Make your own free website on Tripod.com

Juarez Paraíso e o painel dedicado à Irmã Dulce
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Quando as portas do céu abrirem-se para Juarez Paraíso

        Não é fácil para o autor deste site, que vive tão distante do litoral, falar da obra de Juarez Paraíso na Bahia. Guardo há muito tempo um compromisso pessoal para resgatar a importância de sua arte e situá-la no contexto de outras obras  na linguagem do mosaico artístico e sinto que a hora chegou.

juarezparaiso240.jpg

Antes de mais nada é preciso dizer que se trata de uma vítima da imbecilidade e da intolerância religiosa, coisa que deveria estar recolhida aos escombros da miséria intelectual da Idade Média, mas que ressurge aqui e ali, nascida do ventre do obscurantismo tardio na vida brasileira .

uuueij.jpg

Uma de suas obras mais vistosas na linguagem do mosaico retratava o nascimento de Oxumarê, nas paredes do Cine Politeama em Salvador. Acabaram abatidas pelas marretas da Igreja Renascer em Cristo, quando esta adquiriu as instalações da antiga casa de projeção cinematográfica. Finda a obra macabra, picharam nos escombros “Deus é Fiel”.

Dá para imaginar o tamanho da brutalidade se atentarmos para o caráter de tolerância que todos festejam na Bahia, considerada uma terra acolhedora e aberta a todas as manfestações religiosas.

 

Novos casos ocorreram quando a empresa CIC comprou o Cine Tupi e destruiu outro painel executado na empena do prédio. E ainda mais absurda foi a destruição de uma obra mural que havia no Cine Bahia, logo que foi vendido para a Igreja Universal do Reino de Deus (?). Na Justiça, em cujas portas foi bater o artista, os representantes da seita alegaram que Juarez não era um Leonardo da Vinci e que as instalações do cinema não eram um Vaticano...

 

juarezparaisodetalhe2.jpg

O que mais machucou o coração de Juarez Paraíso é que os painéis eram desmontáveis. Bastava pedir que ele retiraria e levaria para outro espaço acolhedor.

Enfim, dá para perceber, ainda que de longe, o drama religioso que em pleno século XXI assalta a população baiana devido ao obscurantismo de algumas mentes insanas,  interessadas em mergulhar o país numa luta religiosa e fraticida. Lamentável em todos aspectos.

 

Em busca de informações sobre a obra de  Juarez Paraíso, deparei com um artigo muito substancial da jornalista Clediana Ramos, no jornal A Tarde, da Bahia, em que ela reage a essa situação, afirmando : Salvador, às vezes, nem percebe, mas respira a arte herdada da África. Afinal, a cidade foi o maior porto dos povos africanos escravizados no Brasil”.

 

juarezparaisodetalhe4.jpg

E mais: “Foram estes povos aqui chamados de angolas, congos, cabindas, jeje, ijexá, ashantis, nagôs e tantos outros nomes que deixaram reminiscências de suas culturas. A memória delas foi mantida por seus descendentes. Gente como Juarez Paraíso, um dos mais conhecidos artistas plásticos baianos que ao ser inquirido sobre as referências afro-brasileiras na sua obra, começa a resposta pela história do seu pai Isaltino Paraíso que saiu de Arapiranga, parte do município de Rio das Contas, para estudar na Escola Normal da capital da Bahia”.

Enfim, fica claro que Juarez Bahia é um lutador, sempre em guerra contra a ignorância e a complacência daqueles que poderiam e deveriam reagir a tudo isso. É ainda mais extraordinário que esse guerreiro seja um artista plástico da melhor extração.

Neste momento em que a Igreja Católica pretende canonizar a Irmã Dulce, vale a pena trazer a este site a obra essencial de Juarez Paraíso, que a retratou, em mosaico, rodeada por dezenas e dezenas de caveiras insepultas que representam seu envolvimento com a dor e a morte ao longo de sua trajetória religiosa.

 

juarezparaiso240.jpg

Não creio que os católicos baianos sejam possuídos pela mesma fúria destrutiva que encarnou nos representantes das novas denominações “evangélicas”. A obra de Juarez Bahia impõe-se por sua qualidade e pelo reconhecimento do povo baiano, que tem nele um símbolo do que a arte baiana tem de melhor. 

OUTRAS PEÇAS DE JUAREZ PARAÍSO

Enfim, está muito claro que Juarez Paraíso é um artista superior a todas as vicissitudes e preconceitos. Sua obra é imensa e tem o acolhimento majoritário dos baianos e reconhecimento artístico nacional e internacional. Como este site cuida apenas de situar os trabalhos na linguagem do mosaico, vale a pena sublinhar que Paraíso está presente em outras obras trabalhadas dentro desta vertente, como é o caso da peça que realizou para o Museu Geológico da Bahia.

 

imagem1juarezpedras.gif

Trata-se de uma peça em relevo cimentício, ao qual agregou uma infinidade de rochas e cristais que fazem alusão à própria atuação do espaço, que é a de apresentar as riquezas geológicas do território baiano.

juarezeditado31.jpg.gif

Além desta, Juarez Paraíso também é autor de um piso em mosaico de pedra portuguesa de resultado muito feliz, que se encontra na área calçada junto ao Edifício Monsenhor Marques, no Largo da Vitória, em Salvador.

 

Vale a pena apreciar mais esses dois trabalhos, que usam matéria prima dura e resistente, o que é muito sugestivo quando se leva em consideração a violência passada que o artista sofreu quando foi vítima da intolerância religiosa no coração da cidade de São Salvador.

 

H.Gougon, jan. 2011

 

juarez2.jpg

Enter supporting content here