Make your own free website on Tripod.com

A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

ATHOS BULCÃO: DOS MOSAICOS NO RIO DE JANEIRO AOS AZULEJOS NA CAPITAL DA REPÚBLICA

athospainelmusivo.jpg

Athos Bulcão foi o principal artista da Capital da República. Falecido em 2008, aos 90 anos de idade, deixou em Brasília um conjunto colossal de obras visuais, dentre as quais destaca-a a azulejaria, que reformulou completamente, despegando-se da antiga tradição portuguesa, mediante a criação de novos padrões de desenhos geométricos, de natureza aparentemente simples e despojada, mas de fundo requintado, cobrindo muitas vezes as paredes nuas, desenhadas por Niemeyer, seu principal “cliente”.

 

Athos já conhecia o arquiteto desde a obra da Pampulha, em Belo Horizonte, dos anos 40/50, quando trabalhou ao lado de Portinari como ajudante do mestre na execução do

polêmico painel retratando São Francisco de Assis, rodeado por bichos.

 

Em Brasília, Athos Bulcão foi o artista da primeira hora, ao lado de Bruno Giorgi e Alfredo Ceschiatti. Após a inauguração da cidade, os dois retornaram ao Rio de Janeiro, mas ele ficou, continuando a produzir obras  muito vistosas um pouco por toda parte da nova Capital.

 

Além de Niemeyer, seus clientes foram todos os grandes arquitetos do período modernista, como o Lelé Filgueiras, projetista das instalações do Hospital Sarah Kubitschek, e quase todos os demais que deram seqüência à construção de Brasília.

 

Seu nome hoje está indissociado de Brasília, da qual é uma das principais referências no domínio artístico. O que poucos conhecem, no entanto, é sua formação anterior, adquirida no Rio de Janeiro, onde realizou painéis em mosaico, seguindo a vertente artística dominante no período que vai do final dos anos 40 até a primeira metade dos 60.

athos1hprio.jpg

Pois em 1955, antes de transferir-se para Brasília, Athos produziu este belíssimo painel em pastilhas da empresa Vidrotil para um prédio residencial na Rua Bolívar, do Rio de Janeiro, onde vivia. Recorreu à linguagem musiva, inspirado certamente pelo grande impulso que o mosaico recebeu ao final dos anos 40 e início dos 50, com obras musivas de vulto realizadas por Portinari, Di Cavalcanti, Paulo Werneck e tantos outros.

Sua transferência para Brasília impôs ao trabalho outro ritmo, digamos, mais acelerado no tempo e nos prazos que a construção da cidade exigia.

Athos optou, na Capital da República, pelo uso de azulejos, em que se distinguiu com maestria, a começar pelo revestimento externo da chamada Igrejinha da 108 (Igreja Na.Sa.de Fátima, projeto de Oscar Niemeyer realizado por encomenda (e pagamento de promessa) da primeira Dama, Sarah Kubitschek, ainda em 1957, do qual se diz que foi inspirado num chapéu de freira.

athosasshp.jpg

Depois deste, não parou mais, realizando obras pela cidade inteira, especialmente no Plano Piloto, onde decorou o Palácio Itamaraty, o Teatro Nacional, o Congresso, o Hospital Sarah Kubitschek, e muitos outros monumentos.

    

 

 

 

 

Sua última exposição individual ocorreu no Centro Cultural do Banco do Brasil, em 2002, a que compareci, muito emocionado com a vastidão da mostra e pela presença numerosa de amigos do artista.. A mostra também abrigou fotos de outros trabalhos de sua autoria, como a sucessão de máscaras, muitas delas influenciadas pela força de sua vertente musiva, com a colocação de pedrinhas coloridas de vidro.

athosnoccbb.jpg

Transcrevo aqui, a propósito, o texto magnífico que o jornalista e poeta TT Catalão publicou na edição de 7 de novembro de 2002 na página de Opinião do Correio Braziliense sobre Athos Bulcão, que mostra com nitidez a importância do artista para Brasília. É artigo para ser lido sobretudo por quem não é de Brasília, para ter uma noção de como o artista é ligado ou até se confunde com a vida da Capital.

 

Athos & atitudes

TT Catalão

 

 

A arte sobe pelas paredes. Athos Bulcão é assim. Com aquele ar de monge só na aparência, coisa do recato inteligente. Athos é um carioca do Catete legítimo expoente da constelação criadora de Brasília, mas com um expressivo detalhe: ficou na cidade. Habitou a utopia. Foi fundo nessa maquete de vanguarda e aborto socialista que, a cada dia, fica mais lúcida na construção da sua cidadania. E se Brasília adquire alma, além da prancheta monumental, é exatamente pela presença-seiva de figuras como Athos.

 

figuraathos2.jpg

  É a diferença entre predadores e criadores da cidade. Uns vêm para se dar bem (carreira, lobby ou grana). Geralmente se espatifam na vidraça de luz do Planalto. São mosquitos tolos que vêem o lado de fora, mas desconhecem a magia da vidraça. Brigam com a cidade, sofrem com os modos e podem até sair com sucesso e dinheiro, mas a alma fica aos cacos por tanto confronto. Athos fez da sua arte, atitude de vida. Outra diferença: ele vive o que pinta, traça, modela, monta ou esquadrinha.

 

  Artista raro. Sem panelas, sem rodar bolsinha no mercado, sem bajular a corte dos críticos que criam factóides estéticos em nome daquela onda mais ou menos alinhada ao status Berlim-Paris ou substrato NY-Tóquio-Barcelona. Athos não cuspiu no prato que comeu. Ao contrário, ofertou sua obra e a si para a cidade canibal da sua grandeza.

 

  O brasiliense sempre encontra sua arte no caminho: ao lado da rodoviária tem o mural de cubos no Teatro Nacional; azulejos na Igrejinha, aeroporto, Parque da Cidade, Congresso Nacional e prédios públicos. Athos convive em cada pedaço da cidade. Athos está em painéis interiores, máscaras, pinturas e desenhos. Presente na grande galeria a céu aberto da cidade mania essa, de brasiliense celebrar ar livre, luz explícita, horizontes, justiça, exigir clareza em governador, impor ética na vida pública. Que mania!

  A arte de Athos foi reunida no Centro Cultural do Banco do Brasil, em exposição que abre hoje, às 11 horas, com a presença do artista. A atitude de Athos está nas ruas. Técnica e sensibilidade. Converte-se na própria obra como está exposto e integrado ao conceito de arquitetura. Supera o suporte: não enfeita parede, a justifica. Às vezes, é a construção que adquire sentido a partir da intervenção de Athos. Meigo e sagaz, ele compõe cada traço sob longa percepção do meio: absorve para depois criar. Afável em extrema paciência (volta o monge). Athos cultiva silêncios enquanto abre grandes planos monumentais. Retribua um pouco dessa oferta e ame Athos no que faz, onde ele estiver na cidade, pelo que ele é. Rumo ao CCBB, já!