Make your own free website on Tripod.com

Humberto Cozzo: das imagens na Catedral aos mosaicos na Sinagoga

Home
O RETRATO DE DONA CARMELA SALGADO
A REDESCOBERTA DE CATELLI
Catelli é o cara
erro
Romero Brito no Rio
mosaicos de S. Bento do Sapucaí
A Bahia renovada: o mosaico de Eliezer Nobre
O mosaico do cineasta Mário Carneiro
Moema Branquinho, o profissionalismo na arte
A revolução silenciosa de Jo Kawamura
Schueler: uma vida dedicada ao mosaico
Mosaicos do Instituto Oswaldo Cruz
A comunidade luso brasileira no mosaico curitibano
Uberlândia revisitada pelos seus mosaicos
Flávio Phebo: cenários e mosaico
Ciranda do Mosaico, experiência de sucesso
Juarez Paraíso entre a dor e a Paixão
A homenagem a Lupicínio Rodrigues
Gustavo Nakler, o mosaico após o bronze
O mosaico cabeça de Maria Tomaselli
Isabel Ruas engrandece a arte
Um painel no Centro Cultural Franco Amapaense
Mosaico na revendedora Chevrolet
Romero Britto e Michael Jackson
Freud de Melo, pedra por pedra
Leonardo Posenato e a História
A arte coletiva do mural curitibano
Mosaicos variados de Alagoas
Obra de Raphael Samu tomba aos pés da UFES
No Recreio um santo mosaico
Clóvis Graciano: a longa espera
Mosaicos inspirados do Acre
No Metrô com Leilah Costa
Carlos Catini, de Tocantins para o mundo
A fauna pantaneira em mosaicos
Painel de Zenon Barreto, o resgate
Núbia Gonçalves colore a Paraiba
Vitória Basaia, a magia da vida
Mosaicos além da linha do Equador
Júlio Carvalho redesenha Porto Velho
O Clube Naval e seus pisos ilustres
O mosaico criativo de Fátima Campos
Regina Bustamante encara o leão
A tridimensionalidade em Marcelo de Melo
Bispo do Rosário, colecionismo no caos
Paulo Werneck, o maior de todos
Lorenz Heilmair entre os mosaicos e os vitrais
Sérgio Honorato: competência artística
Mosaicos de Belém no auge da borracha
Cláudia Sperb, a arte da cobra
A arara de Flávio Império
A arte pública de Zenon Barreto
Pisos em mosaico do MNBA
Estrigas e a revisão da História
Casa dos cacos de louça em Contagem
Roteiro do mosaico no Rio
Mosaico e turismo em São Paulo
O mural de Martinho de Haro
O mosaico de Noêmia Guerra
Mosaicos de Porto Alegre vieram do Vaticano
Os pisos do Palácio Tiradentes
Os mosaicos de Fritz Alt em Joinville
Aldemir Martins e o Dragão do Mar
A presença de mosaicos árabes no Brasil
A cúpula do Teatro Amazonas
A obra vasta de Heinz Schueler
O charme discreto de Raphael Samu
O mural de Odiléa Toscano
A religiosidade em Danúbio Gonçalves
O maranhense de Bacuritiba
De Newrton Navarro a Damasceno
Mosaicos de Chica Granchi, puro prazer
O mosaico do Cristo Redentor
OS MOSAICOS DE PORTINARI, REALIZADOS E A REALIZAR
A decodificação de Nitsche
EM CONGONHAS, UM MOSAICO AMOROSO
Mosaicos de Atitude em Clemência Pizzigatti
Murais em mosaico de Tomie Ohtake
BASSANO VACCARINI, DA ITÁLIA PARA O BRASIL
OBRA MURAL DE LEDA CATUNDA
Romero Britto e a crítica
Mosaicos do Palácio Guinle
Ianelli e a opção madura pelo mosaico
CLOVIS GRACIANO EM GOIÂNIA
Estevão da Conceição na favela de Paraisópolis
SAMSON FLEXOR: O CIRCO EM JAÇANÃ
A geometria do mosaico-calçada em Brasília
O muralismo musivo de Cláudio Tozzi
Mosaico de Lygia Clark no Rio
O chocolate de Vik Muniz e os cereais de Siron Franco
Mosaicos de Nazaré
Os mosaicos de Di Cavalcanti
Duas, três, muitas vezes CARYBÉ
Serafino Faro, mestre mosaicista
Os mosaicos apenas projetados por Carlos Scliar
Os mosaicos renovados de Luiz Ventura
Mosaicos de Roberto Burle Marx
HASSIS NA PRAÇA XV
Julio Guerra: reinvenção de Borba Gato
Galileu Emendabili e a Revolução Constitucionallista
A luz que atravessa a obra de Freda
Aldemir Martins, a última fase
O luxo cromático de Amélia Toledo
Percy Deane, um amazonense no Rio
AS INTERVENÇÕES DE SELARON NO RIO
presente papal: mosaicos do Vaticano
a presença e a ausência de Mucci
A pureza de Antônio Carelli
Carlos Oswald em Botafogo
O Buda do mosaicista Inimá de Paula
A Vila não quer abafar ninguém
Gastão Formenti, primeiro o artista, depois o cantor
Eduardo Sued, artista, prestidigitador
Mosaicos de Cozzo na Sinagoga
A obra de F. Gaudin no Rio de 1908
Mosaicos de Minas, religiosidade e arte social
Antonello L'Abbate, o ítalo-baiano
JOSÉ PARA SEMPRE MORAES
Carmela Gross: cabeça nas alturas, pés no chão
O mosaico do atleta Aldo Manfrói
Mauro Fuke, tesouro encontrado
A iniciação ao mosaico, de Athos Bulcão
Gershon Knispel no Sumaré
O imaginário de Copacabana
Mosaicos do Jockey carioca
A obra musiva de Gryner
Martha Poppe: do selo ao mosaico
Mosaico de Ladjane Bandeira
A obra perene de Franco Giglio
Bel Borba é a nova imagem da Bahia
A obra em mosaico de Leonilson
A arte sacra do italiano Angelo Tanzini
Cadê o Clovis Graciano que estava aqui?
Ignorância destrói obra de Paulo Werneck
Belmiro de Almeida: mosaico de 1934
Mosaicos em Serra Negra
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaicos de Poty Lazarotto
Os mosaicos que orgulham o Ceará
Mosaico de Paulo Werneck no Senado
Um poeta mosaicista, Rodrigo de Haro
O autor? alguém conhece?
Paulo Freire ganha monumento em mosaico
A obra de Portinari para Brasília
Mosaicos Armoriais de Suassuna
Alfredo Volpi na Casa de JK
Mosaicos de Lívio Abramo
Vista do Pão de Açúcar
O mosaico destruído em Belém
Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
A obra de Facchina no Brasil
Mosaicos verticais, vocação irresistível
Os mosaicistas ítalo-brasileiros
Impulso e compulsão na arte musiva
A nova Pampulha de Paulo Werneck
Painéis de JK
Calçadas de pedras portuguesas em Copacabana
Mosaicos da Imperatriz Teresa Cristina
Mosaicos romanos da Síria
Graciano, o modernista de Sampa
Um projeto de mosaico poético para Brasília

