Make your own free website on Tripod.com

O homem é pequeno, a obra é vasta: o maior painel do Rio
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

A dimensão do mosaico e a dimensão da Igreja

Entre os dias 16 de abril e primeiro de maio de 2010, os jornais do Rio de Janeiro estamparam os seguintes cabeçalhos:

 

“Paróquia Imaculada Conceição terá maior painel mosaico do Rio de Janeiro”

 

“Será inaugurado o maior painel mosaico religioso do Rio”

 

“Arcebispo do Rio inaugura maior painel mosaico religioso da cidade”

 

30mhgriopainel.jpg

mosaicoimaculadaconceicao3.jpg

A idéia de ser “o maior de todos” nunca mostrou-se adequada na discussão sobre mosaico, uma arte que merece mais o debate qualitativo, estético, imagético e cromático que propriamente dimensional. No caso de obra religiosa, essa fissura pela “grandeza”  deveria ser proporcionada pela inspiração artística e devocional da obra e não pelo seu tamanho físico. Afinal, a “grandeza” da peça, especialmente de uma obra eclesiástica, não pode agredir a noção de simplicidade característica da vida monástica e religiosa.

Por outro lado, temos que convir que os jornais são vendidos nas bancas pelas manchetes que excitam e provocam emoções, sejam para o bem ou para o mal. Foram essas mesmas manchetes de jornal que levaram ao Recreio dos Bandeirantes, onde se encontra a Paróquia Imaculada Conceição, uma enormidade de fiéis para a inauguração do “maior painel religioso da cidade” do Rio de Janeiro. O painel cobre a empena do prédio de seis andares devendo atender à fé religiosa do público católico crescente do bairro.

painelimaculada.jpg

Os jornais também destacaram que a imagem foi criada pelo monge beneditino Dom Marcelo Molinero. O mosaico é formado por cerca de 200 mil peças em vidro, cerâmica, granito, mármore, ouro e pedras preciosas e contempla em sua parte inferior a paisagem que cerca a paróquia: o mar, a pedra do Pontal, a praia e a igreja. Tem 150 metros quadrados e peso de 700 quilos.

O que os jornais não noticiaram é que o mosaico foi produzido no Atelier de Mosaico do Projeto Âncora (http://www.projetoancora.org.br/)  sob a coordenação da arquiteta Regina Machado (www.arquitetura-religiosa.arq.br)

 

omaiordomundo.jpg

mosaicorito1.jpg

O projeto Âncora é uma obra de inclusão social de grande envergadura na cidade de Cotia, em São Paulo. Walter e Regina Machado dirigem essa obra, que merece ser vista com respeito e que reclama a colaboração de todos os brasileiros pelo seu alcance e pelo êxito da proposta. Afinal, o projeto caminha com as dificuldades financeiras características que envolvem atividades dessa envergadura, sempre necessitando do aporte e do carinho das pessoas mais aquinhoadas da sociedade brasileira e, especialmente, dos governantes.

A Oficina de Mosaico do Projeto Âncora funciona desde 1996. Emprega mulheres e jovens que trabalham sob encomenda, fazendo painéis e pisos em mosaico com os mais diferentes materiais e temas. 

mosaiconsenhora2.jpg

Essas mulheres e jovens já conquistaram um grau tão elevado de reconhecimento profissional que levou o restaurador José Paulo Strano a empregar seus serviços em diversas obras de reforma de painéis no Estado de São Paulo, inclusive na realização do painel em mosaico dos 103 Santos da Igreja São Degun Kim, da Igreja coreana em S.Paulo capital. Além deste, os jovens do Projeto Âncora auxiliaram no restauro do Painel do altar da Igreja Nossa Senhora de Guadalupe, em Marília(SP)  e no Altar da Capela das Irmãs Paulinas, em Cotia (SP).

Sobre a atividade social de Regina Machado, a revista Jornal D’Aqui publicou o seguinte texto:

fragmento do mural na Igreja S. Degun Kim
saodegun4.jpg
Painel mostra os 103 santos da Igreja Coreana

“11 de março de 2009

Entrevista: Regina Machado Steurer

 

O Alecrim é uma planta que ama o calor e a vida. É conhecido como a erva da coragem. E foi com um chá incrivelmente bom e gelado de alecrim que Regina Machado Steurer nos recebeu em seu escritório.

Regina é daquelas pessoas que te deixam à vontade, que tem clareza nas palavras, no olhar. Uma beleza altiva, ilustre. E ao mesmo tempo, simples, direta.

 

Alguém que sabe a que veio, ouve e exerce o que seu coração diz. É bonito de se ver, bom de estar perto. Inspirador.

 

Regina nasceu em Minas, estudou no Rio, em Bruxelas, morou em diversas cidades. Formada arquiteta, estudou teologia, lecionou liturgia e se especializou em arquitetura religiosa. Hoje, mantém seu escritório de arquitetura aqui na Granja, onde desenvolve projetos e gerencia obras de arquitetura e urbanismo, decoração, paisagismo, liturgia e artes plásticas. Também coordena a Oficina de Mosaico do Projeto Âncora”.

