Make your own free website on Tripod.com

"No peito heróica pancada", a força imagética de Emendabili
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

“Quando se sente bater no peito heróica pancada” : os mosaicos de Galileu Emendabili aos mortos de 32

 

foto423.mosaicodoobeliscode32.jpg

Apesar de mineiro, desde muito cedo em minha vida achava difícil aceitar o relato da Inconfidência Mineira como o evento mais significativo das lutas e insurgências da história brasileira.  Afinal, por mais que se lê sobre o episódio, mais se vê que tudo não passou de uma conspiração sem armas, o que não leva, como não levou, a lugar nenhum em caso de luta contra a tirania colonial.  Na prática, não foi mais que simples conversa de membros da elite para evitar ou atenuar o pagamento de impostos da Coroa.

 

 Na luta pela afirmação da nacionalidade houve outras sedições muito  mais sérias que resultaram em repressão mais violenta do que aquela que reservou a Tiradentes o papel de expiar pela culpa de todos. A Revolta dos Alfaiates em 1798 na Bahia, por exemplo, provocou centenas de mortos. As rebeliões em Pernambuco, de 1817 e 1824, resultaram em embates cruentos e projetaram mártires como Frei Caneca, que morreu fuzilado porque não houve carrasco que aceitasse enforcá-lo. Mas todos esses movimentos de rebelião foram sempre secundados na apreciação histórica nacional pela sedição de Minas Gerais.

foto422obeliscoa32.jpg

Só comecei a perceber melhor o fenômeno após a leitura do livro basilar do historiador José Murilo de Carvalho – A Formação das Almas -, no qual desvela o processo de mitificação empreendido por positivistas e republicanos nas décadas finais do século XIX. Necessitavam de um mártir e Tiradentes era o que melhor servia ao desejo dos golpistas de 1889, que passaram a moldá-lo à imagem e semelhança de Cristo, em verdadeiro ilícito histórico e despudor herético.

 

Na revisão da História que um dia se imporá, um dos movimentos cívicos mais importantes da vida brasileira passará a ser identificado, a meu juízo, na revolta constitucionalista de 1932, que irrompeu em São Paulo, mas se alastrou por vastas parcelas do território nacional, e levou as elites paulistas ao sacrifício de  enviar seus próprios filhos à frente das lutas. E a causa não poderia ser mais nobre: a causa da liberdade, da defesa de uma Constituição para o país e de conter o ímpeto do ditador nascente. Mas Getúlio revidou de porrete e canhão, embora tivesse que se curvar em 34 à convocação da Assembléia Constituinte, até se fortalecer politicamente para dar o golpe do Estado Novo em 1937.

 

emendabili2hp.jpg

Ao contrário dos mineiros, os paulistas nunca souberam emprestar características nacionais às insurgências de sua gente. Talvez o umbigo paulista seja muito grande e não dê espaço à percepção de que o movimento cívico de 32 traz conseqüências importantes não apenas para seus filhos, mas para todos os brasileiros. O levante de 9 de julho não é uma data para ficar circunscrita a São Paulo. Deveria ser melhor estudada, compreendida e reverenciada  em todo o país. A meu ver, esse descuido nacional com o levante paulista talvez seja proposital. A história brasileira não enche de júbilo os dirigentes republicanos, até porque o saldo cívico deixado pela experiência republicana até agora é melancólico e passa por episódios de constantes exceções, que incluem a ditadura Vargas e a ditadura militar, sem falar nas crises embaraçosas abertas pela renúncia de Jânio e o impeachment de Collor.

 

foto429emendabili7.jpg

Curiosamente, um dos artistas que melhor compreendeu o significado amplo do movimento não era brasileiro, mas italiano. Nascido em Torrete de Ancona em 1898, Galileo Emendabili seria chamado a conceber e realizar o Obelisco e Mausoléu ao Soldado Constitucionalista de 1932.  Já era um escultor em processo de crescimento profissional no seu país quando imigrou para o Brasil em 1923, fugindo do fascismo emergente.  Formou família e estabeleceu-se em São Paulo, tornando-se um artista consagrado por suas esculturas, das quais as mais vistosas são o Monumento a Ramos de Azevedo, de 1934, hoje instalado na Cidade universitária da USP, e a obra do Obelisco, no Ibirapuera, onde a simbologia, a grandeza e a devoção revelam que o artista italiano compreendeu em toda sua inteireza a importância do movimento constitucionalista.

No início de 2004, a iniciativa de uma empresa de telefonia escolhida para patrocinar uma obra de restauração do monumento resultou em total desacerto. Antes de qualquer providência, a empresa resolveu cobrir o obelisco com uma enorme propaganda de alto a baixo com o nome da empresa. A iniciativa revoltou os paulistanos, especialmente um dos últimos descendentes da família, Paolo Emendabili, neto do artista, que se indignou com a falta de respeito e, munido de mandado de segurança, invadiu a área para apontar, perante as câmeras de televisão, os prejuízos que, antes de recuperar, a empresa causava ao monumento.

 

Enfim, passado os embates, ficou a obra. Uma de suas facetas menos conhecida dos paulistanos, infelizmente, é a cripta que jaz subterrânea. Ali, estão os restos mortais de quase mil combatentes. É um lugar de veneração e respeito. Mas também permite admirar cinco fabulosos painéis em mosaicos concebidos por Galileo Emendabili e executados no Estúdio Padovan, em Veneza, em 1950.

emendabili1.jpg

Na cripta são três painéis, que representam cenas do Martírio (a crucificação de Cristo), outro a Natividade (o nascimento de Cristo) e o terceiro a Ressurreição. É curioso que em cada cena de Cristo o mural abre espaço, em segundo plano, para outras cenas evocando, sucessivamente,  a partida e o tombamento do soldado (mosaico do Martírio), a  Fundação de São Paulo (mosaico da Natividade) e o advento da Constituição de 1934 (mosaico da Ressurreição).

 

Há ainda um quarto mosaico representativo das Classes Trabalhadoras, que traz em sua figuração de frente o apóstolo S. Paulo, o pregador incansável da obra de Cristo. Enfim, são 170 metros quadrados de mosaicos adornando a cripta. Obelisco, cripta, escadarias, portas, mosaicos, material empregado, planta baixa e todos os demais elementos da obra guardam uma representação numérica complexa e mística que dão ao conjunto um significado que transcende em muito um olhar simples ou displicente sobre o  movimento constitucionalista.