Torre na Sinagoga revela o esplendor da obra
cozzotorrehp1.jpg
Belíssima arquitetura, verdadeiro tesouro estético

Humberto Cozzo, mármore, ferro, granito, bronze

fachada da Sinagoga: mosaicos na altura
cozzodefrentehp.jpg
Humberto Cozzo, do bronze aos mosaicos

Machado na Academia, Obra de visibilidade publica
machadocozzo.jpg
Humberto Cozzo realizou obras de norte a sul do país

Nascido em São Paulo no alvorecer do século XX, o artista Humberto Cozzo veio ao mundo para deixar sua impressão digital na arte das esculturas, dos bustos, dos baixo-relevos e da estatuária. Embora pouco lembrado nos dias atuais, suas obras espalham-se pelo país inteiro e qualquer brasileiro, por mais desavisado que seja já deve ter passado por algum de seus monumentos, bustos ou esculturas, ainda que desconheça o autor. Para não alongar muito, é de autoria de Cozzo a imponente estátua do escritor Machado de Assis sentado à frente da Academia Brasileira de Letras, no Rio de Janeiro, conhecida por toda a população do Rio e, através de fotos, por milhões de pessoas Brasil afora.

Em 1920, ao completar vinte anos de idade, formou-se pelo Liceu de Artes e Ofícios de S. Paulo e já tinha tanta desenvoltura adquirida ao longo do curso, que faturou o primeiro prêmio de escultura no Salão do Centenário, em S. Paulo (1922). Pouco tempo depois, ganhou a medalha de prata no Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, em 1928. No ano seguinte, foi o primeiro colocado no concurso público para construir um monumento em homenagem ao escritor José de Alencar em Fortaleza. Realizou uma obra tão perfeita que significa hoje uma das mais importantes peças nacionais do período Art Deco no Brasil. 

Suas peças de arte multiplicaram-se por todo o país, algumas delas causando até enormes polêmicas como a estátua da Mulher Nua em Curitiba, que realizou em parceria com o artista Erbo Stenzel, em 1955, a quem coube fazer a estátua do Homem Nu. Esculpidas para ornar uma praça em frente a um tribunal de justiça, as obras provocaram reação dos curitibanos e acabaram separadas, sendo a do homem colocada no espaço previamente determinado e a outra, da mulher, escondida por trás do prédio. Só vieram a se juntar ao final dos anos 70, um caso típico de atraso cultural, que nem vale a pena aprofundar, até porque já foi superado.