 

JDA: Fale um pouco do seu trabalho atualmente.

fragmento do mural na Igreja S. Degun Kim
saodegun3.jpg
Painel mostra os 103 santos da Igreja Coreana

Tenho um escritório de arquitetura com minha sócia, Nádia Neimar, com quem trabalho há mais de 15 anos.  Como arquitetas, queremos reafirmar nossas opções por uma arquitetura brasileira, com raízes em nossa cultura, isso é, as raízes indígenas e africanas. E por uma arquitetura a serviço da vida, acessível e sustentável. A REÚNA - Arquitetos Associados desenvolve projetos e gerencia obras de arquitetura e urbanismo. Para mim, o espaço físico é nossa fôrma. Cabe ao arquiteto fazer o planejamento dessa fôrma. O local de trabalho ou de estudo, a casa, a igreja ou capela, são lugares de encontro. É para lá que a REÚNA quer voltar suas atenções: cuidar dos espaços das nossas atividades profissionais, do nosso descanso, dos espaços da família ou dos encontros com a comunidade. Reunir é tornar a unir, harmonizar, conciliar, reconciliar, ligar, aliar, combinar, juntar o que se achava disperso.

O vocábulo UNA vem do tupi e significa negro, a confirmar nossas raízes. O RE de REÚNA nos remete aos quatro “erres” da sustentabilidade: reduzir o consumo, reutilizar o que já temos usado, reciclar os produtos dando-lhes outro fim e rejeitar o que é oferecido pelo marketing e que não precisamos. Outro fator que sempre privilegio é o trabalho local, isso é, comprar material e contratar mão de obra local, sem dúvida nenhuma também contribui para o universo, amenizando trânsito, poluição e, claro, gasto de combustível.

fragmento do mural na Igreja S. Degun Kim
saodegun2.jpg
painel exibe os 103 santos da Igreja Coreana

JDA: Como foi sua trajetória profissional, o que te levou a estudar arquitetura?

 

Na verdade a escolha por arquitetura eu nem sei ao certo. Gostava de artes, meu avô era artista-plástico, mas foi uma escolha meio em cima da hora. Aquela coisa de adolescente frente ao momento - vestibular, tendo que fazer a escolha. Eu sempre fui muito certinha, muito metódica e arquitetura já me atraía pela questão de planejamento que a envolve. Chegando ao final do curso uma certeza eu já tinha: interessava-me muito mais o planejamento urbano do que só decoração, por exemplo. No estágio de finalização de curso fui trabalhar na Favela do Vidigal, através da pastoral da Igreja Católica fazendo levantamento das casas e realizando plantas. Foi aí que fui percebendo que arquitetura tinha um fundo social.  Uma das coisas que aprendi com meus pais e sempre carrego em mim, na minha vida e no meu trabalho é a preocupação com a justiça social e com o ser humano.

 

 

 

fragmento do mural na Igreja S. Degun Kim
saodegunpetit1.jpg
O Painel apresenta os 103 Santos da Igreja Coreana

JDA: E depois? Como entrou a arquitetura religiosa na sua vida?

 

Terminada a faculdade, através de um tio padre, veio a possibilidade de ir para Bruxelas fazer um curso de Teologia. Interessei-me, movida pela curiosidade, vontade de estudar algo novo e na Europa. O curso durou um ano e foi determinante na minha vida. Não só pela infinidade de matérias e assuntos estudados mas também pela abordagem do curso que tinha uma linha voltada para o social e não limitada à Igreja. Foi aí que fui enxergando a vida de maneira mais espiritual e entendendo a fé de serviço, isso é, uma vida cristã de participação social. Antes de voltar para o Brasil ainda tive a possibilidade de permanecer em Ruanda, na África por 2 meses e sem dúvida nenhuma, voltei com muito mais certezas. Ao chegar, fiz especialização em Planejamento Urbano e comecei a escrever cartas para Bispos com visões mais sociais da religião, dizendo que eu havia feito o curso e que era arquiteta. O bispo do Espírito Santo, da Catedral de São Mateus, me chamou para ampliar a antiga catedral. Este foi o meu 1º trabalho e a partir daí comecei a estudar bastante porque vi que era um campo fascinante.

 

O local de celebração deve atender dois objetivos: ser funcional para as práticas que nele serão desenvolvidas e ser sinal de Mistério de Deus, do Cristo e da Igreja.

 

Na Catedral de São Mateus, por exemplo, a planta semi-circular contribui para a participação dos fiéis que cercam o presbitério (lugar onde fica quem preside a celebração, onde fica o altar). Antigamente e durante muito tempo as Igrejas retratavam bem a sociedade da época: em cima ficava o clero, perto do altar os mais ricos, em seguida as mulheres, e nas laterais os homens, como que cuidando delas. E ao fundo, os escravos, sem cadeira nem nada. Hoje há uma tendência, a própria igreja e os arquitetos estão considerando uma igreja mais comunitária onde não haja divisão e sim, integração. Daí a importância de um altar central, onde os fiéis possam ter uma presença participativa, mais integrados, formando uma comunidade.

