Make your own free website on Tripod.com

Mosaico, Itália e Bahia: tudo a ver na arte de Antonello L'Abbate

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Antonello , cores e mosaico na paisagem baiana
antonellolabbate.jpg
Na Av. do Contorno, belíssima intervenção na área pública

turistas em mosaico, uma metalinguagem
labbate.jpg
Obra rica também na Av. do Contorno, em Salvador

Itália, Bahia, Mosaico: tudo a ver

 

Como todo mundo sabe, o mosaico é muitas vezes definido como uma arte essencialmente romana. Não foi em Roma que surgiu o primeiro mosaico, mas quando a técnica das tesselas em mármore, depois de maturada pelos gregos, alcançou os romanos, a arte logo ganhou nova dimensão pictórica e se espalhou por todos os cantos do Império, especialmente ao longo da bacia mediterrânea (incluindo o norte da África). Após o século IV, a arte dos mosaicos tornou-se o principal veículo para evangelização dos povos da Europa Oriental, através da escola de Bizâncio, então Constantinopla, sede do Império Romano do Oriente.

Herdeiros e guardiões da cultura romana, os habitantes da Península Itálica ainda guardam na alma o impulso artístico primordial do fazer musivo.  A técnica de sua realização é ensinada desde cedo nos colégios, o gosto pelos mosaicos é sempre crescente e viabilizado pelos muitos ateliês profissionais, além do que a Itália abriga diversos centros de excelência e oficinas de tradição centenária em cidades como Ravena, Firenze, Veneza, Spilimbergo e, claro, Roma.

Não deve, pois, surpreender a ninguém que no Brasil muitos imigrantes italianos tenham trazido na alma e na formação escolar farto conhecimento e impulso para o emprego do mosaico. O Brasil deve a um desses imigrantes italianos estabelecido em Minas Gerais a iniciativa de escrever o primeiro livro editado no país exclusivamente dedicado aos mosaicos. Em 1962, Antônio Alfredo Mucci, autor de dezenas de obras espalhadas em Belo Horizonte, Juiz de Fora, Extrema, Salto da Divisa e Rio de Janeiro, lançou, pela Editora Ao Livro Técnico, o “Compêndio Histórico-técnico da Arte Musiva”, quase uma bíblia para qualquer artista brasileiro que deseje conhecer e entender a linguagem do mosaico. Evidentemente que houve muitos outros artistas italianos (ou filhos destes) que se radicaram no Brasil e produziram mosaicos, como Gianfranco Cerri, Franco Giglio, Poty Lazarotto, Humberto Cozzo, Bassano Vacarinni, sem esquecer do mais ilustre e conhecido, CandidoPortinari.

pai e filho formatados nas quebras de azulejos
labbate4.jpg
Antonello L'Abbate soma-se aos valores artísticos da Bahia

O que surpreende é que justamente na Bahia, um território ocupado por uma grande, grandíssima presença artística local, abrigando uma cultura extremamente forte e multifacetada tenha vindo se estabelecer um italiano de vultuoso talento artístico, que se somou a nomes já consagrados da cultura baiana, como Bel Borba, Carybé, Mário Cravo, Juarez Paraíso, e tantos outros.

Pois o artista Antonello L’Abbate, nascido em Roma, em 1943, veio para o Brasil aos dez anos de idade e viveu em diversas cidades brasileiras até 1969, quando retornou à sua pátria para freqüentar, em Milão, a Accademia di Belle Arti di Brera. Dali passou a Nova Iorque onde ingressou no Art Students League e êi-lo de volta em 1972 para se radicar de vez na... Bahia!!!

Conheci um pouco de sua obra durante uma mostra de 1997 no Centro Cultural da Caixa Econômica de S. Paulo. O que eu não conhecia, mas acabo de descobrir, é que, como todo bom artista italiano, Antonello também produz mosaicos, o que seria mais do que previsível.

Assim como Bel Borba (outro gigante das artes baianas),  Antonello  vem ocupando áreas públicas de Salvador para exibir suas intervenções urbanas em cacos de azulejos. A meu ver, o trabalho mais exuberante, encontra-se na Avenida do Contorno: um mural super-colorido (que combina bem com a Bahia), um verdadeiro cartão de apresentação do artista no campo musivo, com 15 metros de largura por cinco de altura. Mas há outro trabalho que conheci através do You Tube, que retrata a figura de Jorge Amado na parede externa da faculdade que leva o nome do escritor. Tem 54 metros de comprimento, por dois e meio de altura. Na obra, Antonello aproveitou para homenagear outros companheiros artistas da Bahia, como Jenner Augusto, Carlos Bastos, Floriano Teixeira, Carybé, Mário Cravo e Calasans Neto, todos eles realizadores de ilustrações para os livros do escritor baiano.

Enfim, Antonello L’Abbate é um artista que honra e dignifica a produção visual e  plástica baianas, contribuindo para que as obras de artes não fiquem restritas a museus e  colecionadores, mas que ganhem as praças públicas, as paredes da cidade, as encostas, os túneis, as avenidas, as praças e as ruas, ou seja, indo até onde o povo está.

Lamentavelmente, não possuo fotos das obras em mosaico de Antonello L’Abbate, razão pela qual reproduzo fotos extraídas de outros sites, inclusive do próprio artista. Espero poder fotografar suas peças tão logo arranje oportunidade para visitar a Bahia, reencontrar amigos e abraçar essa gente boa e venturosa que convive com esses artistas fabulosos e criativos.

 

Em Brasília, 1 de março de 2008

 

(Se alguém quiser colaborar e me enviar fotos das obras em mosaico de Antonello L’Abbate, ficarei muitíssimo agradecido por poder reproduzí-las aqui neste espaço

Envie para Gougon@apis.com.br ou para Hgougon@gmail.com

CLIQUE E VEJA FILME SOBRE O PAINEL DE JORGE AMADO
CLIQUE  IMAGEM PARA VER NO YOU TUBE FILME DA  OBRA
L'Abbate redesenha em cores a porta da Faculdade

Na composição deste site, empreguei fotos provenientes de muitas fontes, algumas recolho dentro da Web, mas muitas devo agradecer a pessoas queridas
que me gratificam com chapas obtidas in loco, o que enriquece muito o meu
trabalho. No caso dessas três fotografias derradeiras devo-as à generosidade de minha querida amiga Elliane Nolasco, baiana de raiz, da melhor cepa. (Gougon)

l'ABBATE É UM NOVO VULCÃO NA ARTE MURAL DA BAHIA
labatte5img48.jpg
SUA OBRA SOMA-SE Á DE BEL BORBA PARA JUNTOS DAREM UMA NOVA CONFIGURAÇÃO CROMÁTICA À BAHIA

OBRAS ESTÃO NA PISTA DO CONTORNO, EM SALVADOR
labatepetit.jpg
GENIALIDADE JORRA DAS ENCOSTAS

DETALHES ENRIQUECEM O PAINEL
labbatecriancas.jpg
OBRA FICA NA ENCOSTA DA AV. DO CONTORNO