Make your own free website on Tripod.com

O Código de barras de Marcello Nitsche

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Um código de barras vítreas de Marcello Nitsche

 

Uma das coisas que impressiona em qualquer levantamento sobre a presença do mosaico no Brasil é o interesse generalizado que a arte desperta em todos os grupamentos artísticos, desde o mais modesto até os de nomes consagrados como alguns dentre aqueles que se inscrevem na extração mais recente da Arte Contemporânea e que a exercitam assim mesmo, com letras maiúsculas.

 

Aqui neste site, já vimos obras em mosaico assinadas por artistas como Carmela Gross, Leda Catunda, Leonilson e muitos outros posicionados no topo do reconhecimento artístico. É interessante avaliar esse quadro e tentar descobrir o que o anima, o que leva um artista de grande reconhecimento da crítica de nosso tempo a optar pelo mosaico, uma arte milenar que, ao se popularizar nos dias de hoje, muitas vezes se torna esnobada por algumas correntes de vanguarda.

Afinal, alguns artistas de hoje se reconhecem em manifestações de arte efêmera, da qual muitas vezes nem registro fotográfico deixam para trás. Ou para frente. O enigma ou, digamos, a arte codificada passou a ser buscada por algumas vertentes das artes contemporâneas. Quanto mais “codificada” e exigindo uma bula explicativa, melhor. O código passou a ser o senhor das artes. Mas não de todos.

 

Quem se aprofunda no conhecimento do universo das artes plásticas brasileiras sabe diferenciar quem a “complica” e quem contribui verdadeiramente para descomplicá-la e torná-la um campo fértil para experimentações no campo da liberdade de expressão. Afinal, é o sopro da liberdade que faz a arte avançar.

nitschehpinteirohp2.jpg

Tome-se, por exemplo, o caso de um nome como o de Marcello Nitsche, um dos maiores expoentes da arte contemporânea, pela dimensão de sua obra e sobretudo pela constância de sua produção artística nos últimos 40 anos. Sua presença na constelação artística brasileira é um verdadeiro referencial pelos conceitos que aporta na renovação constante de seu trabalho, sempre antenado criticamente com as inovações tecnológicas de nosso tempo.

 

É o caso, entre muitos, das reflexões que vem adotando de um tempo a esta data sobre os múltiplos signos e significados de um novo elemento introduzido em nosso cotidiano, chamado código de barras, que veio ao mundo para controlar a produção e o consumo das mercadorias na economia de escala mundial.

 

nitschedetalhe.jpg

Essa vertente do trabalho artístico de Marcello Nitsche procede do início desta década, quando pinta um painel com mais de 12 metros de altura em frente à sua casa, em S. Paulo. Ao situá-la perante a crítica, o artista avaliou que essa é mais uma maneira de discutir a globalização e para tanto inscreveu os códigos com marcas simbólicas e referenciais do consumo internacional, como Coca-cola, Microsoft e Marlboro. Ao tomar para sua arte esse novo ícone do capitalismo, Nitsche redesenhou sua própria arte, canibalizando as barras de controle mercadológico para exibi-las em outros contextos, expondo as vísceras desse mecanismo de controle global.

 

Em algum trabalho crítico sobre essa fase do artista foi dito que ao refazer o código e os números ali inscritos, inseriu em uma delas a data do ataque às torres gêmeas de Nova Iorque, como quem revela segredos da globalização internacional ao exibir as limitações dos mecanismos de controle da atividade humana por códigos informatizados. A arte também tem suas limitações. Por mais liberdade que usufrua, sempre há balizamentos impostos pela sociedade ou por segmentos dela, inconformados por não entender ou não aceitar algumas atitudes permitidas pela contemporaneidade.

Nem sempre o artista de vanguarda precisa estar na vanguarda. Muitas vezes precisa olhar para trás e buscar o popular, dar a mão ao povo para buscá-lo e explicar sua obra, como ela deve ser usufruída, enfim, ter humildade no artesanato deste novo olhar, da nova linguagem contemporânea.

 

Um mosaico, que tem cinco mil anos de presença na história do homem, é um padrão artístico de fácil entendimento, que fala por si mesmo. E a opção pelo seu uso num painel reproduzindo essa fase do código de barras no espaço de uma repartição de governo em São Paulo só pode contribuir para a divulgação do trabalho artístico, universalizando conceitos e decodificando a obra. É importante neste caso levar em consideração o que dizia a grande gravadora e professora Fayga Ostrower, segundo a qual “quando se dá outra forma a um conteúdo, modifica-se o conteúdo” .

nitschehp28042.jpg

Como a maioria dos painéis em mosaico, o de Marcelo Nitsche guarda uma beleza expressiva, mas transcende esse aspecto por exigir reflexão sobre a objeto representado, seus números e referências. Afinal, estamos em frente a um código com suas áreas movediças.  Como obra de arte contemporânea, é preciso entender seus elementos, seu propósito e sua razão de ser. O código do mosaico é outro, da beleza das tesselas, da magia da segmentação das cores, pelos interstícios das pastilhas. Entre uma proposta e outra, há o código de barras: um recorte mínimo de um mundo cada vez mais rico de indagações e pobre de respostas.

 

HGougon, agosto de 2009

 

 

Free Guestbook My Guestbook