 

fragmento do mural na Igreja S. Degun Kim
saodegun998.jpg
Painel mostra os 103 Santos da Igreja Coreana

 

JDA: De lá para cá foram inúmeros os projetos para construção, reforma e decoração de capelas, catedrais e igrejas, etc. Quais são os de maior destaque?

 

A Catedral de São Mateus, no Espírito Santo e a reforma e acabamentos da Basílica Nacional de Aparecida. Também gostei muito de transformar o Ginásio do Ibirapuera num espaço de celebração. Foi no aniversário de 250 anos da Arquidiocese de SP e 50 anos de ordenação sacerdotal de dom Paulo Evaristo Arns. Também sempre gosto de destacar a capela aqui do meu escritório.

 

 

 

JDA: Quanto à Granja Viana, você ainda acha que aqui é uma boa escolha para quem busca uma qualidade de vida?

 

Já está acontecendo muita coisa, não só aqui mas no planeta. Já estamos começando a viver o resultado de uma sociedade competitiva, consumista e individualista. Hoje, o mais pobre é a natureza, o planeta. Como vem acontecendo em vários lugares da Granja (e no mundo), por exemplo, estão construindo 19 novas casas numa área onde havia uma casa só, aqui, ao lado do escritório. Isso quer dizer que circularão provavelmente de 19 a 40 carros a mais por aqui. Acho que tudo isso e vários outros fatores nos levam, e na realidade já estão levando, à crise. E acredito plenamente que na crise, quando tudo está muito ruim, surge algo bom. O que quero dizer é que através da dificuldade, possamos acordar para o cooperativismo. Não foi à toa que John Nash foi premiado por sua fórmula matemática em que comprovava que a competição divide e exclui, enquanto a cooperação soma e inclui. Acredito que esses novos condomínios possam virar Ecovilas onde irão morar várias famílias com um mínimo de impacto possível e com convivência social e trabalhos comunitários. Mais coletivismo e menos individualismo.

 

 

saodegun99.jpg

JDA: Como é sua participação no Projeto Âncora?

 

Fui responsável pelo projeto arquitetônico e hoje coordeno a Oficina de Mosaico, além de fazer parte do Conselho. O Projeto Âncora é uma entidade sem fins lucrativos, cujo objetivo é tirar da rua as crianças e jovens pobres da região. Lá são oferecidas atividades que desenvolvem potenciais, complementam os estudos e melhoram a auto-estima. O projeto foi pensado como uma cidade, isso é, estão lá “a praça” em forma de Circo (o lugar do coletivo), o ambulatório (ou seja, a saúde), o administrativo (política), as quadras de esporte (esporte) e as salas de aula (educação). Um fator fundamental sempre foi primar pela beleza. A beleza educa. O gosto pelo belo é construído aos poucos. Só se opta pelo feio quando não se tem escolha. Não é certo dizer que o povo não tem gosto, o que ele não tem é opção. O gosto e o prazer pelo belo são intrínsecos ao ser humano. E o belo não está obrigatoriamente associado ao luxo. Com arte somos capazes de valorizar a matéria mais pobre e sublimar a forma mais simples. Um espaço belo, que prima pela organização, estética, limpeza e manutenção, está respeitando o indivíduo que por lá existe. A beleza é pedagógica, educativa. E com 13 anos de vida do Âncora, posso afirmar que nunca houve desrespeito por alguém diante do espaço físico. Gosto muito da frase de Bertold Brecht que mostra o quanto o meio condiciona o comportamento das pessoas: “Do rio que tudo arrasta se diz violento, mas não se dizem violentas as margens que o oprimem.”

 

FOTO DA OBRA INTEIRA DOS 103 SANTOS
restaurostrano1.jpg
PAINEL DEDICADO A SÃO DEGUN KIM

JDA: E a oficina de Mosaico, conte um pouco.

 

Em princípio fiquei pensando em ter uma atividade direta com os jovens e adolescentes do Âncora. Me perguntava como poderia dar aulas de arquitetura. Aí apareceu o Mosaico, fiz alguns cursos e começamos a fazer artesanato. Depois, me dei conta de que para comercializar esse artesanato deveria focar o trabalho nas mães das crianças atendidas, assim complementaria a renda da família e profissionalizaria essas mulheres, (o que seria inviável com os jovens menores de 16 anos). Desde 2004, quando fizeram um enorme painel para a Igreja São Degun Kim no Bom Retiro, com 103 santos coreanos, o grupo trabalha profissionalmente com painéis e pisos em mosaico nos mais diferentes materiais: pastilhas de vidro, pasta de vidro italiana, cacos de louça, vidro quebrado de automóvel, pedras, seixos, tudo serve para compor painéis de beleza e criatividade.

 

 pela transcrição, Gougon 2010

Enter supporting content here