Make your own free website on Tripod.com

A morte de Ianelli e o sentimento de transcendência na opção pelo mosaico
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

MOSAICO E MATURIDADE  NA OBRA DE IANELLI

ianelli2real.jpg

A morte de Arcângelo Ianelli no dia 26 de maio último (de 2009) abalou profundamente o mundo das artes visuais brasileiras. O conjunto de suas telas tornou-se uma referência para o entendimento das cores, do seu uso e da percepção infinita das possibilidades cromáticas, abstratas e geométricas.

 

Nasceu em S.Paulo nos idos de 1922, filho de imigrantes italianos chegados ao Brasil no início do século XX. Aos 18 anos, matriculou-se na Escola Paulista de Belas Artes. O estabelecimento deu suporte técnico a suas inclinações, mas nunca moldou ou controlou a força interior de suas inquietações.

 

ianellicinza.jpg

 Ianelli passou por muitos ateliês, coletivos, grupos e organizações artísticas, até firmar uma trajetória única e pessoal. Pela singularidade de seu desprendimento, assim como por suas pesquisas e ainda por sua busca individual, pode-se dizer que o artista sempre perseguiu e encontrou um caminho próprio, autodidaticamente. Afirmou seu nome, primeiramente, através do figurativismo e, a partir dos anos 60, sua arte ganhou novos rumos quando abraçou de início o abstracionismo e, em seguida, o geometrismo das linhas e das formas, tornando-se um mestre com reconhecimento internacional, pelo muito que exibiu em museus, galerias e instituições artísticas dentro e fora do Brasil, sempre com brilho e reconhecimento.

 

Há menos de dois anos, Ianelli decidiu, pela primeira vez em sua vida, transformar um projeto de pintura em obra para mosaico. Adaptou uma tela para se tornar um painel em pastilhas, que foi produzido com muita competência e zelo pela empresa Vidrotil, de São Paulo, conseguindo traduzir nas tesselas vítreas com tonalidades variadas de branco, cinza e azul, aquele clima de mistério que até então só era possível através de múltiplas pinceladas no linho das telas.

 

ianellidetalhe1.jpg

O painel, com certeza, garante certa perenidade maior do que as telas e é sobre isso que se poderia tecer algumas considerações sobre o que leva muitos artistas, geralmente em idade provecta, a optar pela transformação de suas telas em painéis de pastilhas, vale dizer, em mosaico.

 

A última obra de Manabu Mabe (que, aliás, foi companheiro de Ianelli no chamado grupo Guanabara, de São Paulo, nos anos 50) foi justamente um projeto para mosaico destinado a uma capela no interior de uma fortificação em Guarujá, no litoral paulista. O painel foi executado pelo Ateliê Sarasá, de São Bernardo do Campo, mas Mabe não chegou a vê-lo. Faleceu pouco antes da execução do painel. Com certeza, iria admirar a transformação da tela em painel musivo, que decorreu de trabalho primoroso, como costumam ser as obras confiadas ao Ateliê Sarasá.

Também o artista gaúcho Glauco Rodrigues, falecido em 2004, teve no mosaico o material escolhido para suas duas últimas obras artísticas, a saber: o painel na entrada da Fundação Osvaldo Cruz, no Rio de Janeiro, e o painel na estação de embarque do Aeroporto Luís Eduardo Magalhães, em Salvador (Ba). Ambas foram realizadas pela empresa italiana Bisazza, produtora de pastilhas vítreas, que vem se firmando no mercado brasileiro. Não sei com exatidão as condições de Glauco quando concebeu essas duas últimas obras. Sei que, ao falecer, contava 75 anos de idade e padecia de um câncer. É possível que a escolha do  mosaico  tenha sido a solução que permitiu ao artista superar as dificuldades físicas para continuar a exercer sua criatividade, confiando a execução a terceiros, como é da natureza do trabalho em pastilhas. Obviamente que a produção desses painéis foi obra de envergadura, trabalhosa e desgastante que obrigaria o artista a um  padecimento muito maior se a encarasse sozinho.

Outros casos se sucedem, sugerindo que muitos artistas optam pelo mosaico em idade avançada. Em algumas ocasiões, isso se dá por decorrência de alguma doença ou restrição médica quanto ao uso de tintas tóxicas, como ocorreu, por exemplo, com Portinari que passou a usar lápis cera para desenhar maquetes destinadas à execução de mosaicos, tentando contornar a proibição médica. Acabou falecendo em 1962, ainda jovem (estava com 58 anos), deixando muitas telas para a posteridade e também projetos para mosaicos, alguns dos quais ainda não executados até hoje. Entretanto, um desses projetos foi finalizado em dezembro de 2008, na parede da capela da PUC (Pontífice Universidade Católica) do Rio de Janeiro.

Também é plausível supor que a opção pelo mosaico seja decorrente de um sentimento de perenidade sugerido pela obra em pastilhas. É preciso observar, neste caso, que até muito recentemente, todos os escritos teóricos sobre a arte do mosaico concordavam em defini-la como “arte para a eternidade”, um conceito estabelecido por Ghirlandaio, artista florentino do século XV. Essa definição manteve-se por cinco séculos, mas caiu por terra no alvorecer do século XX. Ou seja, depois que Einstein formulou a teoria da relatividade.

 

Mais recentemente, os estudiosos contemporâneos do mosaico, especialmente os europeus e norte-americanos, convieram que um conceito mais adequado para a arte do mosaico seria considerá-la como uma “arte complementar da arquitetura”, ou seja, uma versão menos pretensiosa e mais próxima de seu horizonte de realização atual.

 

A idéia da perenidade que estaria na razão da preferência pelo mosaico por parte de artistas mais idosos também relativizou-se.   Sua interpretação mais plausível está ligada nos dias de hoje a uma noção de altruísmo, decorrente da idéia de que um painel em pastilhas tem mais chance de ser visto e admirado por mais pessoas, até porque uma obra dessa envergadura destina-se preferencialmente a áreas públicas, ao contrário do que acontece com a maioria dos óleos, aquarelas e gravuras, que acabam, quase sempre, nas paredes internas das mansões de milionários solitários.

 

H. Gougon, 07 de junho, 2009