Em Fortaleza o romancista José de Alencar
monumentojalencar.jpg
Exzemplar clássico do ART DECO brasileiro

Embora a confecção de busto seja nos dias de hoje uma atividade artística bastante desdenhada pela crítica, foi nessa atividade que Humberto Cozzo garantiu grandes dividendos, espalhando um pouco por toda parte peças retratando poetas como Hermes Fontes, Olegário Mariano e Olavo Bilac no Passeio Público do Rio de Janeiro, assim como o ex-presidente Getúlio Vargas no Museu de Polícia Civil, e  mais uma centena de outras em espaços de visitação pública, incluindo igrejas.

É dele, também , o jazigo em mármore na Catedral de Petrópolis, onde repousam os restos mortais da Princesa Isabel e do Conde D’Eu.

Faleceu em 1981, sendo a maior parte de suas últimas obras realizadas para a Catedral de São Sebastião do Rio de Janeiro, onde projetou e construiu painéis em baixo relevo e esculturas, como a imagem em silhueta de São Francisco, localizada na entrada lateral do templo. Tanto S. Sebastião, que é o patrono principal como Sant’Anna, que é patrona secundária, foram eternizadas em estátuas sacras esculpidas em granito por Cozzo.

Embora a confecção de busto seja nos dias de hoje uma atividade artística bastante desdenhada pela crítica, foi nessa atividade que Humberto Cozzo garantiu grandes dividendos, espalhando um pouco por toda parte peças retratando poetas como Hermes Fontes, Olegário Mariano e Olavo Bilac no Passeio Público do Rio de Janeiro, assim como o ex-presidente Getúlio Vargas no Museu de Polícia Civil, e  mais uma centena de outras em espaços de visitação pública, incluindo igrejas.

É dele, também , o jazigo em mármore na Catedral de Petrópolis, onde repousam os restos mortais da Princesa Isabel e do Conde D’Eu.

Faleceu em 1981, sendo a maior parte de suas últimas obras realizadas para a Catedral de São Sebastião do Rio de Janeiro, onde projetou e construiu painéis em baixo relevo e esculturas, como a imagem em silhueta de São Francisco, localizada na entrada lateral do templo. Tanto S. Sebastião, que é o patrono principal como Sant’Anna, que é patrona secundária, foram eternizadas em estátuas sacras esculpidas em granito por Cozzo.

Nos mosaicos a assinatura HCOZZO
cozzodebaixopracima.jpg
Trata-se do único painel em mosaico conhecido de Humberto Cozzo

magnífica fachada, obra para a eternidade
cozzofrontalhp.jpg
Mensagem de fé em hebraico realizada em mosaicos

No que interessa nossas pesquisas, vale admirar os mosaicos que Humberto Cozzo produziu para a fachada principal, no tímpano da Sinagoga. Infelizmente, desconheço hebraico, mas há alguma mensagem ali apresentada que, espero, algum companheiro possa traduzir para apresentar aqui.

A sinagoga encontra-se fechada de uns tempos para cá, mas encontrei na Internet um site rico de informações sobre o local, uma das quais indicando a possibilidade de vir a se tornar um espaço de uso múltiplo, principalmente sob o aspecto histórico. Além de manter-se como sinagoga, poderia, segundo a informação, abrigar uma exposição permanente sobre a história dos judeus do Rio de Janeiro, como também um museu fotográfico da comunidade e até um museu do Holocausto.

 

Enfim, pessoalmente, gostaria imensamente que todas essas intenções venham a ser realizadas, até porque, embora não tenha ingressado na Sinagoga, fiquei sabendo que, no interior, haveria obras ainda mais ricas em mosaico assinadas por Humberto Cozzo.

Enfim, é mais um caso fascinante do que representa a identificação e busca das obras referenciais em mosaico realizadas no Brasil do século XX, e das que vem sendo produzidas no atual. São obras de arte refinadas que contam histórias da vida e da arte brasileiras, que identificam uma época e revelam o nome de grandes artistas que apostaram na linguagem musiva e deram o melhor de si para que ela pudesse embelezar o espaço cotidiano das pessoas de todas as crenças e de todas as origens.

 

temploisraelita06.jpg

NOTA COMPLEMENTAR

Eu já havia concluído e postado minhas emoções ao encontrar a Sinagoga da Rua Tenente Possolo com os mosaicos de Humberto Cozzo, quando "encontrei" na Internet um artigo muito rico em informações, de autoria de Ivo Korytowski , revelando que o arquiteto da obra chamava-se Vodred e que  o templo foi inaugurado em 1932 sendo que os mosaicos foram aplicados em 1976 pelo artista Humberto Cozzo. No mesmo blog, ele publica fotos do interior do templo, sobre o qual eu fora informado da presença de outros mosaicos assinados pelo mesmo artista, mas nunca cheguei a apreciá-los pessoalmente porque a Sinagoga está fechada há muitos anos. Reproduzo aqui uma das fotos do blog de Ivo Korytowski, com um link direcionado para a  página dele (basta teclar sobre a foto), a fim de que qualquer internauta mais interessado possa ir direto até a página e beber da boa água de suas fotos e informações.

Além dos mosaicos na fachada há outros no interior
cozzoreduzidohp.jpg
Sinagoga está fechada, mas pode reabrir para um novo tempo