Make your own free website on Tripod.com

Mosaicos da Basílica de Nazaré, em Belém do Pará
Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

SUMMARY 

 

The Nazaré Basilica, in Belém, in the state of Pará, is the most majestic religious building in the Northern Region of Brazil and famous for the popular belief that attracts visitors from all over the country in October, during the religious party known as the “Pilgrimage of Nazaré”. The interior of the church houses rich mosaics from Italy. In the front part of the church, a great panel hung high causes confusion among visitors, for they show, among historical characters from the 16th Century, two men wearing suit and tie. They represent the Governor of Pará and the Mayor of Belém in the early 20th Century, when the Basilica was built.

 

basilicailuminada.jpg

A Basílica de Nazaré

 

A partir do século V a Igreja Romana do Oriente, estabelecida em Bizâncio e rebatizada como Constantinopla (hoje Istambul), identificou nos ícones, nos vitrais e nos mosaicos as linguagens plásticas ideais para evangelizar os povos “bárbaros” e substituir a arte estatuária da tradição greco-romana que privilegiava as curvas e a sensualidade de deuses pagãos, então abolidos. Recorrendo aos mosaicos chapados nas paredes e logo nas cúpulas, a Igreja nascente desfez-se das esculturas musculosas e sensuais do passado e deu preferência ao emprego do revestimento musivo como sua arte mais vistosa para a difusão mística das cenas bíblicas.

 

Embora a Igreja católica portuguesa tenha transportado para o Brasil, desde o descobrimento, seus valores sagrados e estéticos, que remontam ao período medieval, esse movimento não nos trouxe a arte dos mosaicos porque ela não fora difundida nas igrejas lusitanas, que preferiram cultivar a azulejaria, seguindo a forte influência da presença moura na Península Ibérica. Esta sim, veio para o Brasil, com a mesma função que aquela, para revestir monastérios, palácios eclesiais, igrejas e mosteiros.

Abaixo, figuras de santos em mosaicos reluzem dentro da Basílica

foto5210.basilicanazardoissantos.jpg

O mosaico de tradição romana (e bizantina) só chegaria às igrejas brasileiras através de padres missionários procedentes da Itália, que entraram em nosso país a partir do final do século XIX, ora acompanhando a imigração italiana ora enviados para proceder à catequese indígena, ou seja, dentro do processo de expansão do vasto universo das ordens religiosas ligadas ao Vaticano.

 

Isso explica porque boa parte das matrizes, das catedrais, das sés, das basílicas e de outras obras monumentais realizadas a partir do  século passado abriga obras musivas no piso, nas paredes ou nas fachadas, realizadas por artistas italianos. Em certos casos, alguns deles se adaptaram tanto ao Brasil, que costumam ser vistos, na perspectiva de hoje, como ítalo-brasileiros.  Sem precisar ir muito longe, é o caso entre muitos, de Antonio Mucci  em Minas, ou de Antonio Maria Nardi, em São Paulo, sempre envolvidos com mosaicos para decoração de igrejas no Brasil. Mucci decorou todo o interior da Igreja de Nossa Senhora do Carmo, em Belo Horizonte, de toda a igreja de Extrema, na divisa com S. Paulo, e da Igreja de Salto da Divisa, no alto Jequitinhonha, junto ao território baiano. Nardi cobriu a Igreja de Serra Negra, em S. Paulo, com mosaicos e dezenas de outras pelo país afora.

madonnazarehp111.jpg

Dentre todas as igrejas que abrigam mosaicos, o caso mais exuberante, sem sombra de dúvida, é o da Basílica de Nazaré, em Belém do Pará, toda ela coberta de obras refinadas, executadas em Veneza e Milão que, com as cores e brilhos de suas pastilhas, impressionam os fiéis e os mantêm conectados com o sentido místico da Virgem. Sua imagem teria sido encontrada por um caçador, Plácido José de Souza, no século XVIII, no mesmo local onde a Igreja foi erguida.

