imagem e semelhança de um coletivo de mulheres bordadeiras, também de Brasília que faziam pedaços de bordados sobre um tema comum. Ao final da confecção havia um sorteio e a pessoa sorteada recebia todas as peças, de forma a constituir uma colcha formada pelo conjunto de todos os bordados. Como o grupo tinha 24 participantes, ao final de dois anos, todas as 24 bordadeiras eram aquinhoadas com uma colcha coletiva.

No caso da Ciranda de Brasília, o princípio foi o mesmo: o grupo de mosaicistas se reúne e escolhe um tema. Digamos que a escolha é “papagaio”. Bem, cada um faz um trabalho de igual dimensão retratando um papagaio e, ao final, há um sorteio e o ganhador recebe todos os trabalhos com mosaicos de papagaio, permitindo que faça com as peças um belo painel destinado à sua casa.

 

Este princípio de comunhão artística estendeu-se para intervenções urbanas e logo o grupo passou a fazer obras murais na cidade, ganhando visibilidade e notoriedade pelo muito que já fez até agora em paredes de espaços coletivos, como biblioteca, mercado, jardim botânico e escolas públicas.

 

nicolas22.jpg

Mosaico para os poetas

 

Nas paredes laterais da Biblioteca Demonstrativa de Brasília (um estabelecimento vinculado à Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro), os membros da Ciranda já realizaram 7 painéis ilustrando em mosaicos os  poemas de poetas da Capital da República, como Nicolas Behr, Carlos Henrique Lima Santos, Ana Maria Lopes, Vera Americano, Angélica Torres Lima, o Professor Cassiano Nunes e Chico Alvim.

Cada vez que um painel é instalado ocorre uma pequena festa com a presença do poeta homenageado. Aos poucos, as paredes externas da Biblioteca vêm sendo ocupadas por essas obras, que resultam da iniciativa coletiva da Ciranda do Mosaico.

anamaria23.jpg

cassianohp.jpg

Painéis da Ciranda envolveram Burle Marx com flores do cerrado e Onoyama com frutas

imagem3169.jpg

ciranda1onoyamahp.jpg

As intervenções também alcançaram a Av. W-2 Sul,  onde os mosaicistas da Ciranda realizaram, na saída do Mercado Municipal dois painéis artísticos: um com reprodução de frutas do cerrado, envolvendo o geneticista japonês Saburo Onoyama: e um segundo com mosaicos de flores do cerrado, envolvendo a  figura do paisagista Roberto Burle Marx (ele também um mosaicista notório). Saburo tem seu nome associado à criação de Brasília. Juscelino Kubitschek o convidou para conhecer a terra da cidade em 1958 e ele acabou se instalando na área rural da cidade satélite de Taguatinga. Constituiu família e deixou uma prole numerosa, já na terceira geração, muito conhecida no Distrito Federal por sua vinculação com a terra.

O início do grupo: um painel para JK

cirandada71todos.jpg

As intervenções da Ciranda do Mosaico em áreas públicas  tiveram início por volta de 2006, quando o grupo identificou uma espécie de totem em concreto na quadra 711 Sul, no coração do Plano Piloto, que contava com uma enorme placa em bronze, relatando a visita que o presidente Juscelino Kubitschek fizera àquele espaço em 1959, dando início à construção de casas populares. A placa em bronze foi roubada por vândalos noturnos, essa desgraça que assola hoje as grandes cidades, mas o painel em mosaicos encontra-se no local, em bom estado, certamente por não ter o mesmo valor pecuniário que aquele.

jknocil.jpg

      Além deste, um segundo painel ainda mais saliente foi realizado um ano depois, homenageando, novamente, a figura do ex-presidente Juscelino Kubitschek, que Brasília cultua civicamente por ter sido o criador da cidade. A nova homenagem reproduziu mais uma vez os monumentos arquitetônicos da Capital da República e introduziu a figura de JK sorrindo. Esta é, aliás, uma de suas características mais lembradas. O painel foi colocado na parede de entrada da antiga escola brasiliense conhecida por Elefante Branco e que hoje abriga o Centro Integrado de Línguas estrangeiras (CIL), da Secretaria de Educação de Brasília.  

painel3jk2006.jpg

Antes de ser colocado em caráter definitivo no Colégio Elefante Branco, o painel retratando Juscelino Kubitschek envolvido por todos os símbolos de Brasília foi exibido ao público por muitos dias num Shopping Center da Capital da República, fazendo muito sucesso pela originalidade do trabalho.

 Obra no Metrô e repercussão na mídia

cirandadomosaico2243.jpg

ciranda.jpg

Dentre todas, a intervenção pública de maior notoriedade do grupo da ciranda foi na Estação de Metrô na quadra 202 Sul, constituída por um grupo de painéis de 1 x 1 metro, em que cada artista do mosaico apresentou sua maneira de ver Athos Bulcão, que foi o principal muralista de Brasília, falecido há poucos anos. O mosaico do Metrô trouxe muito júbilo ao grupo, porque teve grande repercussão na mídia brasiliense. É uma obra de vulto e de grande visibilidade no interior da Estação.

ciranda123.jpg

cirandametrohp.jpg

Obra mural no Jardim Botânico de Brasilia

cirandaassinaturahp.jpg

dsc03604.jpg

Sempre inquieto e envolvido com mosaicos, o grupo também realizou durante 2010, um painel floral que foi executado sob orientação da professora de mosaicos do Rio de Janeiro, Moema Branquinho. Ao final das aulas, a turma da Ciranda executou a peça, que foi destinada ao Jardim Botânico de Brasília, ornando a parede externa da Casa de Chá ali existente.

 

Os cirandeiros

A composição dos integrantes da Ciranda do Mosaico varia um pouco de ano para ano.  Sempre há mosaicistas ingressando e outros que se retiram temporariamente por eventual falta de tempo. Neste momento em que escrevo (final de novembro de 2010) o grupo conta com os seguintes mosaicistas:

Alberto de Castro Teixeira, Aline Ribeiro Galvão,  Dulclerci Sternadt , João dos Santos Esgalha, Margarete Medeiros, Shirley Neves, Abiaci Fradique, Odete Godoy, Cláudia Verônica, Maria de Fátima Rodovalho, Maria de Fátima Fernandes,  Rosângela Evangelista, Ruth Athaide, Clarissa Genari, Sonia Teresa da Silva Santana do Couto Corrêa, Celeste Liporoni, Maria Célia Rosa, Domingos Oliveira, Lúcia Mafra e este que subscreve, Gougon

 

 

cirandahp.jpg