Make your own free website on Tripod.com

A força da grana que destrói coisas belas

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Um detalhe pouco (?) pichado
gracianohp2.jpg
Se fazem isso com Clóvis Graciano, imagina com autores menos conhecidos

Cadê o Clóvis Graciano que estava aqui?
 

A indicação não deixava dúvidas. O número é o 1833 da Avenida S. João, coisa de 12 a 15 quarteirões após o cruzamento com a Ypiranga: Edifício Ararunas. De fora, dá para apreciar a fachada imponente, em curva, obra típica dos anos 50, mas a portaria é acanhada, estreita, esprimida entre lojas que confirmam o aspecto de decadência da via: ferragens, miudezas, armarinhos, consertos de geladeira.

 

Fui entrando sem pedir licença até porque não havia a quem fazê-lo. Ao final de um corredor estreito, recém-pavimentado com cerâmicas brancas, de baixo preço e qualidade, estanquei defronte um balcão e  um porteiro,  um pouco gordo, um pouco sonolento, de bigodinho ralo, jeitão cordial.

 

- Bem, estou procurando por uma obra de arte, um painel de um autor já falecido, Clóvis Graciano, que fez para este prédio um trabalho decorativo na época da construção do edifício ...

 

- Ah, uma espécie de pintura feita com pastilhas?

 

- É, isso mesmo, onde fica?

 

- Aqui mesmo, atrás de mim – disse apontando para o espaço acima de sua cabeça, a parede toda branca. – O condomínio fez uma reforma aqui no corredor. Nessa parte de trás substituiu aquele quadro velho das pastilhas por essas cerâmicas iguais às do piso. Já tem seis meses que a reforma terminou.

 

Parti dali com o coração inquieto. E cada vez mais apreensivo. Peguei um táxi e me mandei para outra referência que não deixava dúvida. Rua João Lourenço, 797. Obra do arquiteto Abelardo Souza: Edifício Bienal. Nele,  se tivesse sorte, encontraria outra obra de Clóvis Graciano, que ele fizera em 1955 para a fachada do prédio. Não podia ter desaparecido...

 

Pedi ao taxista que me deixasse alguns números antes e continuei a pé até encontrar o edifício. Obra de gabarito contido, quatro pavimentos. Olhei para cima e vi as janelas, em madeira, todas fechadas. Desci a vista para a portaria e li a faixa : “Vende-se”. Olhando por trás de dezenas de pichações superpostas, identifiquei, finalmente, uma obra musiva de Clóvis Graciano,  toda danificada, suja, humilhada e, provavelmente, perdida para sempre.  A venda, inequivocamente, significará a demolição do prédio para a construção de outro mais empinado, de acordo com o novo gabarito aberto para a área. A obra de Graciano ainda não feneceu, mas está pra lá de moribunda. (Ver nota do autor deste artigo ao final do texto)

 

São Paulo é emoção pura. No dia seguinte, fui ao  Centro Empresarial Itaú, onde  pude apreciar um novo painel em pastilhas da Vidrotil, reproduzindo obra de Vik Muniz. Trabalho gigantesco que faz uma releitura da obra original do artista, toda ela realizada com calda de chocolate.

 

Também fui ver o prédio da Avenida Angélica, de onze andares, todos eles ornados por uma sucessão sem fim de grafismos geométricos assinados por Cláudio Tozzi, em pastilhas de 18 tonalidades diferentes de azul. Obra com acabamento de primeira, executada pelo ateliê da competente arquiteta Isabel Ruas. E na Paulista, fotografei a obra inédita que Burle Marx concebeu para o Edifício-Parque Cultural Paulista, onde esmerou-se na realização de um jardim vertical que brota de dentro de um gigantesco mural em pedra portuguesa, muito semelhante, aliás, ao que realizou na década de 50 para o Hospital Sousa Aguiar no Rio.

 

Deixei Sampa pensando e cantando de cabeça baixa aquela música do Caetano, que fala da emoção quando se cruza a Ypiranga com Avenida S. João. E da força da grana que ergue e destrói coisas belas.

 

 H.Gougon, 31deOutubro de 2004

 

Três anos após redigir essas notas sobre as obras degradadas de Clóvis Graciano, eis que fui agraciado com a notícia mais alvissareira que um pesquisador e admirador de mosaicos poderia receber às vésperas do Natal: uma senhora residente no Edifício Bienal, Dona Joyce,  me enviou um e-mail relatando que o síndico do prédio, Sr. Artur Fernando Ávila, providenciou a completa limpeza e recuperação do painel que se encontrava pichado e praticamente perdido. Mais ainda: A diligente moradora informou-me ainda que o síndico também iria providenciar a colocação de uma chapa de acrílico sobre a obra para resguardá-la de outras pichações deletérias e permitir a visibilidade pública da obra grandiosa de um dos maiores artistas modernistas da cidade de São Paulo. Minha gente, isso deveria ir para a primeira página dos jornais deste país, pela importância de gesto tão digno e por seu significado para a arte brasileira que deveria festejar esse resgate de valor inestimável, não apenas para o prédio, mas para a cidade de S. Paulo e para o País.

Seguem abaixo fotos dos mosaicos de Clóvis Graciano, no Edifício Bienal, da época em que a obra estava vandalizada, e novas fotos obtidas ao final de novembro de 2007 do painel  recuperado.  Tudo inacreditável!

Sujeira esconde assinatura de Graciano
gracianoassinathp.jpg
assinatura de Graciano em meio a riscos de analfabetos

gracianohp1.jpg

Obra de Graciano recuperou as cores originais
gracianolimpo2.jpg.jpg
Verdadeira obra-prima de restauro

Clóvis Graciano, obra imortalizada em São Paulo
Painéis em Mosaico perenizam presença de Graciano

Obra já com placa de proteção sobre o mosaico
clovisgracianopro2.jpg
Clóvis Graciano: restauração vitoriosa!!!

A história fantástica de recuperação da obra de Graciano ainda não acabou: menos de uma semana após receber a mensagem  alvissareira de Dona Joyce, ela tornou a me informar e enviar novas fotos do painel, já com a placa de proteção sobre o painel de Clóvis Graciano. Nota DEZ!!! O trabalho de recuperação e de aplicação da tela protetiva  foi realizado com muita competência por Arthur Caliman, um estilista consagrado e profissional de múltiplos talentos.

Henrique Gougon, dezembro de 2007/janeiro2008

Obra recuperada e protegida por placa transparente
clovisgracianoprot.jpg
Clóvis Graciano: de volta à perenidade!

Ainda há mais coisa a dizer (sempre haverá) sobre as obras de Clóvis Graciano em mosaico.  Ele não realizou apenas essas que aqui são apresentadas. Sua opção pelas pastilhas vai muito além, incluindo, ainda na cidade de S. Paulo, um painel de grande beleza plástica, em pastilhas da Vidrotil, no Edifício Aracaju, da Rua Maranhão, em Higienópolis. E outro ainda, de 1954, na entrada do Mercado de Marapé, em Santos, cujos detalhes podem ser apreciados em outra página deste site, em Clóvis Graciano, o modernista do mosaico . São trabalhos que honram e dignificam sua memória, enchendo nossos olhos de alegria e prazer diante de tanto talento. (H.Gougon, Natal de 2007)

Obra encontra-se no Edifício Aracaju, Higienópolis
gracianoruamaranhp.jpg
Painel está em bom estado e é um ícone da obra musiva de Clóvis Graciano