 

cristoaochaonazarehp1.jpg

Reza a lenda que esse local era coberto pela floresta e o caçador levou a imagem para casa, mas a Santa retornou à sua morada, na mata. O fato repetiu-se por várias vezes, até que o Governador da Província decidiu levar a santa para a capela do Palácio, de onde ela também escapou. A partir daí, a devoção cresceu e a solução encontrada pelos devotos foi a de construir uma igreja no lugar em que a Virgem foi encontrada. Primeiro, foi construída uma pequena ermida, depois uma Igreja de pedra e cal, despretensiosa, até que, em 1909, lançou-se a pedra fundamental para a construção da Basílica, iniciada pelo principal defensor da obra, o padre barnabita Luís Zoia, sucedido pelo também italiano Afonso Di Giorgio. O projeto foi encomendado ao arquiteto italiano Gino Coppede, que nunca esteve em Belém do Pará. Enviou um projeto que é uma cópia quase fiel da Basílica de São Paulo Extra-Muros, de Roma, onde vivia.

 

timpanodenazar.jpg

O início da construção foi dificultado pela falta de recursos, já que coincidiu com a depreciação do preço da borracha que, até pouco antes, proporcionara uma riqueza vertiginosa aos produtores da Amazônia. Ainda assim, a devoção à Virgem de Nazaré permitiu que uma corrente de fiéis contribuísse com os recursos para dar ao templo uma configuração luxuosa, apesar da farta mistura de estilos.

 

O tímpano reluzente de frontão triangular da igreja projeta do lado de fora a riqueza musiva que se vai ver no interior. Foi encomendado à firma Gianese de Veneza e ao ser instalado provocou grande polêmica nos jornais paraenses e confusão entre os visitantes do templo.

 

Trata-se de um painel triangular com 19 metros de uma ponta a outra, destacando-se no alto da Basílica.  Por recomendação do padre Di Giorgio, que conduziu toda a parte de decoração do templo, os desenhistas do mosaico foram solicitados a explorar como tema a glorificação de Nossa Senhora pela população do Norte do Brasil.  Ao centro fica a imagem da Virgem de Nazaré sobre o Rio Amazonas e, às suas margens, à esquerda, Frei Henrique de Coimbra (que rezou a Primeira Missa no Brasil), o padre Antônio Vieira, acompanhado de índios e negros; e do lado direito, Pedro Álvares Cabral, Francisco Caldeira Castello Branco, D. Bartolomeu do Pillar (primeiro bispo do Pará), o caçador Plácido José de Souza, o padre Di Giorgi (que encomendou a obra), o intendente Rodrigues dos Santos (prefeito de Belém) e o governador Dionísio Bentes.

basilicanazari.jpg

A figuração do prefeito e do governador em trajes modernos, de paletó e gravata, gerou uma certa polêmica, pelo inusitado da cena, e acabou trazendo confusão aos visitantes da Basílica, que desconfiaram que as duas presenças estivessem ligadas a comerciantes endinheirados, suspeitos de “comprar” seus retratos na fachada da igreja, como, aliás, era comum em algumas Igrejas da Idade Média.

 

Sobre o tímpano há uma grande cruz, toda mosaicada em ouro, que, segundo o historiador paraense Leandro Tocantins, teria sido extraído das margens do Rio Gurupi, no sul do Pará. No interior da Basílica, os mosaicos se sucedem em representações religiosas que comovem e exaltam a fé dos católicos. São 38 medalhões em mosaicos, cada um com um metro e meio de diâmetro. Em números, vale observar que a igreja possui cinco naves, duas torres com 42 metros de altura, 32 colunas de granito maciço, 54 vitrais, 19 estátuas em mármore de Carrara, dois candelabros em bronze, 24 lampadários venezianos, nove sinos eletrônicos, um órgão com três teclados e 1100 tubos.



nazarehquatro.jpg

Nos medalhões em mosaico estão registradas as principais passagens da vida de Nossa Senhora, inclusive suas aparições. Em outros dez mosaicos, são retratados os momentos mais significativos da história do Círio de Nazaré, desde a origem da devoção em Portugal. Nas naves laterais encontram-se também mosaicos que retratam mulheres destacadas na Bíblia e que guardariam virtudes identificadas na Virgem Maria, como Isabel, Ruth, Esther, Noêmia e Suzana.

foto5212.basilicanazaressebastiao.jpg