Make your own free website on Tripod.com

AS CALÇADAS DE HASSIS NA PRAÇA XV , EM FLORIANÓPOLIS
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

 

A famous name in the state of Santa Catarina’s plastic arts, Hassis, who passed away in 2000, made some specific work for mosaic-pavement, known in his region as “petit-pavé”. The work was made in Florianópolis’ main square and it became an exemplary case of patrimonial preservation, due to the fact that the city edited a book documenting all the pieces and it also put signs at the square indicating the importance of the work.

 

Hassis na Praça XV, um modelo de preservação patrimonial

foto121.hassisnoquadrodapraa.jpg

Utilizado no Brasil desde o final do século XIX ao redor do Teatro Amazonas, em Manaus, e logo depois na pavimentação da Avenida Central, hoje Rio Branco no Rio de Janeiro, em 1905, o piso com mosaicos em pedras portuguesas espalhou-se depressa por toda parte do país.

Em alguns locais serviu apenas de piso, em outros abrigou arte da melhor qualidade e em outros mais, como em Copacabana, tornou-se uma marca internacional do bairro. Muitos artistas viram no procedimento um espaço útil para difundir suas obras, sendo relevante lembrar Burle Marx como um dos exemplos mais notáveis, que deixou sua marca em diversas capitais brasileiras. E fico feliz por citar entre os que contribuíram para embelezar as calçadas com mosaicos portugueses o nome de Elder Rocha Lima, artista conceituado no Centro-Oeste (pai do artista contemporâneo que leva seu nome e professor festejado da Universidade de Brasília), que transferiu os desenhos de suas obras para as calçadas de Goiânia.

foto125hassismaricotadesenho.jpg

Pedra portuguesa é a denominação genérica que as rochas de calcário (brancas) e basalto (negras e vermelhas) receberam desde o primeiro momento em que foram utilizadas no Rio de Janeiro. A razão é simples: o prefeito da época, Pereira Passos, mandou buscá-las em Portugal e também contratou um grupo expressivo de calceteiros cuja técnica de corte e colocação da pedra logo seria apreendida pelos trabalhadores brasileiros, permitindo sua difusão por todo o país. Uma década antes de Pereira Passos, a prefeitura da cidade de Manaus  mandou trazer pedras de Portugal para pavimentar o entorno do Teatro Amazonas, mas eram pedras de lioz, hoje totalmente desaparecidas. Em seu lugar foram aplicadas posteriormente as chamadas “pedras portuguesas” formando desenhos de onda, como no Rio de Janeiro. Os guias de turismo da capital amazonense costumam afirmar que as pedras retratam o encontro de águas dos rios Solimões e  Negro. 

foto123hassismaricota.jpg

 

No sul do país, especialmente em Santa Catarina, o mosaico de pedras portuguesas é conhecido por “petit pavé”. Inspirada na elegância francesa dessa designação, a prefeitura de Florianópolis recorreu em 1965 a um dos artistas mais importantes da ilha para realizar desenhos especificamente para pavimentação dos pisos da Praça XV, uma das áreas mais centrais e mais antigas da capital catarinense.

 

O artista convidado foi Hassis, assinatura assumida por Hiedy Assis Corrêa. Nascido em Curitiba em 1926, mas residente em Florianópolis desde os dois anos de idade, sua carreira nas artes plásticas sempre foi marcada por desenhos e pinturas ligados ao folclore ilhéu. E foi este o tema que escolheu para a Praça XV.

 

foto127.hassispulacordadesenho.jpg

foto12.2.hassispulacorda.jpg

Hassis percebeu claramente que o mosaico de calçada exigia um outro tipo de desenho, preferencialmente sem linhas finas. A pedra portuguesa ajeita-se melhor com o jogo de formas densas, brancas e pretas. O artista buscou inspiração nos temas da vida cotidiana de Florianópolis, elaborando desenhos que retratam os brinquedos da garotada (empinar pipa, pular corda, soltar balões), os folguedos, as profissões tradicionais, o artesanato local, etc...

 

As pedras permaneceram no local por três décadas e meia, até que a série de buracos inevitáveis ao longo do período, exigiu uma restauração que foi iniciada em 1999 e concluída em 2000, ano em que o artista veio a falecer.

 

Hassis chegou a participar do processo de restauração. Ao final da obra e após sua morte, o Instituto de Patrimônio Urbano de Florianópolis (IPUF) propôs a edição de um livro retratando cada um dos desenhos originais elaborados pelo artista. A iniciativa foi aprovada pela então prefeita Ângela Amin e levada a efeito por meio de um inventário minucioso com apoio de especialistas da Secretaria Estadual do Patrimônio Histórico. Esses técnicos valeram-se de grades reticuladas para fotografar os desenhos de forma meticulosa e remontá-los em seguida em base digital. O procedimento permitiu reconhecer as áreas de perda do desenho original para correções nas futuras intervenções que se tornarem necessárias. E permitiu também uma visão de conjunto da obra de Hassis, de resto apresentada em um painel indicativo existente na praça, que chama a atenção dos pedestres para a obra musiva de um dos principais expoentes artísticos da ilha.

 

 

 

Enfim, trata-se de um verdadeiro modelo que ajuda muito na preservação e recuperação dos desenhos efetuados em pisos com pedras portuguesas, ou em petit pavé , como as denominam os catarinenses. Seria muito conveniente que este mesmo tipo de modelo viesse a ser empregado em outras áreas públicas do país revestidas com o mesmo tipo de calçamento. Facilitaria o trabalho de preservação, agradaria a população e deixaria satisfeitos os artistas que projetaram suas obras em pedra, perpetuando sua arte no chão.

foto128.desenhohassistarrafeador.jpg

foto126hassisjogadoderede.jpg